quinta-feira, 22 de setembro de 2005

INTRATERRA - Perguntas & Respostas [22/09/2005] - Autres Dimensions



22 de setembro de 2005.
do site AUTRES DIMENSIONS
Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

Bem vindas caras almas de Luz e filhos da Lei do Um.
Quando nós os chamamos, nós dizemos os filhos da superfície.

Com efeito, eu me apresento: eu sou um representante de um coletivo de 24 consciências unificadas que se dirige a vocês por intermédio desse processo de walk-in consciente bidirecional.

Há, em nossa humanidade, que é bem profundamente diferente da de vocês, um plano evolutivo que nós respeitamos, há extremamente muito tempo, que corresponde ao que vocês chamam, na superfície, um período correspondente a 320.000 anos.

Nós somos, de fato, os guardiões deste planeta, os guardiões que devem acompanhar, desde 320.000 anos, uma passagem deste planeta para uma sacralidade muito mais importante, o que vocês chamam, de fato, «a sacralização», o que quer dizer que o planeta Terra, que nos carrega e que nos hospeda, vai, em pouco tempo, penetrar uma esfera vibratória totalmente diferente, que vai fazer com que ele se encontre religado ao que nós chamamos o Sol Central das galáxias, a fim de permitir um estabelecimento de uma oitava vibratória suplementar, uma oitava vibratória mais alta do que aquela com a qual vocês funcionam há 52.000 anos.

De fato, sua consciência, caros irmãos de superfície, evolui, há 52.000 anos, em um mundo distanciado, em um mundo separado, no qual o que vocês são é, efetivamente, distinto do que vocês não são.

E o que vocês são é profundamente diferente do que é o outro.
Saibam, efetivamente, que este modo de consciência é um nível de consciência experimental, desejado por alguns grandes seres, que lhes permitiu experimentar o fenômeno de individualização, mas, também, os fenômenos da separação, os fenômenos de guerra, pelo não reconhecimento da Unidade final de toda forma fundamental de vida.

No que nos diz respeito, a nós, povo do intraterra, que vivemos abaixo de vocês, nós temos acesso, evidentemente, a outras dimensões.

Antes de avançar na apresentação dessas dimensões, saibam, simplesmente, que nós não estamos distanciados, nós não estamos separados.

Cada um dos pensamentos de uma individualidade presente sob a Terra é captado, instantaneamente, pelas outras individualidades.

Nossos modos de funcionamento que eu frequento, há tão longo tempo, são totalmente diferentes dos seus, que eu frequento há tão pouco tempo.

O que vocês estabeleceram como relações nesse mundo de superfície, relações de causalidade, relações a que vocês chamam familiares, relações ligadas a um processo que vocês chamam troca ou economia é, totalmente, inexistente em nosso mundo do intraterra.

Eu deixo explícito que, quando eu falo de meu mundo do intraterra, de nosso mundo do intraterra, eu falo e eu me expresso em nome do grande povo que nós somos, que é representado, essencialmente, sob o continente norte americano e, sobretudo, sul americano.
Existem outros povos, chamados intraterrestres, que não seguem as mesmas linhas diretoras, diríamos.

Assim, portanto, nós mantivemos um corpo de aparência corporal de terceira dimensão, embora ele não tenha, absolutamente, nada a ver com sua conformação espacial, física, mas, no entanto, passível de sobreposição, ao nível dos atributos, ao nível de algumas funções.

Convém, primeiramente, esclarecer que nós não somos o que vocês poderiam chamar de seres de Luz. Nós somos, entretanto, seres em evolução, da mesma forma que vocês, mas que já passaram pelas portas pelas quais vocês vão passar nos sete próximos anos, há agora extremamente muito tempo.

Vocês devem, efetivamente, compreender, caros amigos de superfície, que o mundo, tal como vocês o conhecem, que a expressão de tempo, tal como vocês a conhecem, vivem seus últimos instantes.

Com efeito, não se trata do fim dos tempos, longe disso, mas do fim do tempo.
O tempo, tal como vocês o concebem, tal como sua consciência experimenta há 52.000 anos, dividido em três partes – passado/presente/futuro –, e justificado pela descida, chamada, erroneamente, «a queda na encarnação», é algo que deve desaparecer, muito proximamente.

E, para isso, convém-lhes aceitar conceber, conceituar que há outra realidade, na qual os espaços de separação não são mais, de modo algum, os mesmos, na qual, mesmo a propagação de Luz não segue mais as mesmas leis, e na qual a velocidade mínima da Luz é, justamente, a velocidade da Luz.

Vocês devem conceber e admitir, ou, em todo caso, conceituar, que existem modos de funcionamento perfeitamente em acordo com a Unidade, com o ensinamento da Fonte, nos quais a divisão não existe, a separação não existe, a economia não existe, mas, nos quais, também, as relações filiais fundamentais que vocês estabeleceram não existem.

Nós estabelecemos outros tipos de relações, que são relações de consciência e relações de Espírito, relações de famílias de almas, de alma a alma, mas, absolutamente não através da filiação que vocês conhecem do engendrar genético.

A maior parte dos modos de funcionamento de sua superfície, que eu estudo agora, é totalmente inadequada ao aparecimento da nova dimensão, ao aparecimento da nova consciência de vida que vocês mesmos vão experimentar muito em breve.

Mas voltemos, agora, se vocês o quiserem, a esse papel de sacralização de nossa Terra. Será necessário que vocês façam um esforço para admitir certo número de fatos indubitáveis que serão postos em Luz e em funcionamento, muito proximamente, por seus cientistas de superfície.

A primeira dessas coisas é compreender que os planetas são passagens dimensionais, são peneiras, que permitem a passagem de dimensão a dimensão, não na atmosfera, não ao nível dos polos, mas, sim, diretamente ao nível do intraterra.

O que vocês chamam «embarcação de Luz», o que vocês chamam nave extraterrestre, não se desloca no espaço, contrariamente ao que vocês possam crer, mas desloca-se de planeta a planeta pelas portas do intraterra.

Essas portas, essas passagens, se preferem, são portas, chaves dimensionais que permitem, graças à curvatura do espaço, passar de um mundo planetário a um mundo planetário situado a milhares de anos Luz e isso, de maneira instantânea, simplesmente passando pelo limiar transicional e, absolutamente não por vias aéreas, pelo vácuo, se preferem.

Nesse sentido, nós, povo do intraterra, somos os guardiões e as garantias da conformidade dessas portas, dessas peneiras dimensionais com a lei da Unidade.

Nós somos, como vocês o são – mas vocês não o sabem ainda – os filhos da mesma Fonte, da mesma Unidade. Mas nós somos, quanto a nós, as garantias dessa Unidade, as garantias da passagem de porta a porta no intraterra, evidentemente, inacessíveis à sua tecnologia de superfície, inacessíveis à noção de poder, inacessíveis à noção de individualidade que vocês construíram desde 52.000 anos.

Para aceder a essa porta, que está situada na quinta dimensão, necessita-se, tanto para as naves que transitam como para alguns seres humanos que passaram por essas portas, raramente (eu não falo das portas da morte, que são peneiras da terceira à quarta dimensão e não à quinta dimensão); é preciso, efetivamente, compreender que é necessário que vocês se despojem de tudo o que chamaram de sua personalidade, do que chamaram de suas construções mentais, seus apegos, assim vocês os nomeiam, pelo menos.

Apegos construídos pelo hábito, pelas relações que vocês estabeleceram, de ser a ser, através dessa lei que vocês chamaram de «cármica».

Nós nos manifestamos em consciência, antes de nos manifestarmos fisicamente, em pouco tempo, a fim de fazê-los compreender a realidade de quem vocês são, a saber, um ser de pura Luz que perdeu a lembrança de sua Fonte, de onde vem e de para onde deve retornar.

Vocês são, efetivamente, filhos da Lei do Um.
Vocês são, efetivamente, filhos da Fonte, filhos da Unidade.

E, nesse sentido, não há, em vocês, qualquer alteração.
A ilusão da alteração que vocês vivem está ligada a esse processo de descida a níveis vibratórios cada vez mais densos, cada vez mais espessos e cada vez mais causais ao nível dos efeitos esperados.

Vocês precisam, efetivamente, admitir isso e, admitindo isso, progressivamente, vocês se aliviarão.

Vocês devem fazer o que nós chamamos uma reversão, uma passagem, de uma consciência dividida a uma consciência unificada.

Vocês devem fazer uma passagem, do interior ao exterior, a fim de compreender que o que está em cima é como o que está embaixo.

Convém fazer a reversão necessária, como a Terra deve fazê-la, em sua passagem de sacralidade, a fim de voltarem a tornar-se os seres que vocês são, que nunca deixaram de ser, ou seja, seres de Luz autêntica.

Somente os apegos conduziram à situação presente.
Eu não me tardarei sobre as leis ontológicas que permitiram a essa consciência que vocês se tornaram manifestar-se nesses planos divididos e separados, entretanto, saibam, fundamentalmente, que vocês são livres, totalmente.

Desde o momento em que vocês decidiram descer nesses planos densos de encarnação, até o momento em que vocês dele voltarem, vocês serão totalmente livres para escolher prosseguir a experiência da encarnação – e, portanto, da dor – ou voltar à identidade de quem vocês são, realmente: Fonte de Luz imanente, Fonte de Luz religada à Fonte primária, da mesma forma que todas as entidades que povoam o universo e, isso, em todas as dimensões.

Certamente, a história, para além dos tempos, é longa e alguns seres decidiram, não se desviar, mas descer, ainda mais profundamente, a esses planos dimensionais, a fim de atuar em uma criação separada da Fonte, mas isso chega ao seu termo. Há, no que vocês são, a totalidade dos possíveis, a totalidade dos reais e a totalidade das dimensões.

Convêm-lhes, hoje, aceitar ou não, porque vocês são inteiramente livres para permanecer apegados ou liberar-se.

Este planeta deve, em pouco tempo, evoluir para um limiar quântico, que vai fazer dele um planeta sagrado, da mesma forma que outros planetas de nosso Sistema Solar.

Naquele momento, será preciso que as entidades encarnadas em corpos possam seguir esse movimento de ascensão vibratória, a fim de chegarem inteiras, com esse corpo, mas em outra frequência, para aceder a essa dimensão nova. Mas estejam certos de que nada do que pertence ou pertencia à sua dimensão terceira terá lugar nessa dimensão nova.

Os apegos, os modelos condicionados, sociais, econômicos, filiais, de parentesco que vocês construíram, há extremamente muito tempo, não poderão, em caso algum, dar o salto para esse novo estado de ser.

Entretanto, isso necessita, apesar de tudo, certo tempo de aprendizagem, para a maior parte de vocês. Mas, para ilustrar o que dizia seu grande Mestre encarnado sobre a Terra, o Cristo, se vocês tivessem fé, vocês deslocariam montanhas.

E, hoje, eu posso repeti-lo em seu lugar: que se vocês tivessem suficiente fé no que eu lhes digo, vocês seriam descondicionados e ascensionados à quinta dimensão, instantaneamente.

Entretanto, vocês têm, em sua mão, uma ferramenta prodigiosa que foi posta aí para isso: lembrar-se de suas origens e lembrar-se de onde vocês devem ir, porque, em cada Espírito humano que emana da Fonte, em cada emanação da Fonte, é encontrada a totalidade da Fonte.

Convém compreender que a Fonte Mãe é nosso planeta, em seu centro sagrado, que é um centro de pura Luz de cristal. Da mesma forma, sua Fonte Pai, cujo arquétipo de encarnação é o Sol, é, ela também, um cristal, reflexo e imagem da Fonte.

Há, em vocês, uma perfeição que vocês não suspeitam.
Há, em vocês, o que vocês são, e o que vocês são é essa perfeição, assim como o Sol e a Terra.

Apenas seus aspectos ligados aos seus sentidos, às suas concepções mentais errôneas, fenômeno da descida na encarnação, é que os afastou do objetivo final de sua vida, que é o de reencontrar a Fonte que vocês são, e nada mais.

Nisso, convém amar-se, totalmente: não a personalidade estreita, apertada, que construiu os mecanismos de defesa ao redor de vocês, os mecanismos de compensação, ligados a medos fundamentais, inscritos em todo ser humano, devido à sua queda, ligada à sua descida na encarnação (que não é uma queda, mas que, entretanto, cristalizou a tal grau o Espírito que ele é, hoje, incapaz, sozinho, de voltar a subir para a Fonte).

É este o porquê nós, povo do intraterra, mas, também, as entidades arcangélicas, mas, também, as dimensões as mais altas como aquelas dos Regentes planetários, que evoluem a partir da décima oitava, ou mesmo a vigésima quarta dimensão, descem, agora, através desses corpos dimensionais, para virem ao seu contato e permitir-lhes reencontrar o que vocês são, realmente, o mais rapidamente possível em sua escala de tempo.

>>>

Questão: Quais são as diferenças notáveis entre a terceira e a quinta dimensão?

Isso é eminentemente complexo.
Vamos, simplesmente, tomar dois exemplos, se vocês quiserem.
Eu dizia que, nos modos de vida que têm acesso à quinta dimensão, contrariamente àqueles que não têm acesso, as noções de separação não existem, absolutamente.

Os tipos de comunicação são de tipo não verbal, mas, telepáticos, diretos.
A linguagem, no sentido em que vocês a construíram, é uma configuração especial, ligada ao seu funcionamento dissociado e separado.

Portanto, nós não temos linguagem.
O apego, no sentido em que vocês o construíram, através de medos inerentes ao seu desenrolar de vida, não existe, absolutamente, na quinta dimensão, mesmo quando existe um corpo de terceira dimensão.

As diferenças são essenciais, também, eu o disse, ao nível dos modos de propagação, tanto do pensamento como da Luz, mas, também, ao nível dos modos de vida, porque nós vivemos, estejam certos disso. O que nós vemos não é o Sol exterior que vocês veem, mas nosso teto é governado por uma Luz permanente, que é a Luz da Fonte Sol.

Vocês veem o Sol como uma entidade separada de vocês por uma distância extremamente importante, como um astro que aquece e que permite a vida.

Nós podemos dizer que estamos em contato com as forças as mais puras do Sol, que estão diretamente acima de nós. A única analogia que encontramos é a conexão com a Fonte, que é exatamente a mesma: a Fonte Mãe que é a sua e a nossa.

Nós caminhamos acima, da mesma forma que vocês caminham sobre seu Sol.
É extremamente complexo adentrar mais em conceitos que não são, absolutamente, conceitos que vocês possam apreender com seu mental nem com suas concepções.

Entretanto, a hierarquização da vida, tal como vocês a construíram, não existe, absolutamente. O que vocês chamam de alimentação, em seu mundo, não é, de forma alguma, concebida assim em nosso mundo.

As diferenças são enormes, mas a diferença a mais fundamental está no modo de funcionamento da consciência.

Vocês estão na consciência distanciada.
Nós estamos na consciência unificada.
Não há distância entre meu pensamento e o pensamento de todos os seres do intraterra.

E eu me expresso, aliás, através de um coletivo de 24 seres.
Sua ficção científica, seus filmes estão muito longe da realidade do funcionamento da quinta dimensão.

As projeções que são feitas, através do que vocês construíram, através do que vocês chamam a sétima arte, por exemplo, ou através das ondas pertencem, especificamente, a tecnologias de terceira dimensão.

Na quinta dimensão, nós não nos importamos com a tecnologia exterior, nossa tecnologia é uma tecnologia do Espírito, uma tecnologia mental. Basta-nos querer criar, para que a criação faça-se, pela disposição da Luz.

Isto é válido, também, para nossos habitats, ao menos o que vocês chamam de habitat.

Isto é válido para toda manifestação tangível em nossa realidade.
É suficiente pensar, claramente, de maneira sintética, de maneira autêntica, a fim de que a materialização faça-se, a partir das telas de Luz.

Lembrem-se do que eu lhes dizia: a Luz não se apresenta e não evolui da mesma maneira no mundo no qual vocês vivem (que é um mundo infralumínico) como nós (em nosso mundo supraluminoso), na qual a disposição da Luz obedece ao pensamento, o que não é o caso nessa dimensão que vocês construíram.

>>>

Questão: Que se pode fazer contra as destruições das quais é vítima o planeta Terra?

É preciso que vocês tomem consciência, queridas almas de Luz, que tudo o que vocês veem, observam no exterior de vocês acontece no interior de vocês, sem exceção.

O mínimo fogo, a mínima tempestade que existe visualmente produz-se no interior de vocês e, isso, em todos os lugares do mundo.
Vocês estão conectados pela totalidade dos eventos que acontecem sobre este planeta, mas, para tranquilizá-los, nós não aceitaremos, jamais, e as hierarquias espirituais tampouco, qualquer que seja seu plano vibratório e seu plano de vida, que este planeta em vias de sacralização seja destruído.

O ser humano será destruído bem antes, se tal é sua escolha.
Em nenhum caso o que vocês observam hoje deve habituá-los a pensar que a Terra corre à sua destruição.

É a destruição do homem que vocês vivem, através desta dimensão terceira.
Tudo o que vocês veem no exterior corresponde ao que acontece em vocês, em graus diversos, segundo seu nível de evolução e seu nível de transcendência.

Não é preciso ver a destruição da Terra como algo de inevitável ou algo de possível.

Certamente, o que vocês observam corresponde ao desregramento que existe no Espírito do homem, no corpo do homem, mas, em nenhum caso, este planeta será destruído.

Em nenhum caso ele será perdido para as forças de Luz galáctica.
A Terra é um planeta que é chamado, devido à sua origem, a tornar-se um planeta sagrado, com ou sem os homens.

Isso quer dizer que tudo o que os atinge, através das imagens que vocês veem, através das concepções que vocês têm, corresponde ao que acontece em vocês, inteiramente.

O que acontece sobre a Terra, acontece em vocês.
Vocês podem chamar a isso destruição, purificação.

Tudo depende de onde se põe a confiança.
Mas, em nenhum caso, os eventos que são chamados a produzir-se e já se produzem, provocarão a destruição planetária.
Certamente, é questão de re-harmonização.

É questão de novos céus, novas terras que aparecem, regeneradas, totalmente, despoluídas da presença dos seres humanos, que não compreenderam a lei da Unidade. Mas lembrem-se de que tudo é Unidade, o que quer dizer que, mesmo o ser humano que vocês julgariam como responsável, por sua falta de consciência, corresponde, de algum modo, ao que acontece em vocês ao nível da falta de consciência, qualquer que seja a confiança que mostrem exteriormente porque, se vocês fossem, todos, uma entidade totalmente na pureza, isto bastaria para transformar o que vocês observam.

Não há, portanto, responsável.
Não há, portanto, culpado.

Há, simplesmente, entidades de Luz que se recusam a reconhecer a Luz que são. Mas isso muda, e mudará, cada vez mais rapidamente, ante a importância dos remanejamentos.

Os elementos estão trabalhando, através do que vocês chamam de destruição, mas que um olhar mais elevado chamaria de regeneração.

Certamente, inúmeros seres deixam esse plano vibratório de vida.
Essas almas sacrificaram-se e sacralizaram-se, elas mesmas, a fim de atrair a atenção de seus irmãos que permanecem em terceira dimensão, a fim de abrir seus corações, suas dimensões espirituais e seu retorno à Unidade.

>>>

Questão: Como se pode contribuir com essa preservação?

Minhas queridas almas de Luz, a única forma de contribuir é ascensionar a si mesmo, encontrar sua Fonte.

A partir do momento em que todo ser humano interessar-se pelo que acontece nele e elevar seu nível vibratório, o planeta subirá seu nível vibratório da mesma forma, em função da lei de realidade e não de causalidade.

O que está no exterior corresponde ao que acontece no interior e, isto, em todos os planos de vida e em todos os planos dimensionais.

Naquele momento, convém compreender que o trabalho o mais essencial é um trabalho em si, não um trabalho complicado, que requer técnicas que pertencem à terceira dimensão, mas, simplesmente, um trabalho de conexão à sua Fonte porque, a partir do momento em que vocês estiverem reconectados à sua essência, à sua Unidade, vocês poderão, naquele momento, elevar o nível vibratório do que vocês são e participar do esforço de regeneração e de sacralização.

Não há outros caminhos, porque o caminho que quiser opor-se ao que é oposto à Luz tornar-se-ia, de fato, oposto à Luz, pois a Luz não se opõe, jamais, a nada.

E o Espírito não se expõe, jamais, à divisão, à dualidade, ao julgamento, porque tudo o que ele vê corresponde ao que acontece nele.

O erro seria, hoje, dicotomizar o que é visto, observado, ouvido, dito como uma dicotomia entre o bem e o mal.

Ao nível da terceira dimensão, o bem e o mal foram criados.
Na quinta dimensão, nós falamos de forma evolutiva e de forma não evolutiva.
A partir da sétima dimensão, essa dicotomia criada, ligada à descida, não existe mais, pois tudo participa, absolutamente tudo, do retorno à Fonte.

O único trabalho autêntico que deverá ser empreendido é um trabalho de conexão à Fonte e de elevação da vibração.

>>>

Questão: O desenvolvimento da telepatia permitirá uma comunicação mais franca?

Não somente mais franca, mas nós podemos dizer que essa linguagem, da qual vocês tanto se orgulham na terceira dimensão, é uma distorção total de comunicação.

A linguagem é um meio de projetar imagens e criações na terceira dimensão, ou mesmo em dimensões mais baixas.

A telepatia não pode enganar.
A telepatia exprime, realmente, a realidade do Espírito, enquanto a linguagem exprime o que vocês querem, efetivamente, exprimir, e que nem sempre é a realidade.

E, efetivamente, em nosso mundo intraterreno, a linguagem não existe, absolutamente.

Nós somos, inteiramente, telepatas.
Essa é a única garantia da pureza de nossas comunicações, evidentemente.

************
Mensagem de INTRATERRA no site francês Autres Dimensions:
http://autresdimensions.info/article7025.html
22 de setembro de 2005 (Publicado em 22 de setembro de 2005).
Versão do francês para o português: Célia G.
via: http://leiturasdaluz.blogspot.com.br

Um comentário:

Postar um comentário