sábado, 17 de março de 2012

AÏVANHOV - Ofereçam Flores aos Seus Inimigos [17/03/2012] (1a. Parte) - Autres Dimensions




17 de Março de 2012.

Publicado em 18 de março de 2012 pelo site Autres Dimensions.


E bem, caros amigos, eu estou extremamente contente de reencontrá-los.

Permitam-me trazer-lhes todas as minhas bênçãos e toda a Graça.

Então, caros amigos, caros Irmãos, caras Irmãs, naturalmente, eu lhes dou a palavra e nós tentaremos avançar juntos, em relação a tudo o que vocês têm que perguntar.




***

Pergunta: é preciso ter vivenciado todas as etapas da Luz Vibral para viver a Onda da Vida?

Não.
O que nós dissemos, cara amiga, a muito pouco tempo: que há seres que seguiam o que acontecia sobre a Terra, seja através de nós, ou de maneira totalmente diferente, espontaneamente (através de uma NDE ou de outros tipos de experiências místicas ou espirituais), e que foram levadas a vivê-la.

Através, talvez, dos ensinamentos que foram dados durante a época da nossa vida: que isso seja, por exemplo, os ensinamentos do Yoga Integral de SRI AUROBINDO, que isso seja ainda em relação às leituras que vocês podem fazer sobre o que disse UM AMIGO, ou outros ainda que se expressaram, como IRMÃO K, durante sua vida, ou todos esses Mestres que estiveram realmente encarnados, que deixaram, se vocês quiserem, uma série de marcadores que (mesmo se eles não o soubessem na época, para alguns deles) iam preparar muito exatamente o que acontece desde alguns anos.

Portanto, se vocês quiserem, é importante deixar exprimir esses Mestres que estiveram encarnados para que eles possam dar ‘elementos’.

Justamente, haverá resposta a isso.
Mas, foi dito muito claramente que o papel do Ancoramento da Luz, dos Semeadores da Luz, permitiu isso que representa o que vocês realizaram, ou seja, ancorar a Luz na Terra.

Porque a Transmutação (o Supramental, como dizia o Bem Amado SRI AUROBINDO) era encarnar esta Luz, vê-la, percebê-la, vivê-la, senti-la.

E talvez, depois, transcender esta matéria (como dizem os Arcanjos, esta carne) para Ascensionar esta carne nas Moradas da Eternidade.

Hoje, é um pouquinho diferente.
Porque desde seis ou sete semanas, o Manto da Graça (retransmitido, como vocês sabem, por algumas Estrelas e pelo Senhor METATRON) permite abri-los à Onda da Vida, Onda do Éter.

Eu falei, desde vários anos, das raízes Intraterrestres, ou da energia que vinha do Núcleo da Terra, e que era, naquela época, incognoscível, não razoável.

Hoje, vocês são cada vez mais numerosos (e mesmo entre as pessoas que jamais ouviram falar do que quer que seja) a viver essas espécies de ondas da Vida (como eles chamaram isso), esse estremecimento, que sobe.

Isso não é uma energia que desce (como o Supramental, a Shakti, se vocês quiserem), é algo que sobe, mas que sobe não unicamente como a Kundalini, não é?

Isso sobe de muito mais embaixo: isso vem da Terra, isso os atravessa e isso sobe.

A Onda da Vida, todo ser humano vai vivê-la porque isso faz parte do processo alquímico final da Transformação.

É o Reencontro entre o Eterno Masculino e o Eterno Feminino.
É o retorno do Andrógino Primordial.

Portanto, não é mais um papel de descida da energia, mas de subida de uma seiva nova (no corpo, na consciência, na alma, no Espírito) que os faz descobrir (como isso foi dito), progressivamente, qual é a sua natureza: este Amor que subtende (mesmo na ilusão) a Criação.

Não é nada mais que o Amor.
Eu dizia, durante a minha vida, que o Amor é a maior das forças.
Então, é claro, como era desconhecido, podíamos apenas projetar o Amor.

Podíamos apenas imaginá-lo.
Exceto aqueles entre, justamente, aqueles que denominamos, pomposamente, esses Mestres encarnados porque eles tinham encontrado a Luz, cada um segundo uma especificidade diferente.

IRMÃO K não encontrou a Luz do mesmo modo que UM AMIGO.
UM AMIGO não encontrou a Luz do mesmo modo que eu.

Nós não tínhamos a mesma cultura, nós não tínhamos as mesmas crenças, efetivamente. Mas, o que tivemos em comum, foi, de algum modo, este famoso Encontro (mesmo se nós não tínhamos empregado essas palavras) com a Luz.

E toda nossa vida que se desenrolou depois foi tentar (da melhor forma que nós podíamos, na época) transmitir, é claro, este intransmissível.

Porque (como dizia IRMÃO K) podemos falar-lhes, durante milhares de anos, sobre a Onda da Graça, podemos empregar-lhes milhares de palavras ou fazer como os Arcanjos (como há muito tempo URIEL e RAFAEL): fazer Vibrar em vocês, muito além das palavras, o que é esta Onda da Vida, mas isso não pode substituir sua vivência.

Mas achamos que hoje (do mesmo modo que as Estrelas, desde algum tempo, testemunharam sobre o seu Abandono à Luz, sobre sua vivência da Unidade), testemunhando, nós, por nossa vez, sobre o que aconteceu conosco, independentemente dos caminhos que nós tomamos antes, permite-lhes, justamente, apreenderem-se do que representa esta Onda da Vida.

Principalmente para vivê-la, não para compreendê-la.
Porque, como dizia o Arcanjo ANAEL a, ainda, poucos dias, vocês não podem compreender o que vocês São: isso apenas pode viver-se.

Desde que vocês queiram compreender, vocês colocam palavras.
Desde que vocês queiram explicar, vocês saem do estado de Ser, justamente, da Onda da Vida.

Isso é incomunicável por palavras.
Isso é incomunicável por conceitos.
Isso é incomunicável, mesmo se houver etapas, efetivamente, preliminares, como dizia UM AMIGO.

O fato de ter-lhes dado o Yoga da Unidade, o Yoga da Verdade, são elementos que vão, como nós ainda lhes dissemos, diverti-los, ou seja, distrair, de algum modo, o ego (não vejam, aí, tampouco, noção pejorativa).

É preciso ocupar o ego para fazer outra coisa do que se voltar, assim, sobre ele mesmo, de maneira rotineira.

Portanto, isso são estratégias, se vocês quiserem, que vão levar, pouco a pouco, o ego a soltar, a soltar o frasco que tem os amendoins, como eu dizia.

Em seguida, talvez, aceitar ver as Sombras.
Depois, colocá-las sob o tapete.
Depois, retirar o tapete.

E para, em última análise, aperceberem-se de que tudo isso era uma máscara.

Mas, o ego adora desempenhar papeis e funções.
E isso é normal.

Portanto, não havia outra estratégia que permitisse, para o conjunto da humanidade, realizar o que SRI AUROBINDO havia dito, ou seja, a descida do Supramental.

Há, hoje, muitos seres humanos, nos caminhos espirituais, que leram, por exemplo, sobre o Supramental. Mas vocês não podem viver o Supramental compreendendo intelectualmente o que é o Supramental.

Há uma etapa indispensável que é o Abandono: o Abandono à Luz e, depois, o Abandono do próprio Si. Então, se vocês não sabem o que é o Si, se o seu ego não contemplou a Luz, como vocês querem deixar algo que vocês nem mesmo sabem reconhecer?

Hoje, isso é diferente.
Isso corresponde ao que havia dito o CRISTO: “os primeiros serão os últimos; os últimos serão os primeiros”.

Hoje, há seres que vão viver esta Onda da Vida e, então, o resultado é o Casamento Místico que faz transcender toda carne, que faz Ascensionar toda carne.

Se vocês quiserem, é um processo extremamente dinâmico e que é lógico, porque a Luz é lógica.

Não é qualquer coisa: ela é Inteligência, nós sempre lhes dissemos.
A Onda da Vida é o que vai levá-los (após ter acolhido os movimentos descendentes desta energia da Shakti) a viver o movimento ascendente, que não é simplesmente a energia da Kundalini (tal como foi descrito nos textos), mas, realmente, alguma coisa que sobe.

É a Liberação do Núcleo da Terra que permite isso.
E isso permite, para o conjunto da humanidade.

Como eu dizia (e eu tinha repetido, secretamente, mas agora podemos lê-lo), vocês permitiram (e nós permitimos, todos juntos, porque nós somos UM) limitar, de maneira extremamente importante, todas essas coisas, todas essas máscaras do ego que deviam passar pelo sofrimento, pela violência, pela guerra, por todas essas coisas que foram anunciadas pelos profetas.

Porque o trabalho de conscientização da Luz, o trabalho de descoberta da vivência do Si e depois, agora, a Onda da Vida, vêm, de qualquer forma, realizar a Graça.

E, então, na Graça, o que acontece?
A ação/reação, que pertence à personalidade, não existe mais: vocês são vocês mesmos.

Vocês se colocam, vocês mesmos, ou sob a influência da personalidade e do ego (portanto, na ação/reação), ou na Ação da Graça.

E se vocês estão na Ação da Graça, não há qualquer razão para que a ação/reação provoque o que quer que seja pertencente à ação/reação (ou seja, em particular, o sofrimento).

A Onda da Vida tira-os, definitivamente (como isso foi dito, não há caminho de volta) de todas as ilusões.

Vocês vivem o que vocês São, no Si como no Absoluto.
Vocês realizam a Unidade, não como um conceito ao qual vocês irão aderir, não como ensinamentos, por exemplo, antigos, todos aqueles que são os movimentos Unitários.

Que isso seja o Advaita Vedanta, que isso seja o Mani, que isso seja Ahura Mazdao, que isso seja todos movimentos particulares, antigos, e mesmo entre algumas tradições ditas xamânicas, autênticas, primitivas, que vêm realmente de muito longe.

Hoje, vocês não têm, de qualquer modo, mais necessidade dessas etapas, porque o Reino dos Céus está prestes a ser descoberto, em vocês.

Portanto, efetivamente, vocês não são mais obrigados, hoje, a passar por todas essas etapas pelas quais passaram aqueles que seguiram as Núpcias Celestes.

A Doação da Graça para a Graça (que é nossa natureza, de todos) está aberta a todo mundo.

Para isso (e eu deixarei outros Melquizedeques se expressarem) vocês nada têm a rejeitar.

Enquanto vocês rejeitam a menor humanidade em vocês, vocês não podem viver o Absoluto.

Enquanto vocês dizem qualquer coisa em relação à humanidade, enquanto vocês julgam, vocês ou quem quer que seja, a Onda da Vida não pode ser finalizada.

A finalização da Onda da Vida, mesmo se todo mundo a sente, é o quê?

É o Casamento Místico.
É a União, como dizer, do Yin e do Yang arquetípicos.
É a reunião, a Fusão Mística, real, deste deleite permanente do Encontro do Eterno Feminino e do Eterno Masculino.

Que vocês empreguem os termos Yin e Yang, que isso seja entre dois homens, que isso seja entre duas mulheres, que isso seja entre vocês e uma folha da grama, é o mesmo princípio que se realiza.

É o que os nossos amigos orientais chamam de União que realiza este Andrógino, portanto, este Casamento Místico, que desencadeia, de algum modo, o Êxtase permanente. Porque o Êxtase permanente, além dos Samadhi, é a natureza do que é toda Vida.

Mesmo o ego que recusa isso, que diz que isso não é verdade, que recusa isso, e que está com ódio, irá vivê-lo, um dia ou outro. Porque isso faz parte do que nós dissemos já desde os anos 2005-2007 (antes das Núpcias Celestes): a Liberação da Terra é a Liberação da humanidade.

Obviamente, como nós lhes dissemos, há quem não esteja bem informado, que está confinado.

Não importa, agora.
Basta que um certo número de seres humanos tenha tomado consciência do confinamento, mas que, sobretudo, não rejeitem o que quer que seja e que aceitem viver a Luz (coisa que vocês fizeram, a maior parte de vocês, aqui como em outros lugares).

Então, isso permitiu este Ancoramento da Luz.
E então, hoje, a Doação da Graça pode realmente colocá-los no caminho deste Casamento Místico, deste Absoluto, do Último (como dizem alguns Anciãos).

Mas vocês são Livres.

O que vocês vivem é o que vocês vivem.
O que vocês vivem é o que vocês São.

É preciso não compreender este Último como uma etapa (nós o dissemos).
É preciso não compreender este Absoluto como uma recompensa.

Porque, a partir do momento em que a Luz está aí, vocês são Liberados.
E depois, aquele que não quer a Luz, é a sua Liberdade a mais fundamental.

E vivendo (se vocês o vivem) o Último ou o Si, vocês irão compreender que vocês nada têm a julgar.

Enquanto vocês emitirem o menor julgamento sobre quem quer que seja que lhes tenha feito o que quer que seja, eu bem disse quem lhes fez o que quer que seja, é o ego que se exprime e não a Luz.

E isso, vocês irão ser atingidos por esta frase.
Porque a Doação da Graça favorece e desencadeia o Casamento (ou não Casamento, no momento).

Vocês serão confrontados com isso.
Isso não é um confronto exterior, é um confronto interior.
Vocês não podem rejeitar o seu ego dizendo-lhes: “eu não quero mais isso”.

Porque, ao que vocês disserem não, vai fortalecer-se.

Vocês estão na Ação da Graça.
Mesmo se a Ação da Graça não os percorre, toda Terra a vive, atualmente.

E vocês irão constatá-lo cada vez mais rápido.
Então, é claro, a Ação da Graça, para aqueles que estão confinados (nas resistências, no medo, nas dúvidas), eles vão reagir em relação a isso, por vezes violentamente.

Mas a Graça é extremamente importante.
A cada dia, a cada minuto, vocês irão descobrir uma Graça cada vez mais importante.

Quaisquer que sejam as circunstâncias da sua vida, quaisquer que sejam as circunstâncias do grupo social no qual vocês estiverem, quaisquer que sejam as circunstâncias do país onde vocês estiverem, a Graça vai aparecer.

Alguns Anciãos irão testemunhar, aliás, a Chegada da Graça através do sofrimento.

Mas ninguém, hoje, é obrigado a passar pelo sofrimento.
É essa a grande mudança e que é maravilhosa, se o podemos dizer.
Porque vocês entraram nos Tempos da Libertação, da Liberdade, enquanto docilidade, na condição, na condição imperativa e absoluta de que vocês não emitam o menor julgamento sobre quem quer que seja e o que quer que seja.

Porque, como vocês querem ser a Graça e fazer um julgamento?
Como vocês querem ser a Graça, viver a Unidade, o Casamento com o Tudo, se vocês rejeitam uma parte deste Tudo, que isso seja vocês (no seu ego, na ilusão), que isso seja o outro (o que ele lhes fez)?

Porque, é claro, havia a lei de Talião: olho por olho, dente por dente.
E CRISTO, ele disse: “se lhes derem um tapa, deem a outra face”.

Porque o ego, ali vai reagir.
Mas aquele que deu o tapa em vocês é, certamente, aquele que lhes permitiu Despertar.

Portanto, agradeçam-lhe.
E rendam Graças pela sua ação de resistência.
Rendam Graças pela sua ação de oposição.

Não o julguem.
Não o condenem.

E vocês irão ver que, naquele momento, o Casamento Místico tornar-se-á a evidência total do que vocês São, sem dúvida, sem questão, sem interrogação.

Eu fico desolado, eu me estendo a cada vez, mas isso é importante.
Eu devolvo a palavra a vocês.

***

Pergunta: você tem uma receita para ser humano, sem julgar?

Sim.
Basta, já, realizar o Si, essa é uma primeira etapa.

O julgamento pertence ao mental.
Ele não pertence sequer ao karma nem a alguma coisa que seria ruim para o ser humano.

O mental é julgamento, por essência, porque ele se fia na experiência, ele se fia no conhecido (e isso, isso foi explicado longamente, através do Triângulo da falsificação).

Antes mesmo de vocês intervirem, de maneira consciente, o seu cérebro, o nosso cérebro, já decidiu o que era bem ou mal.

Antes mesmo de exprimirmos a menor coisa.
Portanto, podemos considerar que isso é uma forma de exercício.

Porque, se vocês julgarem, o que isso quer dizer?
São vocês que comandam no Interior de vocês mesmos ou é o mental?

Vocês estão identificados, enquanto ser humano, ao mental ou à sua humanidade.

O julgamento é uma ilusão, secretada e excretada pelo mental (que vai fazê-los julgar tudo e não importa o quê, não unicamente os Irmãos e as Irmãs).

Como vocês irão julgar?
Na Dualidade: bem e mal.

Tudo isso acabou, foi superado.
Exercitem-se.

Então, vocês podem, como disse o Arcanjo ANAEL, sentir melhor a Onda da Vida, da Graça, indo caminhar no orvalho.

Eu lhes disse também: olhem, tentem passar um dia, um único dia, sem julgar o que quer que seja.

E vocês irão viver a Graça, sem se colocar questão.

O julgamento mata vocês.
O julgamento mata a todos nós.

Porque o julgamento é a resistência.
O julgamento está ligado à dúvida, ao medo, e à oposição à Luz.

Não pode ser de outra forma.
Agora, se vocês quiserem julgar, julguem.

Mas vocês apenas podem culpar vocês mesmos.
Quem pode dizer (e mesmo eu, durante a minha vida) que manteve este estado de consciência (principalmente na época em que não havia o Espírito Santo, em que não havia a Graça para ser oferecida a todo mundo) por um dia, sem julgar?

Mas, naturalmente, isso faz parte do ser humano (eu diria do que é do pré-humano) porque, quando vocês vivem o Si, vocês não podem mais julgar. Então, é claro, o mental julga, eu diria, para rir, involuntariamente.

Mas rejeitem todo julgamento.
Aquele que os prejudicou (qualquer que seja a maneira que ele o fez), foi para viver o que vocês têm a viver.

Vocês devem agradecer ainda mais o pior dos seus inimigos do que o melhor dos seus amigos. Porque, se vocês fizerem isso, vocês irão ver, por vocês mesmos, o que vai acontecer.

Ofereçam flores aos seus inimigos.
CRISTO disse: “não joguem pérolas aos porcos”.

Ele falava do conhecimento espiritual que é, como vocês sabem, uma ilusão total.

Porque o ser humano gargareja: ele aprendeu o tarô, a astrologia, os meios ditos do autoconhecimento, que apenas são os meios da autoignorância.

Mas, simplesmente, na vida a mais comum, agradeçam.
É fácil dizer: “eu vivo a Luz, eu vivo o Amor, eu agradeço a Vida” e, depois, jogar uma pedra em alguém (especialmente naquele que os prejudicou).

Reflitam um pouco.
Se alguém os prejudicou (ou uma circunstância da vida os prejudicou), não julguem.

Como lhes foi dito por outros Anciãos, dispersem todo julgamento.

Não reajam.
E o principal objetivo é compreender que àquele que vem confrontá-los, mesmo se for numa ignorância total do que subtende a vida (nos combates do ego, digamos, da personalidade, de mental a mental), agradeçam-lhe.

Porque é ele que vai fazê-los, em última análise, mais que todos, não evoluir (isso não existe), mas avançar para este Núcleo Central, para esta Graça, para esta Unidade, para este Absoluto, para a Vida.



************
SEGUNDA PARTE:
“Ocupem-se com o Seu Traseiro” [17/03/2012] (2a. Parte) [Clique aqui]

************
Mensagem do Venerável OMRAAM (Aïvanhov) no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1383
17 de março de 2012 (Publicado em 18 de março de 2012).

***
Tradução para o português:
Zulma Peixinho - http://portaldosanjos.ning.com

Um comentário:

Postar um comentário