domingo, 11 de agosto de 2013

MA ANANDA MOYI - A Reversão da alma para o Espírito [11/08/2013] - Canal: ALTA de Altaïr



11 de agosto de 2013.
Mensagem recebida e transmitida através
do Canal - ALTA de Altaïr

Áudio da Mensagem em Português
Link para download: clique aqui


Áudio da Mensagem em Francês

Eu sou MA ANANDA.
A todos vocês, no Coração do UM, estreitemos juntos a nossa Presença no Coração do UM.

A minha Presença é destinada, hoje, a dar-lhes os elementos que vão completar o que eu lhes dei, há vários meses, referente à Reversão da alma para o Espírito.

E também, mais especificamente hoje, o que significa esta frase, muito importante, que é: “Pai, eu entrego o meu Espírito entre as tuas mãos”.

MARIA abordou com vocês, antes de mim, sobre as suas circunstâncias atuais, interiores e exteriores.

Eu vou comunicar-lhes os elementos atemporais, porque esses elementos atemporais sempre existiram sobre este mundo, e foram manifestados e expressos por diversas vozes de Irmãos e Irmãs tendo realizado isso.

Todos vocês sabem, por terem lido ou vivido isso, que do seu ponto de vista sobre este mundo, enquanto nós estamos encarnados, nós encarnamos corpo, alma e Espírito.

O corpo com as suas necessidades, os seus prazeres e desprazeres, com o seu crescimento, o seu apogeu e a sua decadência.

A alma, da qual eu lhes falei longamente, estando voltada para a matéria.
A alma está, de algum modo, anexada e emparelhada com o corpo.
A alma, é claro, não é efêmera já que ela segue de vida em vida.

Mas enquanto a alma não se voltar da matéria para o Espírito, ela permanece uma interface a serviço do corpo, das leis do corpo, mas também das leis da alma.

Eu não vou me alongar sobre as leis da alma, porque, particularmente no século passado, muitas pessoas revelaram algumas características da alma, tanto em relação à astrologia como em relação ao que vocês chamam de karma.

Mas o Espírito não é implicado pelas leis da alma e do corpo.
O Espírito é eterno, ele sempre esteve aí e sempre estará aí.

O Espírito é Um.
Mas o Espírito pode possuir, de algum modo, uma forma de diferenciação.
Esta diferenciação é em função, não somente das tonalidades da alma, mas, de preferência, do que havia sido chamado de Linhagens Estelares e da sua Origem Estelar.

Alguns de vocês tiveram a revelação das suas Linhagens, da sua Origem.
Mas, hoje, para entregar o Espírito à FONTE, para entregar o seu Espírito ao grande Todo - o que pode parecer, efetivamente, do ponto de vista da alma como do ponto de vista do corpo, como pura loucura, porque pondo fim ao indivíduo, pondo fim à ronda das encarnações e das reencarnações e, sobretudo, pondo fim ao isolamento - sempre vai parecer para a alma, para a consciência e para o corpo, como estúpido, sem valor.

E esse é efetivamente o caso, enquanto vocês não tiverem entregado o seu Espírito.

A Reversão da alma, do corpo para o Espírito, foi realizada por uma série de Portas presentes no corpo.

Sobre isso, eu falei longamente enquanto Estrela portando a Vibração de AL, aquela do Fogo, do fogo da matéria voltando-se para o fogo da alma e, enfim, para o Fogo do Espírito. Isso também foi explicado, há vários meses, por aquele que se nomeia IRMÃO K.

Eu não voltarei sobre isso, porque muitos elementos foram vivenciados, ou comunicados, mas, antes, para esta conclusão, eu diria, de preferência, finalização: o momento em que, instalados na Morada da Paz Suprema, instalados na Última Presença ou Infinita Presença, vocês desaparecem, temporariamente.

E vocês retornam mais ricos, mais plenos.
Sejam quais forem as circunstâncias da sua vida, das suas atividades, seja qual for o estado da sua alma, naquele momento, vocês tomam conhecimento da futilidade e da ilusão do caminho que for, bem como da ilusão de qualquer procedimento.

Mas isso apenas pode ser vivido no fundo do seu interior.
Vocês não podem, nem devem procurar convencer seja quem for.

Porque não podemos ser convencidos disso.
Não podemos sequer crer ou esperar por isso, já que, ainda uma vez, do ponto de vista do corpo e da alma, isso é uma heresia.

Eu chamo sua atenção para: “o que vocês querem?”.
Não no sentido de um desejo a ser satisfeito, mas mais no sentido de: “o que vocês querem? qual é o sentido do que vocês são? qual é a sua natureza? qual é o princípio que anima este corpo e esta alma, a não ser o seu Espírito?”.

Mas qual é este Espírito, enquanto vocês não o vivenciaram?
Vocês não podem vê-lo com o corpo, vocês não podem vê-lo com os seus sentidos, vocês não podem vê-lo com a sua alma, vocês não podem vê-lo seja com o que for.

Porque ele apenas pode aparecer, de algum modo, quando vocês tiverem, eu diria, dissecado a questão. Quando vocês tiverem esgotado o fogo da matéria e o fogo da alma, quando vocês tiverem consumido tudo o que é ilusório, quando vocês forem interrogados sobre o sentido de tudo o que se desenrola na vida de vocês.

Chega um momento em que, efetivamente, vocês se rendem.
O impulso final da Luz, se eu puder assim nomeá-lo, chega para vocês a fim de realizar isso.

É nesse sentido que isso é denominado um Abandono, uma Aquiescência, uma Renúncia.

É no Espírito que se encontra o único contentamento não estando ligado à ação/reação, não estando ligado ao corpo, não estando ligado à alma, mas que está ligado ao que vocês São e ao que nós Somos.

Não há esforço a ser feito.
De fato, não há nada mais fácil, porque as circunstâncias do seu tempo, de alguma maneira, são convenientes, e porque, também e principalmente, vocês são um número significativo.

Quando uma alma é despertada para o Espírito, a face do mundo muda.
Quando cem almas são despertadas para o Espírito, o destino de uma galáxia inteira é alterado, em todo caso nos mundos onde reina a divisão e o que é chamado de separação.

O que está chegando não é somente o fim da separação em vocês, como falou MARIA, mas, bem mais, o Retorno ao que jamais se moveu, ao que jamais foi experimentado, ao que jamais precisou ser Criado ou recriado.

O Silêncio é uma ferramenta maravilhosa, porque, se vocês disserem Sim à Luz, cada vez mais intensamente e profundamente em vocês, vocês irão Viver efetivamente, enquanto estando presentes sobre o mundo que vocês percorrem, cada vez mais o Espírito, o Espírito e a Dança dos Elementos reunindo-se, em conjunto, ao Quinto Elemento, o Éter.

O Éter da Terra foi seccionado.
O Éter da Terra se viu privado, de certa forma, da marca do Espírito, deixando passar apenas um tênue filete permitindo vivificar a alma e o corpo. Mas esse tênue filete, que era limitado, jamais devia se reforçar, a fim de que nem o corpo, nem a alma, pudessem sentir, de algum modo, o Sopro do Espírito.

O Sopro do Espírito tornou-se, hoje, uma torrente, agindo essencialmente pelo que vocês denominam Ar e Fogo, casando-se com a Água e a Terra, dando nascimento ao Éter, o Ponto ER, aquele da Ressurreição.

Tudo isso é infundido em vocês, mostrando-se em vocês, e revelando o Espírito. Então, é claro, vocês compreendem que existe, e que vai existir principalmente a partir de agora, o que eu poderia qualificar de impulso em vocês: um impulso para o pesado e o denso, para o corpo e a alma, e um impulso exatamente oposto, para o Espírito.

Um não vai seguir com o outro.
Por outro lado, o Espírito pode Transcender tudo o que pode permanecer, no seu Fogo vivificante.

No Ardente do Sol, no Ardente da Luz, ele pode queimar, metamorfosear totalmente o que podia restar de peso neste corpo e nesta alma.

Lembrem-se de que do ponto de vista do Espírito, a alma é tão efêmera como o corpo.

A alma não é eterna, especialmente quando ela é cortada do Espírito (ou simplesmente alimentada), porque nenhuma alma pode existir sem o Espírito.

O que acontece agora não é simplesmente uma Reversão, como eu havia falado, do fogo da Terra para o fogo da alma, isso é bem mais a Transfiguração, como MARIA lhes disse, da totalidade dos elementos densos e grosseiros, ou mais sutis, pertencentes exclusivamente a esta vida neste mundo.

O Espírito não se importa com os mundos, o Espírito não se importa com o que é limitado, ele alimenta e nutre isso.

Entregar o seu Espírito entre as mãos da FONTE e do Pai, ou da Mãe, é uma rendição sem concessões. E isso ocorre no Silêncio, no cadinho do alquimista, esse cadinho que é o seu peito, que foi, de algum modo, alimentado pelo Fogo da Dança da Vida, da Onda da Vida, pelo Fogo do Espírito Santo, pelo Fogo do Sol.

O resto agora, de certa maneira, foi batizado pelo Fogo Galáctico, um Fogo que queima e que nada consome, exceto o efêmero.

Isso é uma queimação ardente de Amor, uma mordedura de Amor que os alivia e que os eleva nas Moradas da Graça, da Paz.

E isso apenas pode ocorrer no Silêncio, deixando a Dança da Vida percorrê-los, deixando o Fogo consumir tudo o que não é forjado pela Eternidade.

Eu diria também, num certo sentido, que o que está aí é uma prática nova, não para viver como uma técnica ou como uma muleta, mas, sim, para realizar inteiramente e completamente.

E lembrem-se de que vocês não podem agir pela vontade consciente do corpo, e mesmo da alma, no Espírito, porque o Espírito toma todo o lugar consumindo tudo o que é efêmero.

Assim é o sentido das palavras de CRISTO pedindo para tomar todo o lugar, como Ele expressou há pouco tempo, por diversas vozes.

Então, é claro, pode ali haver, como diante de qualquer desconhecido (mesmo para aqueles que tiveram acesso a momentos privilegiados, a experiências privilegiadas também), esse pequeno sobressalto no coração.

Porque, efetivamente, há um tipo de luto, de perda.
Mas por trás do luto e da perda, há algo tão vasto, tão inédito.
Mesmo se algumas das suas experiências e dos seus estados os aproximaram, ou mesmo instalaram nisso, o corpo permaneceu pesado, a alma permaneceu presente.

Vocês estão prontos para viver o Espírito?
Observem o que acontece, mas não participem do que se desenrola doravante, olhem-no, como quando vocês meditam e que os pensamentos podem chegar: olhem-nos, deixem-nos passar.

Do mesmo modo, o seu corpo e a sua alma devem se tornar totalmente Transparentes ao Espírito.

O Espírito é, naturalmente, uma contração e uma compilação do Amor da Luz Vibral. É um Sopro, um Sopro ardente que queima sem consumir, que vocês já vivenciaram em uma estrutura específica que foi denominada, há algum tempo, Coroa Radiante do Coração, ou Coroa Radiante da cabeça, ou ainda o sacro, uma das três Lâmpadas.

A Onda da Vida, de algum modo, propiciou a alquimia dessas três Lareiras, preparando o seu Retorno ao Espírito.

Hoje, é isso que se desenrola a partir do momento em que vocês aceitam a Leveza, e o Amor que vocês São.

A Reversão da alma para o Espírito, muitos de vocês vivenciaram isso, de diferentes maneiras, durante esses anos terrestres.

O que está chegando não é o batismo do Espírito, mas o Retorno total do Fogo do Espírito. Não é somente o Fogo Solar ou o Fogo da Terra, não é somente o Alinhamento com o Sol Central (desta galáxia, ou do conjunto dos universos), mas, bem mais do que isso.

MARIA é retransmissora, nós somos, nós Estrelas, retransmissoras também. Doravante, não haverá mais retransmissão, porque o Espírito vai soprar, sozinho, sem intermediário, individual, eu diria.

É a isso que vocês foram preparados, que vocês se prepararam, que nós nos comunicamos com vocês, que vocês se comunicaram entre vocês.
Isso vai muito além das circunstâncias e das contingências da sua vida, independentemente da idade, independentemente do peso, independentemente das suas histórias.

O Silêncio é o Amor: eles são a mesma chave.
Porque o Amor do Espírito e o Sopro do Espírito não podem se manifestar no barulho, aquele que faz o corpo e aquele que faz a alma.

Mas, no entanto, é na alma e no corpo que isso acontece, é a Transmutação da matéria, a Ressurreição, a Ascensão: vocês podem ali encontrar múltiplas palavras, múltiplas definições, mas nada pode convir para o Sopro do Espírito.

Que não acende mais somente o seu Coração, ou o seu sacro ou a sua cabeça, que não fez nascer somente, em resposta, o Espírito da Terra e o Sopro do Fogo da Terra, mas muito mais do que isso.

Isso não pode ser relatado, nem expresso.
Somente aqueles que já são Liberados Viventes tiveram uma dose, maior ou menor.

Mas sendo Liberados Viventes, e então Vivos neste mundo, aqueles de vocês que realizaram isso devem, de alguma forma, lidar com este corpo e as suas necessidades, com esta alma, certamente Transfigurada, voltada para o Espírito, mas não totalmente livre das leis da alma.

O que podia estar ainda pesando, para vocês, vai desaparecer, o Sopro do Espírito será ardente.

Façam Silêncio, contemplem a Obra que se desenrola no cadinho do seu Coração, no coração do Coração, no centro do Centro.

E vocês irão se aperceber de que esse centro do Centro, e esse coração do Coração, não estão mais neste peito senão no Sol, senão no conjunto dos Universos, porque ele não tem que estar localizado, porque ele não tem que ser desvendado, já que ele se mostra na Imensidão, como no Incriado, para retomar as palavras de MARIA.

O Fogo do Espírito, o Sopro do Espírito, é um mordiscar do Coração.
Mas, bem mais, ele os restitui a vocês.

Dessa maneira, então, vocês são cada vez mais numerosos estando na Liberação, que irá fazê-los compreender que tudo é vaidade neste mundo, que tudo é ilusório.

Não é a Vida que é ilusória, mas esta vida.
Mas, vocês precisam, de algum modo, viver isso, aqui.

Quanto mais o Sopro do Espírito aumentar em vocês, mais a sua Liberação irá emergir, mais vocês irão constatar o que vocês começaram a viver: esses momentos de desaparecimento neste mundo, onde vocês estão.

Alguns de vocês encontram-se em outros estados, em outros Mundos, e outros ainda não têm qualquer lembrança disso.

A lembrança não é importante, a lucidez, naquele momento, não tem sentido.
O que é importante, como sempre, são os resultados obtidos, nesta vida, aqui mesmo.

E vocês não poderão mais, em breve, negar seja o que for desse Fogo Galáctico.

Quando há o que eu vivia durante a minha vida, como vários Santos da tradição ocidental, nesses Êxtases, nesses Samadhi, vocês se põem, em algumas experiências, em uma Beatitude que vocês talvez tentaram expressar em palavras, em música, em falas, em olhares, durante a sua vida.

Vocês irão se aperceber de que é, justamente, nos momentos em que não há qualquer lembrança, qualquer reminiscência do que aconteceu, que os efeitos serão mais visíveis, para o que permanece do corpo e da alma nesta densidade.

Naquele momento, a retirada tornar-se-á independente de qualquer vontade, de qualquer desejo, de qualquer data - quer vocês busquem isso ou não -, mas irá se tornar a sua evidência, simplesmente.

Esta evidência, como dizia MARIA, este último véu que se levanta, é a maior Alegria.

Ali não se pode colocar palavras, porque esta Liberação não fará de vocês somente um Liberado Vivente, mas um Liberado na Eternidade, o que não é perfeitamente a mesma coisa. Mas, aí, nada pode ser expresso, porque cada um de vocês irá vivê-lo no seu íntimo, e poderá eventualmente expressá-lo, enquanto este corpo e esta alma ainda estiverem aí, de diferentes modos.

Mas esta expressão não precisa acontecer.
Ela pode ser útil enquanto testemunho, mas é bem mais no Silêncio, ou seja, na Ausência neste mundo, tal como eu mostrei durante a minha última encarnação, por vezes durante anos, onde nada podia afetar o que eu Sou e o que eu Era.

Aliás, eu já havia dito: “quando este corpo morrer, eu sempre estarei aí”.
Muito em breve, vocês poderão dizer a mesma coisa.

Não há caminho, mas como em toda viagem, há sempre um ponto de partida e um ponto de chegada.

Mesmo sem qualquer lembrança da viagem, ser-lhes-á possível, de modo muito mais do que evidente, aos seus sentidos ou à sua consciência, que o que vocês se tornaram de novo nada mais tem a ver, de qualquer maneira, com este corpo e esta alma que vocês habitaram.

O Sopro do Espírito consome o que deve sê-lo em uma Alegria, mais uma vez, indescritível, bem distante mesmo da simples definição da Alegria ou da Paz, tal como nós já expressamos em relação aos estados espirituais, precisamente.

Uma coisa é sentir o Amor, seja em que experiência for (sexual, da alma, sensorial, mística), e é outra coisa Ser este Amor. Não tendo mais necessidade nem de manifestá-lo, nem de criá-lo, nem de expandi-lo, porque ele assume todos os lugares, o seu antigo lugar como todos os lugares deste mundo, a fim de se tornar apenas Um.

Eis ao que vocês são convidados.
Isso não é mais as Núpcias - nem Celestes, nem Terrestres, nem Finais - porque vocês vão Ver por vocês mesmos, de alguma forma.

Vocês não precisam perder a calma, com a insignificância de tudo isso, mas que, no entanto, foram, para muitos de vocês, corrimãos indispensáveis em uma escada que não existe.

Mesmo se, por enquanto, isso lhes parecer muito distante do seu corpo, da sua alma, da sua Consciência, é isso que vocês São.

Então, eu apenas posso repetir: Silêncio.
“Pai, eu entrego o meu Espírito entre as tuas mãos.”

E além de: “Eu e meu Pai somos Um”, há uma evidência.
Mas para dar-se conta da evidência, é preciso sair da densidade, não como uma recusa da densidade, mas como uma Transcendência, porque é o que é, esta densidade.

E é nesse Silêncio que o que estava agitado e perturbado torna-se nítido e, justamente, evidente.

Naturalmente, se uma questão surgir em vocês, significa que isso ainda não está evidente.

Não sintam qualquer culpa, nem qualquer alento, simplesmente vejam isso.
Até que vocês nada mais tenham visto, então, naquele momento, a evidência será levada a vocês, de algum modo.

O Sopro do Espírito, o Fogo Galáctico, irá alcançá-los e abrasá-los.
E são vocês, naquele momento, que irão se tornar a evidência: a evidência do Amor, a evidência do Fogo, atiçado pelo Ar, vindo Eterizar a Água e a Terra.

Porque se trata de uma Eterização.
Em termos mais técnicos, talvez, é uma mudança completa da gama de frequências.

Que os faz descobrir, de certa maneira, que além de toda frequência, há o Silêncio.

Neste período, vocês são convidados a Viver a evidência.
Em um Espaço sem tempo, e em um Tempo sem qualquer espaço, Transcendendo os limites dos dois, encontra-se esta evidência.

Assim acontece a Ascensão.
De cada um, do Coração do Um, do coletivo humano, do Coletivo Galáctico, deste Sistema Solar, e deste local específico da Galáxia, por múltiplas razões que já foram abordadas para vocês.

Eu vou terminar por estas palavras.
Tentem primeiro, se isso lhes for muito difícil, apreender e assimilar o que representa o Silêncio, a Porta - assim como a Humildade e a Simplicidade - da Eternidade, do Fogo Galáctico.

Neste período, haverá para cada um de vocês, eu diria, não tanto Apelos da Luz, mas injunções da Luz.

Respeitem isso, quaisquer que sejam as diferentes formas que elas possam assumir para cada um de vocês.

Estando atentos a isso, vocês farão rapidamente a diferença entre o que é um apelo do corpo e da alma, retidos no peso, e esta injunção da Luz.

Porque, em um caso há resistência, e no outro, há Liberdade.
Vejam por vocês mesmos, no que lhes propõe a vida e este Sopro do Espírito.

Eu vou deixá-los agora, a fim de que vocês possam rapidamente descobrir por vocês mesmos.

Lembrem-se de que não existe, para isso, nem contato que se mantenha, nem Comunhão que se mantenha, nem Onda da Vida que se mantenha, nem manifestação Vibratória que se mantenha.

Porque, eu os lembro de que CRISTO, antes de dizer “Pai, eu entrego o meu Espírito entre as tuas mãos”, pronunciou três vezes: “Pai, por que me abandonastes?”.

Isso significa que, no extremo da densidade, no extremo do luto e da perda, encontra-se o impulso para a Liberdade mais efetiva que possa existir, tal como concebível neste mundo.

O Fogo Galáctico é um elemento, a outra parte e o outro elemento estão em vocês.

Com todo o meu Amor.
Eu tenho também que especificar que, nos momentos em que podem se manifestar, para vocês, resistências, ou medo, ou Amor, vocês terão, no entanto, a chance e a oportunidade de receber, não grandes textos, não grandes contatos, mas elementos muito pontuais, que os envolva ou que envolva o conjunto, ao mesmo tempo da parte dos Melquizedeques, das Estrelas, dos Arcanjos, naturalmente.

Simplesmente, que virão, de algum modo, para impedir o fluxo (se pudermos dizê-lo) do que está prestes a se romper.

Não para repará-lo, mas, muito mais, para preencher sempre mais o cadinho de Amor, no centro do Centro e no coração do Coração, bem como em todos os lugares.

Porque isso acontece aqui, aí onde vocês estão.
Isso pode ser um conselho, uma palavra, um toque, mas lembrem-se de que mesmo aí, o mais importante será sempre o seu Silêncio.

Eu sou MA ANANDA MOYI, e que a Morada da Paz Suprema, e a Liberdade, sejam o que vocês São.

Até logo.

************
Mensagem de MA ANANDA MOYI recebida e transmitida através do canal: ALTA de Altaïr, do Coletivo do do UM:
http://lestransformations.wordpress.com/2013/08/12/ma-ananda-moyi-11-aout-2013-par-alta-daltair
11 de agosto de 2013 (Publicado em 11 de agosto de 2013).
Versão do francês para o português: Zulma Peixinho
via: http://www.portaldosanjos.net

Um comentário:

Postar um comentário