sábado, 29 de setembro de 2007

MIGUEL - É-lhes prometido, nesses tempos reduzidos, poder retornar à sua fonte primeira [29/09/2007] - Autres Dimensions



29 de setembro de 2007.
do site AUTRES DIMENSIONS.
Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

Saudações do Coro dos Anjos.
Eu sou Miguel, Príncipe e Regente das milícias celestes.

Recebam a minha paz, recebam a Luz do Coro dos Anjos.
Estou com vocês, nesse momento, não para responder às suas questões sobre um caminho de sua humanidade, mas, efetivamente, mais para iluminar um caminho de espiritualidade, um caminho de retorno para a Fonte que vocês são, filhos da Lei do Um, filhos da Luz.

É-lhes prometido, nesses tempos reduzidos, poder retornar à sua fonte primeira, enriquecidos de experiências de sua encarnação, enriquecidos de suas peregrinações.

Assim, eu venho perfazer a estrada de seu caminho, para iluminar e restaurar a Unidade que é sua, no caminho para a Fonte, no caminho para sua Unidade reencontrada.

Paz aos seus corações, paz às suas Luzes.
Nesse instante, eu deposito em vocês a potência de fogo de minha espada, em seu coração, e escuto as questões queridas aos seus corações, para permitir-lhes juntar-se à Unidade, em toda serenidade.

Assim, eu acolho, em minha Luz, as suas questões de Luz.
Então, eu dirijo minha consciência para vocês, para acolher as questões sobre sua estrada de Luz.

>>>

Questão: podemos conhecer nossa cor de alma?

As cores de almas, as famílias de almas são caminhos ligados às suas encarnações, às características de seus caminhos individuais ou de suas famílias, em peregrinação sobre esta Terra.

Todas as almas em retorno para a Luz são da cor da Luz, porque elas não conhecem mais a noção de família, a noção de cor, porque elas se juntam à Unidade para cantar os louvores e a glória da Unidade, os louvores e a glória da Divindade.

Assim, a alma no caminho despoja-se das famílias, despoja-se das cores para ir para a Luz.

>>>

Questão: pode-se contatar uma alma que se conheceu em sua vida, no curso de nova encarnação?

Não.
Quando vocês retomam um novo caminho na encarnação, quando retomam vida nessa realidade encarnada, nada subsiste da encarnação precedente.

Apenas seres qualificados e despertos à dimensão divina reencontram a memória e, isso, de maneira, efetivamente, incompleta.

É indispensável que a vida nova acompanhe-se de uma liberdade nova.
Não é, portanto, possível entrar em contato, pela vontade, com essas almas.

>>>

Questão: isso quer dizer que é preciso que aqueles que ficam esqueçam-se daqueles que partem?

As pontes são cortadas, exceto ao nível de seu mental, ao nível de seu complexo inferior, através da lembrança e do apego.

As leis espirituais impõem, nos planos cármicos nos quais vocês têm vivido, que haja dissolução total, para a alma que volta rapidamente e que seja suscetível de reencontrar entidades presentes na vida precedente, para não serem submetidas a qualquer aproximação energética, afetiva ou espiritual, exceto em circunstâncias precisas nas quais uma alma viria encarnar-se no mesmo meio familiar que ela acaba de deixar.

Isso é excepcional.
Dito em outros termos, os carmas que vocês têm a assumir, em relação a uma entidade liberada desse plano no qual vocês vivem ainda, não têm lugar de ser em sua própria vida, mas são reportados a uma vida ulterior, na condição de que haja uma.

Qual é a alma, entre vocês, que tem a mínima lembrança de sua última vida e de laços que foram estabelecidos, independentemente, mesmo, de lembranças?

Então, por que vocês querem que uma alma que se reencarna mantenha os vestígios de um laço, tão forte e positivo que ele tenha sido?

Sua memória, sua lembrança do amor portado ou recebido pertence a vocês, é suscetível de fazê-los avançar ou não, mas pertence a vocês.

Não há ninguém do outro lado.

>>>

Questão: como chegar ao pleno potencial espiritual?

A primeira palavra seria a mestria, mas, através da palavra mestra, bem além, situa-se algo que está além do conceito de abandono: a renúncia.

Renúncia a quê?
Renúncia à experiência, renúncia aos apegos, renúncia, mesmo, à vontade espiritual de algo.

Essa renúncia é abandono à Luz, para além de todo apego, de todo condicionamento e de toda vontade pessoal, qualquer que seja.
A mínima veleidade pessoal de realização, qualquer que seja, é um entrave à emergência de sua Unidade.

Esse é um caminho rude, abrupto, que não pode fazer-se nem em uma vida, nem em mil vidas, que apenas pode fazer-se após uma maturação importante da alma, durante um ciclo completo de encarnação nessa dimensão, durante mais de cinquenta mil anos.

E ainda, ao fim dos cinquenta mil anos de experiências, apenas uma ínfima proporção de almas é capaz dessa renúncia.

>>>

Questão: o que advém daqueles que não são capazes dessa renúncia?

Eles recomeçam um ciclo, dois ciclos, ou mesmo numerosos ciclos.

>>>

Questão: isso é ligado ao «Pai, que sua vontade seja feita»?

A ilustração da vida do grande neófito (para além, mesmo, desse Sistema Solar), da dimensão Crística (a dimensão do pleno potencial espiritual) é ilustrada pela crucificação, pelo momento da renúncia final, o momento em que tudo se consuma, o momento em que nada mais pode vir entravar a vontade do Pai, da Luz, que é fazê-los voltar em Seu seio.

>>>

Questão: parece que haveria uma aceleração de evoluções?

Essa aceleração do retorno à fonte é-lhes conhecida por inúmeros elementos.

Elementos ligados à mediunidade, elementos ligados às escrituras, elementos ligados aos ciclos que vocês vivem e à observação de seu espaço de vida.

O conjunto desses elementos é a confirmação absoluta da fase de fim de ciclo e de emergência do novo ciclo.

Isso não é em cem anos, não é em dez anos, mas é agora, e isso já chegou agora.

>>>

Questão: é verdade que, a cada início de ciclo, existe uma idade de ouro?

A idade de ouro corresponde ao nascimento e à emergência de um novo ciclo.

Para aqueles que seguiram e acompanharam esse ciclo, esse é o caso, há cinquenta e dois mil anos, quando da emergência de um estado de consciência.

Esse é, agora, o caso, com a emergência de um novo estado vibratório.

>>>

Questão: os grandes neófitos teriam concluído um ciclo e teriam voltado a ajudar a humanidade?

Todo ser, todo Deus que acompanha uma grande respiração faz, necessariamente, o sacrifício, pelas vias da encarnação.

Assim, é claro, muito altos neófitos, antes de percorrer o ciclo da encarnação, desceram de domínios etéreos de realização para sacrificar e acompanhar a criação deles.

Eles são, portanto, seres iniciados, já realizados, já consumados, mas que fazem sacrifício para acompanhar e revelar a própria criação.

>>>

Questão: onde nós estamos, nesse ciclo?

Vocês estão, todos, no fim do ciclo.
Vocês estão, todos, no momento de pronunciar seus votos de renúncia, se tal é sua aspiração.

As escolhas já estão feitas, há dois anos de seu tempo terrestre.
A renúncia é algo que está além da escolha da Luz ou da escolha da experiência da encarnação.

A renúncia toca não à sua ascensão, mas à sua renúncia, à sua encarnação, que está além da ascensão.

A renúncia é a crucificação e a ressurreição em outra dimensão, ilustrada, sempre, pela vida de Cristo.

Não se trata da escolha entre a Sombra, a Luz, a encarnação ou a ascensão, mas da renúncia a um estado para aceder a outro estado.

Isso é possível nesse fim de ciclo também.
Passar do humano à nova raça, isso é uma escolha.

A renúncia é passar do humano ao anjo.
Há sede, sede de humanidade e, portanto, de relações na humanidade, seja na terceira dimensão como na quinta dimensão.

A renúncia necessita do abandono da humanidade para juntar-se às esferas dos anjos.

É uma coisa falar de iniciado, em sua linguagem, ser realizado.
É outra coisa abandonar a humanidade para juntar-se ao estado angélico.

>>>

Questão: como saber se se está no mesmo plano vibratório espiritual que um próximo?

Essa interrogação faz intervir apreciações de valores que não têm lugar de ser.

A completude de duas almas não tem que estar amarrada a um nível pessoal ou a um nível espiritual.

É uma experiência de completude.
Como tal, ela se basta a si mesma e não requer valorização pessoal ou espiritual, porque ela está fora desse âmbito.

>>>

Questão: é preciso renunciar, mesmo a toda veleidade de desenvolvimento espiritual?

Isso não pode ser colocado nesses termos.
A renúncia não pode ser decidida como na paródia de algumas de suas ordens monásticas.

A renúncia é um processo da alma, que não pode decidir-se em sua vida, contrariamente à escolha da Luz ou da Sombra ou da encarnação.

Essa renúncia apenas pode ser conhecida no momento final, em que a alma reencontra a Luz, e não antes.

>>>

Questão: os anjos renunciaram?

A maior parte dos anjos que acompanha a humanidade terrestre não conheceu, ainda, a encarnação.

Eles os precedem, eles não os seguem.
Haverá, também, para alguns deles, uma forma de renúncia e, no caso deles, uma renúncia à Unidade, para experimentar a multiplicidade.

>>>

Questão: haveria como que uma troca entre os anjos e os humanos?

Não é uma mecânica tão superficial.
Não há lugar a tomar ou lugar a ceder.

A posição dos anjos que vêm do humano e a posição dos anjos que não conhecem o humano, estritamente, nada têm a ver.

>>>

Questão: o que é de suas milícias celestes?

Elas não são constituídas de humanos.
Elas são constituídas de entidades ditas biológicas, que evoluem na terceira dimensão, mas desprovidas de qualquer emoção e, portanto, de qualquer atração reativa em função de um humor.

Essas milícias são chamadas Anjos do Senhor, ao mesmo tempo não sendo anjos, tais como sua humanidade concebe-os.

Vocês concebem os anjos como seres etéreos sem corpo.

>>>

Questão: e o que é dos anjos guardiões?

Anjos que estão em vias de humanização.
Eles desposam as vibrações pesadas de homens encarnados, fazem a experiência da vibração emoção, preparando a própria renúncia á divindade.

>>>

Questão: isso significa que eles conhecerão a encarnação, depois, o retorno à Unidade?

Em alguns casos.

>>>

Questão: nós fomos anjos?

Isso não é uma generalidade.
Para alguns, sim, para outros, não.
Vocês seguiram o caminho da humanidade em outras vibrações, não, necessariamente, sob a forma angélica.

Não há regra que vocês possam extrair daí.

>>>

Questão: poderia esclarecer seu papel?

Meus papéis são múltiplos.
O papel essencial, nesse fim de ciclo, é vir iluminar o que deve sê-lo.

A iluminação que pode ser um combate contra a Sombra.
A iluminação que pode ser cortar laços.

>>>

Questão: como se pode, o melhor possível viver, no cotidiano, essa fluidez da Unidade?

Contentando-se em viver cada segundo, cada instante de sua encarnação inclinado, em consciência, para essa Unidade.

Abstendo-se de fazer, de maneira consciente, pela palavra, pelo pensamento, pelo ato, qualquer violação de luz e de liberdade.

Respeitando a liberdade, respeitando a Luz e a vontade de cada alma na humanidade, na encarnação.

Extraindo-se da dualidade, do julgamento.
Extraindo-se do pensamento da influência de seus atos e de suas ações.

Agindo no instante, pela Luz e para a Luz e não para qualquer resultado.
Agindo no sentido da graça, da Unidade.

Estando em acordo com o que vocês são.
Não enganando, pela palavra, o olhar ou o ato, não traindo, pela palavra, o olhar ou o ato, o que vocês são.

>>>

Questão: o que você chama de sentido da graça?

O sentido da graça é a lei de ação feita, não para provocar uma reação, mas uma ação feita para provocar a graça.

Toda ação que vocês fazem para provocar uma reação, mesmo se ela seja positiva, afasta-os da graça, afasta-os do amor, afasta-os da Unidade.

>>>

Questão: poucos indivíduos podem viver assim, portanto, quase nenhum humano poderá juntar-se a essa Unidade?

Haverá ainda menos humanos a juntar-se à renúncia, a mudar de estado.
Haverá poucos humanos que acederão à ascensão.
É a lógica.

Porque isso demanda uma maturidade não de encarnação, mas de alma, o que é diferente.

O número importa pouco, assim como os anos importam pouco.
A certo estágio, a imortalidade e a eternidade são o lote cotidiano das formas de consciência.

>>>

Questão: qual é sua iluminação sobre a ascensão com ou sem o corpo?

Há ascensão possível com ou sem o corpo.
A ascensão é diferente da renúncia.

A ascensão, com ou sem o corpo, leva-os a uma humanidade transcendida de quinta dimensão.

A renúncia os faz colocar em outro estado evolutivo, que nada mais tem a ver, de perto ou de longe, com a humanidade.

>>>

Questão: como se faz a diferença?

A escolha de alma ou as contingências corporais.
Um ou o outro.
Um e o outro.

>>>

Questão: Você tem preconizações para prosseguir nosso caminho o melhor possível?

Procurem a verdade de ato, de olhar, de ação.
A verdade, a consciência, a Luz são essenciais ao bom desenrolar do que vem.

Busquem, a cada minuto, a cada inspirar, aproximar-se da verdade aproximar-se de seu coração, ignorando os divisores que fazem parte de sua vida em encarnação e que lhes pertencem, suas construções mentais ligadas ao seu cérebro e não à sua consciência, as construções de emoções ligadas aos jogos de ação e reação, ligadas, elas mesmas, aos seus jogos sociais e afetivos.

Encontrem a Fonte, lugar de serenidade e de Unidade em seu centro e seu coração.
Não atribuir importância ao que acontece no exterior, mais do que o necessário.

Recorrer, o mais frequentemente possível, ao recolhimento interior.
O recolhimento interior não é oração, não é meditação, mas é estar em acordo com todas as suas dimensões.

Vocês agem para a Luz, em ação de graça, ou agem na reação?

>>>

Será tempo, agora, filhos da Lei do Um, que eu deixe esse envelope.
Eu lhes aporto a chama Violeta no desejo de paz.

Sejam abençoados.
Sejam unificados, agora.

************
Mensagem de MIGUEL no site francês Autres Dimensions:
http://autresdimensions.info/articlefb78.html
29 de setembro de 2007 (Publicado em 29 de setembro de 2007).
Versão do francês para o português: Célia G.
via: http://leiturasdaluz.blogspot.com.br

Um comentário:

Postar um comentário