terça-feira, 14 de junho de 2011

AÏVANHOV - 14 de junho - Autres Dimensions




14 de junho de 2011.

Mensagem publicada em 16 de junho, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


E bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.

Eu lhes transmito todas as minhas bênçãos.

Então, vou escutar as questões.


Questão: por que estive ao serviço do mal nas vidas passadas?

Então, cara amiga, o mal não existe.
O bem não existe.

Existe apenas num nível da consciência, que é a consciência fragmentária da personalidade que está na Dualidade. Portanto, assim que você diz: «fui isso ou fui aquilo», você dá, aí também, peso e crença a isso.

A única coisa que é eterna é Você, no instante e em sua Unidade.
Todo o resto, como dizem os orientais, é apenas Maya e ilusório.
Mas, cara amiga, enquanto você estiver orientada em seu passado e em suas vidas passadas, você viverá apenas a destruição.

A Eternidade não se importa com suas vidas passadas, que são tão ilusórias como aquela que você vive. Portanto, enquanto procurar uma explicação para sua vida em seu passado ou projetando-se em seu futuro e aderindo ao que é chamada a reencarnação, você se afasta da felicidade e da Verdade.

Isso não pode ser de outro modo.


Questão: eu compreendo o que é a Alegria, mas deixo-me ainda prender por minhas emoções.

Não é para compreender intelectualmente; isso estritamente para nada serve.

Compreender algo para nada serve.
Não é porque vocês compreenderam algo que vocês o vivem.
A Alegria é a simplicidade, isso não necessita de qualquer compreensão.

Sim, isso quer dizer que você está, não presa, mas que você se identifica, você mesma, a isso.

Você não foi, como dizer..., capaz, pelo momento, de fazer a junção Vibratória com a Luz porque, quando você toca a Luz, quando a Coroa Radiante da cabeça acende, naquele momento, o que acontece?

Você penetra a esfera, no mínimo, da Paz.
Nessa Paz há um destacamento.

Isso não a impede de viver, bem ao contrário, mas isso lhe permite ter a lucidez e o olhar de que o que é vivido não é a Verdade, mas que você, você é a Verdade.

Não é, de modo algum, a mesma coisa.
Enquanto vocês são dependentes do que quer que seja em que esteja subjacente o medo, vocês não podem viver a Alegria.

É impossível.
A Alegria não é uma luta.
A Alegria não é algo que se vá buscar lutando contra alguma coisa, uma vez que a Alegria não é desse mundo.

É um estado de Consciência chamado Unidade, chamado a Paz, o Samadhi, Turiya, eu creio que disseram também, mas é um estado em que vocês estão na Unidade, quer dizer: vocês não são mais afetados, o que quer que aconteça a vocês e a esse mundo, mas vocês estão plenamente presentes nesse mundo.

Vocês estão na Unidade, vocês estão na Paz, vocês estão na Alegria e vocês estão em sua Verdade que é, ela, eterna.

E a Alegria não é o prazer.
A Alegria está para além de um humor simplesmente sem depressão ou sem medo: é algo que é uma Unidade e que é uma Vibração da Consciência; é outra Consciência.


Questão: como acontece o amor no âmbito de um casal, na Unidade?

O amor a dois nada quer dizer porque, quando você encontra a Unidade, você se faz o amor a si mesmo e você é você e você é o outro, e todos os outros.

O problema do amor humano é que é um amor de medo e de posse; é um amor ligado à falta.

Vocês são atraídos pelo que lhes falta; vocês são atraídos por uma sedução, qualquer que seja. Mas, enquanto sua relação é baseada nisso, ela não é livre e ela não pode ser livre.

Na Unidade, nas Dimensões Unificadas, ter relação sexual, isso não existe, não há sexo, de acordo?

Mesmo se há polaridades: um Arcanjo é dito de polaridade masculina; um ser geneticista de Sírius é de polaridade feminina.

Mas não é por isso que eles fazem sexo, não é?
Isso não existe.

Vocês são completos em si, sozinhos.
São as leis dessa matriz, na qual vocês foram, nós fomos todos confinados que criam essas faltas.

A falta é o quê?
É a ação/reação, é o Carma.

A Unidade é o quê?
É a Liberdade e é a Ação de Graça.

Vocês não podem estar submissos ao carma e viver a Graça.
Portanto, o mais frequente, mesmo nos amores os mais românticos, digamos, nas mais belas histórias, isso recorre sempre a uma suplementação, uma complementação exterior ao Si. O que não quer dizer que não se deva fazer o amor, que não se deva viver em casal.

Isso quer dizer que se deve viver a Unidade.
Naquele momento, as relações que vocês vão gerar, as atrações que vão movimentar serão profundamente diferentes, porque elas não serão mais baseadas numa suplementação ou numa complementação, mas serão baseadas na Unidade e na Liberdade.

Quando vocês estão com alguém, vocês não querem que ele vá com outro alguém, não é?

E é tão inscrito na maior parte das religiões, na maior parte das tradições que, mesmo se, em algumas religiões, um homem possa ter várias mulheres, mas elas não têm, sobretudo, o direito de ir ver noutro lugar, não é?

O Amor é a Liberdade.
Quando vocês estão nas Dimensões Unificadas, quando vocês reencontram um Arcanjo, vocês caem no Amor com ele, vocês trocam a Vibração do Amor, que é muito mais potente do que uma relação sexual, que é uma relação de Liberdade total.

Lembrem-se de que as leis do Espírito não são leis que vocês vivem nesse mundo.

O Espírito não é desse mundo.
Aqui, é Ação/Reação; sofrimento/medo.
Nos mundos da Unidade isso não existe.

Mas o problema é que, enquanto vocês dão sua crença e sua consciência para crenças, tais como elas vieram das leis dessa matriz, vocês não estão livres.

Vocês devem liberar-se das Crenças, vocês devem liberar-se de tudo o que é conhecido, porque o Espírito não está nisso.

E vocês giram em círculo, assim, desde sempre.
É claro, ajudaram-nos aí, não é?
Não é natural.

Aliás, coloquem-se a questão: há bilhões de universos, há bilhões de estrelas, há bilhões de Dimensões diferentes nos multiversos e vocês acreditam que aí vocês estão sozinhos, confinados em sua pequena bolha, isolados do cosmos?

Isolaram-nos do cosmos e vocês creem que vocês são tudo o que vivem aqui.

Mas o que vocês vivem aqui não existe.
Tudo o que constituiu essa memória de ação/reação, a memória akáshica desse mundo não tem realidade alguma.

Portanto, enquanto vocês dão crença, enquanto vocês dão sua consciência para essas leis de ação/reação, de Carma («eu fui isso, eu fui aquilo»), vocês não estão livres, porque vocês mantêm a Crença, inteiramente.

E, é claro, vocês buscam a Alegria.
Mas vocês não encontrarão jamais a Alegria, é impossível.

Olhem a história dos casais: amam-se, juram-se fidelidade: isso dura cada vez menos tempo e têm-se vontade de outra coisa, porque o outro não nos suplementa mais, quer dizer que se preencheu, de maneira temporária, uma falta, no interior de si.

Mas quando se toca a Unidade, Vibratoriamente, isso não impede o Amor, isso não impede uma relação, mas as condições não são mais, de modo algum, as mesmas, de modo algum, as mesmas.


Questão: eu passo muito tempo no serviço...

Eu lhe garanto que, enquanto você não encontrou o Si, a Unidade, você pode servir bilhões de anos assim.

Aliás, isso se saberia, hein?
Se bastasse servir a todo o mundo.

Isso dito, quando se está na Unidade, serve-se.
Mas a finalidade não é o serviço: a finalidade é a Unidade.
É aí onde há, como vocês dizem, algo que não está claro, escondido.

Busque o Reino dos Céus em você e todo o resto chegará.
Mas, enquanto você está numa projeção exterior, nesse mundo, é uma ilusão a mais que você coloca sobre a ilusão.

Agora, eu repito: quando você toca a Unidade, você toca o Amor e você toca o Serviço. Mas é preciso, primeiro, tocar a Unidade, porque, se você fala de Amor e de serviço sem ter vivido a Unidade, é a personalidade que se exprime.

Servir, eu disse um dia, é irradiar.
Amar é Servir.
Irradiar é Amar.

Como é que se irradia?
Estando si mesmo não projetando a personalidade para o exterior.

Portanto, para irradiar é preciso já encontrar o Coração.
Mas o Coração não permanecerá jamais numa ação exterior, ele está na parada de tudo o que é exterior.

É o único modo de passar à Unidade e, efetivamente, vocês são a Vida, vocês são o Serviço, portanto, vocês são a Unidade.

Vocês têm apenas que revelá-la, aí, imediatamente, no instante.
Quanto mais assim for, mais essa capacidade de abertura imediata será, vai ser-lhes proposta, porque o afluxo da Luz, o Fogo do Céu e o Fogo da Terra estão tão potentes nesse momento sobre a Terra que basta, verdadeiramente, colocarem-se: não mais ser essa personalidade, não mais ser esse desejo, não mais ser esse sofrimento.

Aceitar isso, aceitar não mais crer no que quer que seja.
Naquele momento, a Luz revelar-se-á, inteiramente.
O tempo está encurtado, como vocês sabem.

Vocês estão nos tempo ultra, ultra, ultra-reduzidos e, a cada dia, isso lhes aparecerá cada vez mais claramente.


Questão: quanto tempo é necessário para viver a abertura do Coração?

Mas, cara amiga, não é uma questão de tempo, a abertura do Coração é uma questão de parar o tempo.

Você é Você, de toda a eternidade.
É claro, há técnicas que lhes foram dadas, protocolos que lhes foram dados, revelações da Luz que lhes foram oferecidas e anunciadas, mas o Coração, ele está presente de toda a eternidade.

Basta que você olhe em você.
Portanto, não é uma questão de tempo.
Você considera que há um caminho a percorrer entre seu estado atual e a abertura do Coração, mas é instantâneo.

Se você tivesse realmente a capacidade de parar o tempo e de centrar-se no instante presente, inteiramente, mas a Luz a fulminaria.

Não é uma questão de tempo, é uma ilusão criada do zero pela personalidade, para afastá-la de sua Verdade.


Questão: a que corresponde o que é chamada a equipe de solo?

A equipe de solo são os seres que, antes mesmo dos Casamentos Celestes, despertaram o próprio potencial ilimitado e a própria Existência, mesmo de modo não lúcido, totalmente.

Como isso se manifestou?
Primeiro, pelas Vibrações ao nível das Coroas Radiantes, ao nível do despertar do Kundalini.

São seres que foram autoprogramados para despertar nesse fim dos tempos.

São seres que foram, como dizia Miguel, capazes de portar a Luz, de serem os porta-estandartes da Luz e de revelá-la ao mundo.

Eles foram os Ancoradores da Luz.
Agora, lembrem-se de que, até o último limite dessa Dimensão, a Luz está aí, mas, quanto mais o tempo vai avançar, no sentido de seu calendário, mais a pressão da Luz vai tornar-se importante.

Então, alguns de vocês vão vivê-lo por eliminações, em diferentes níveis, ao nível do corpo.

Outros, por manifestações psicológicas.
É necessário aceitar olhar isso como eliminações, mas não dar peso, ou seja, não crer que vocês sejam isso.

Porque, se vocês dão peso a isso, vocês vão, realmente, tornar-se isso e, naquele momento, suas Vibrações serão tão densas, tão cristalizadas que, quando seu corpo de Existência apresentar-se a vocês, quando o corpo da Ressurreição apresentar-se a vocês, vocês não conseguirão fusionar a consciência fragmentada com a Consciência Unitária.

Mas, isso dito, em definitivo, não é grave, uma vez que o conjunto de lagartas não voltará a uma Dimensão terceira.

Vocês serão todos liberados, mas o grau de liberação será em função do que vocês tiverem sido capazes de assimilar, de algum modo, como Luz, mesmo nessa Dimensão.


Questão: é possível sentir o Fogo da cabeça, o Fogo do Coração, depois nada mais?

Sim, perfeitamente.
Nos períodos de transformação final, se o Fogo do Coração e o Fogo da Cabeça foram sentidos, obviamente, há uma maturação que se faz.

Vocês estão no período no qual a energia do Arcanjo Metatron, na fase final dessa humanidade, está se revelando sobre a Terra e em vocês.

Essa revelação pode, por vezes, ocasionar uma espécie de basculamento da Vibração.

Mas é temporário.
Quando os chacras forem perfurados pela Luz, eles não podem mais, jamais, voltar a se fechar.

É impossível.


Questão: por que alguns se lembram de numerosas vidas anteriores, enquanto isso não é necessário para os processos em curso?

Mas, cara amiga, a lembrança da memória de vidas passadas está ligada à ativação do terceiro olho.

Portanto, o terceiro olho desaparece.
Essa memória de vidas passadas é um peso suplementar.
Então, é claro, há alguns seres que vão se lembrar espontaneamente de todas as suas vidas.

Eu era desses.
Mas qual o interesse?
Então, é muito satisfatório para o ego poder explicar uma situação presente por um passado, mas é um perigo terrível.

Quando o terceiro olho está aberto, vê-se desfilar rostos das vidas passadas e, depois, tem-se acesso a informações dessas vidas passadas, de modo completamente comum, sem ir buscar técnicas.

Mas tudo isso pertence a Maya.
Vocês são um Espírito, vocês não são esse corpo e vocês não são a experiência de suas encarnações.

É o que dizia Buda: «quando você encontra os Siddhis, os poderes da alma, salve-se rapidamente».


Questão: por que, na meditação, minha cabeça se move da esquerda para a direita?

Então, aí, cara amiga, pode haver várias razões, mas o importante é que a Luz desce.

Quando você está na meditação, as oscilações são um fenômeno extremamente frequente, mas que não tem a mesma tradução e o mesmo significado para todo o mundo.

Agora, eu não posso dizer a você porque em você isso oscila, mas o movimento, num determinado momento, deve parar porque, se o movimento não para, não pode haver entrada no instante presente.

O Arcanjo Miguel, nos Casamentos Celestes, falava, a um dado momento, através da vivência de todas as Vibrações, o acesso à Lemniscata sagrada é o momento em que o Som da alma pára e em que se penetra um espaço que é chamado a vacuidade, o Silêncio, como ele dizia, o Arcanjo.

É o momento em que a Consciência passa inteiramente por essa espécie de dissolução que foi descrita, de algum modo, nas doutrinas Unitárias, qualquer que seja a origem.


Não temos mais perguntas, agradecemos.

Bem, então, caros amigos, eu lhes transmito todas as minhas bênçãos e digo-lhes até muito em breve.

Todo o meu Amor os acompanhe.

Até breve.


___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se as divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e informando sua fonte: www.autresdimensions.com
Versão do francês para o português: Célia G. - http://leiturasdaluz.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário