terça-feira, 3 de maio de 2011

AÏVANHOV - 03 de maio de 2011 - Autres Dimensions



03 de maio de 2011.

Mensagem publicada em 5 de maio, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


E bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.

Eu lhes transmito todas as minhas bênçãos.

E como parece que eu falo muito, vou deixá-los falar e, depois, vou responder ao que vocês têm a perguntar-me.

Então, creio que as Estrelas terminaram suas intervenções concernentes ao que vocês vivem, agora, durante esse mês de maio.

Vamos, é claro, falar de tudo isso, se efetivamente quiserem, ou por esclarecimentos, ou pelo prazer de interagirmos juntos.

Questão: que são a Luz Branca, a Luz Azul e a Luz Dourada?

A Luz Dourada é a Luz do Conhecimento.
Isso, vocês sabem desde que Jofiel veio falar-lhes, há alguns anos.

A Luz Dourada apresenta um perigo, porque é uma atração, frequentemente, que é voltada para o exterior, ou seja, uma sede de conhecimentos espirituais, uma sede de compreensão de mecanismos da vida aqui, nesta encarnação.

Mas vocês sabem agora, pertinentemente, que as leis que prevalecem, nesta Dimensão, Dimensão alterada, estritamente nada têm a ver com as Leis da Graça.

As Leis da Graça, de fato, é apenas uma: é a Lei da Unidade onde tudo é Graça, tudo é majestade.

Os mecanismos das perguntas são unicamente ligados aos conhecimentos alterados, porque foram projetados ao exterior.

Portanto, o ser humano, desde uma eternidade, busca, busca, busca, constrói sistemas para projetar-se, ainda mais, ao exterior.
Então, o ego é efetivamente feito porque, quanto mais ele vive o que ele chama de conhecimentos, quanto mais ele vive iniciações, mais ele crê que se aproxima da Luz.
Mas, de fato, ele volta as costas a ela.
A tal ponto que o Arcanjo Jofiel explicou-lhes já tudo isso.

O verdadeiro conhecimento é o Conhecimento Interior.
Esse Conhecimento Interior é justamente o momento em que não há mais qualquer vontade de querer encontrar, no exterior de si, alguma coisa.
Isso foi sempre dito.

Quando os deuses e as deusas reuniram-se, disseram que esconderiam a divindade no Interior do ser humano.
Com isso, estariam seguros de que era o único lugar onde os humanos não a encontrariam.

Isso dito, ela não foi feita para que seja encontrada.
Foi feita, sobretudo, de maneira a que o isolamento, o confinamento, não fosse jamais definitivo.
Sem isso, vocês teriam podido continuar a girar e, todos juntos, teríamos continuado a girar, pela eternidade, na Ilusão.

Portanto, a Luz Dourada é o momento, se querem, em definitivo, em que vocês param uma busca exterior, porque vocês compreendem e aceitam que estritamente nada há a encontrar no exterior de si.
É uma ilusão do ego.
Isso, é a primeira coisa.

A Luz Azul é a Luz que restabelece os Éteres, ou seja, que restabelece uma solução de continuidade entre o lugar ilusório, onde está sua consciência, e a eternidade da Consciência.

É o Manto Azul de Maria, é o Manto Azul de Buda, é a Consciência que vem de Sírius, é essa Vibração que prepara o retorno da Luz Branca e que começou a manifestar-se, como Sri Aurobindo anunciou, há quase dois anos, no final do ano de 2009, não é?

Em seguida, na sequência do «gancho» da Luz, que restabelece a Comunhão dos Éteres, a Fusão dos Éteres, pode precipitar-se, nesta Ilusão, a Luz Branca.
A Luz Branca que é a Verdade da Luz.

Aí está o que eu posso dizer.
Mas são mecanismos Vibratórios, antes de tudo.
São trabalhos que se estabeleceram sucessivamente.
Jofiel havia falado deles.
Ele havia falado do Trabalho Vermelho, do Trabalho Amarelo, do Trabalho Negro.
E agora, o Trabalho no Branco, que é a metamorfose.
É exatamente isso que vocês estão vivendo, se vocês aquiescem à Luz, ou seja, se vocês aceitam não mais existir, como pessoa, num corpo e numa Ilusão.

Questão: a Nova Jerusalém, evocada por Gema Galgani, está em relação com o que se chama a Jerusalém Celeste e com a Morada de Paz Suprema, Shantinilaya?

Cara amiga, é exatamente a mesma coisa.
Houve, no final dos Casamentos Celestes, durante o verão de 2009 [inverno no hemisfério sul], a Jerusalém Celeste que se impactou no Sol, tendo permitido uma primeira aproximação do estado Interdimensional das Embarcações de Maria e de nossas Embarcações, desta vez, mais próximas de vocês.
Era a Jerusalém Celeste.

A Jerusalém Celeste é Yéroushalaïm, é uma Embarcação de Luz que tem vindo já, a cada 50.000 anos, trazer a Luz.
Há uma descrição específica que é dada em alguns escritos do Antigo Testamento.
Ela é descrita com doze Portas, como por acaso, doze Portas e quatro Lados.
Foi feita a relação com o quadrado que está presente em sua cabeça e que se revela, e que representa o que se chama Yéroushalaïm, a Embarcação de Luz, mas sua própria Embarcação de Luz, que é sua Merkabah Interdimensional, que se inscreve num cubo, nas cinco formas geométricas perfeitas que são agora constituídas, e que vão estender-se, ou seja, passar do quadrado para o cubo, com suas arestas em número preciso, e que vai permitir-lhes juntarem-se à sua Morada de Paz Suprema, ou seja, Yéroushalaïm Celeste, passando por sua própria Yéroushalaïm, que corresponde ao retorno do Cristo e à densificação de Metatron, nesta Dimensão.

Na ordem de intervenção dos Arcanjos, foi-lhes dada, durante os Casamentos Celestes, e já um pouco antes, a intervenção de diferentes Arcanjos, segundo os ciclos e as fases do calendário dos três últimos anos da Dimensão terceira que vocês vivem.
É exatamente isso que se realiza sob seus olhos e em seus corpos.

Questão: o «4 vezes 3» corresponde às Estrelas de Maria?

Sim, perfeitamente, e ao conjunto da Frota Intergaláctica Mariana.
São também os Doze Elohim que trouxeram o Cristal Azul de Atlântida, quando da criação de Atlântida.
É a mesma Vibração, ainda que não sejam as mesmas Consciências, mas é a mesma função.
Assim como havia Doze Apóstolos ao redor de Cristo.

Questão: o cubo, como uma caixa, abre-se, portanto, para revelar e criar os Universos?

O desenvolvimento de que você fala, de abertura do cubo, é ligado à primeira forma perfeita que é, de fato, a pirâmide triclínica que é ligada, diretamente, à estrutura da Civilização dos Triângulos, pertencendo à 24ª Dimensão, onde situam-se os Hayoth Ha Kodesh, e outras Consciências, é claro.
É o Triângulo elementar, de que falou Metatron, no ano passado, situado ao nível de, efetivamente, 4 x 3 = 12 Estrelas.

Questão: Gemma Galgani ligou a Unidade à inocência. Qual é a relação com nossa inocência de infância?

Caro amigo, eu acabo de dizer a frase seguinte: «Gemma Galgani pôs o eixo horizontal da Cruz Posterior entre UNIDADE e PROFUNDIDADE».
UNIDADE e PROFUNDIDADE é a Infância Interior, portanto, a inocência.
Você suprime «Interior» e você tem a infância, inocência.

Não compreendo bem a questão, aí, uma vez que é a mesma coisa.
A inocência é a capacidade para viver, inteiramente, o instante, sem fazer intervir o mental ou qualquer projeção do que quer que seja.

Questão: a Coroa externa gira num sentido e a Pequena Coroa interior no outro sentido? O que cria um movimento para acionar o eixo principal, de algum modo?

É perfeitamente correto.
É, aliás, por isso, que há uma Coroa.
É similar ao nível do Coração, quer dizer que é a sincronia dos movimentos, que estão em oposição de fase, que corresponde à criação do Tempo Zero, ou seja, o que lhes permite sair da Ilusão.

Esses dois movimentos, que estão em oposição de fase, geram o que se chama o Tempo Zero.
É o que os místicos chamaram «parar o tempo», pela meditação, para sair do tempo.

O tempo, nós já o dissemos, não se desenrola de modo linear, contrariamente ao que se vê aqui, quando se está encarnado, ou seja, vir de um passado, passar pelo presente, e ir para o futuro.
Ele se desenrola nos dois tempos e, portanto, há duas espirais de tempos, efetivamente.
Portanto, há dois movimentos diferentes que podem ser, e que são, geralmente, percebidos em oposição.
É o que gera a estabilidade, uma vez que o sentido horário e o sentido anti-horário é apenas uma convenção.

Vocês sabem, por exemplo, que, quando há sifões que se produzem, conforme vocês estejam no Pólo Norte ou no Pólo Sul, o sentido de rotação não é o mesmo.
Num caso, é horário, no outro, é anti-horário.

Será que isso quer dizer que há um que é bem e mal?
Não.
É simplesmente a associação dos dois que cria a unidade.
É muito conhecido, eu creio, na física, isso.
É o que se chama, também, mesmo ao nível do átomo, o movimento de Spin [rotação].

Questão: é normal sentir a projeção da Coroa Interior ao nível do Sacrum exclusivamente?

Pode.
A partir do momento em que começa a haver Despertar e Fusão das três Lareiras, é claro que uns são correspondentes aos outros.
Essa imagem de um holograma é o que foi chamado, desde todos os tempos, mesmo se falsificada, a Tri-Unidade.

Questão: isso pode ser como um motor que estaria como na reduzida, em espera?

Sim, por que não?
A velocidade de rotação não é sempre a mesma.
Mas o motor está ligado, sim, é o mínimo que se pode dizer.

Questão: esse duplo movimento junta-se ao que é chamado as Rodas nas Rodas?

Inteiramente.
Isso corresponde.
Roda nas Rodas, outro nome dos Hayoth Ha Kodesh.
Os mecanismos de rotação, mesmo de um cubo, dão uma roda.

Questão: é uma espécie de movimento universal e perpétuo?

É um movimento aparente, mas, em alguns graus de Consciência, não há mais movimento.
É justamente o movimento que cria a imobilidade.
É o Campo Zero.

Questão: o Ponto Zero é o momento em que tudo se reúne?

Sim.
Tudo pára, também.
Não se pode passar de uma Dimensão confinante, como esta, para outra Dimensão, sem parar o movimento, seja o movimento do corpo, o movimento do átomo, o movimento da Terra.

Questão: esse ponto contém tudo?

Sim, inteiramente.
É exatamente isso.
Há alguns de seus cientistas que disseram que, se vocês chegassem a pôr todo o conjunto de pontos da criação e se se suprimisse o «vazio» que existia entre o núcleo do átomo e do elétron, o conjunto da criação se teria numa cabeça de alfinete.

Questão: está em relação com os Buracos Negros?

Não, os Buracos Negros é uma visão alterada do que é, para vocês, quando vocês veem um Buraco Negro.
Ele absorve tudo e isso dá muito medo, porque quer dizer que desaparece.
Não, isso quer dizer que aparece na Luz, se desaparece à sua vista.

Não se esqueçam que, nesta Dimensão, tudo o que vocês veem é uma imagem invertida, absolutamente tudo.
Essa inversão, aliás, está presente, mesmo ao nível dos cruzamentos dos cérebros e da imagem que cria sua retina que se inverte, no cérebro, passando pelos cruzamentos de nervos óticos.

Questão: a Terra tinha uma forma cúbica antes da falsificação?

Antes da falsificação ela tinha uma forma cristalina, ligada a uma disposição hexagonal.
Mas o hexágono é, de algum modo, é difícil para explicar, mas, uma projeção da forma cúbica.
É difícil explicar com palavras.

É similar quando vocês estão em seu Corpo de Existência, vocês não estão fixos numa forma e numa Dimensão, nem num espaço.

Passando de um estado a outro, vocês mudam de forma e vocês mudam de Dimensão.
É exatamente o mesmo em todos os níveis.

Mas isso não pode ser conceituado, assim, com o cérebro.
Não é possível. O órgão cérebro ou o pensamento não dá a representação adequada da verdade.

Lembrem-se de que as leis desse mundo não são as Leis da Unidade.

As forças mais evidentes é a gravidade.
Quando vocês estão no Corpo de Existência, nenhuma força gravitacional se exerce.
Somente existe, é um jogo de palavras, o que se poderia chamar a gravidade do pensamento que, em função do pensamento, vai conduzi-los sobre linhas de Vibrações que os fazem ou mudar de forma e de espaço, ou de Dimensão.

Pode-se dizer isso também de outro modo.
Se vocês esticam o cubo, o que acontece, pelos dois eixos?
Vocês obtém um octaedro.
Se vocês multiplicam o octaedro, vocês obterão as duas formas perfeitas mais complexas que faltam.
Mas tudo isso é algo, como dizer..., que não se pode representar, mesmo se se é muito forte em geometria.

Quando se está nas outras Dimensões, isso se vive como mover o dedinho, de algum modo, quando se está encarnado.

Questão: todas as formas que você evoca, ligadas à Luz, são construídas com linhas retas. Por quê?

Porque a falsificação é a curvatura.
Mesmo a forma Unificada que vocês chamam as fractais, desenvolvem-se segundo curvas, mas essas curvas são quebradas, como se diz.
E o fator de progressão de uma curva para outra é um fator ligado a uma equação correspondente a uma forma geométrica perfeita.

Questão: por que ser tão fascinada pelo cubo e suas construções geométricas?

Então, aí, cara amiga, porque é uma forma de perfeição.
E é, para você, uma imagem da perfeição.

Questão: o papel de Yaldébahoth foi desejado desde o início?

O papel de Yaldébahoth?
Qual papel?
Os Arcontes, que são os Dracos, são administradores dos mundos.
Eles não criam, mas administram.

Eles exageraram, administrando ao extremo e cortando a Criação para administrá-la e criá-la, eles mesmos.
Mas eles nada criaram.
Eles não podem criar.
Não se pode administrar e criar.

Quando se está encarnado, por exemplo, nesse mundo, é o mesmo princípio.
É muito raro encontrar, isso existe, mas de uma maneira geral, se você é um financeiro ou um banqueiro, eu vejo em você dificuldade para criar imagens ao nível artístico.
É muito difícil.
Num outro plano, é exatamente a mesma coisa.

Há funçõs Vibratórias.
Essas funções Vibratórias são ligadas a estados multidimensionais do ser e das Consciências.
Segundo sua esfera de expressão prioritária, mas não única, vocês vão ou criar (os Elohim criam) ou administrar criações.

Administrar não quer dizer dirigir.
Administrar não quer dizer confinar.
E aí onde há algo que não vai.
Agora, afasta-se das Estrelas, parece-me, aí.

Se vocês querem compreender, intelectualmente, interessem-se pelos escritos de Nag Hammadi, que foram encontrados no Mar Morto, e que explicam perfeitamente o que é a visão do gnóstico, que exprimem perfeitamente o que é Ya ou Yaldebahoth ou Yahvé, ou seja, Deus / Diabo, que é exatamente a mesma entidade que os fechou na submissão e que os cortou da Fonte.

É o que nós nos matamos em repetir, desde anos, parece-me, de maneira progressiva, porque não é necessário destruir todas as suas crenças e todas as suas adesões mórbidas assim, de um dia para o outro.

Enquanto vocês seguem alguém, vocês não são livres.
Foi o que disse Irmão K: «Vocês querem descobrir a autonomia e a liberdade ou, então, vocês querem fazer crises de infantilidade ao invés de viver a Criança Interior?», ou seja, depender de uma autoridade exterior e crer que vocês devem submissão a outra Consciência.
Cabe a vocês escolher.

Questão: se somos todos criadores, na Unidade, por que fazer a diferença entre entidades criadoras e entidades administradoras?

Não há diferença.
São eles que fizeram uma diferença.

Houve, há vinte milhões de anos, sobre esta Terra, alguns Elohim de Sírius que criaram uma sementeira biológica, livre, com criação de uma forma carbonada, chamada humana, totalmente livre.
Naquele momento, a criação dessas esferas carbonadas necessitou uma administração.

Mas os Dracos, que são administradores em outros planos, são também criadores, mas não é a mesma coisa que ser administrador em um universo e querer tornar-se o criador e, sobretudo, confiná-lo.

Existem Dracos redimidos, desde muito tempo.
Existem Dracos que de modo algum participaram desse mascaramento, felizmente.

Mas percebam, há tal impregnação na humanidade dessa palavra Deus que, mesmo hoje, mesmo sabendo disso, é a palavra que todos empregam correntemente.
É o peso da crença que tem uma marca, de algum modo, mas que não é absolutamente uma marca da criação.

Questão: o que é um Draco redimido?

Para quê isso vai lhe servir?
Você poderia conhecer o nome de todos os Dracos, você poderia conhecer os nomes de todas as Linhagens, será que, no entanto, você tocaria sua Unidade?

Questão: tenho necessidade de saber o que é um Draco redimido, para ir ainda mais à Unidade.

Não.
Isso é uma ilusão do ego.
Houve revelação de algumas Linhagens para muitas Sementes de Estrelas, há aproximadamente um ano e meio.

Alguns tiveram a revelação da própria Linhagem, revelação que deve ser Interior.

Agora, uma vez que essas Linhagens são reveladas, elas traduzem uma filiação, no plano espiritual.
A Unidade está para além de tudo isso.

Tocar a Unidade, nesse mundo, tal como vocês estão é, hoje, a prioridade.

Ora, a Unidade toca-se agora e, desde um ano quase, unicamente pela vivência da Unidade, transcendendo e superando, mesmo, essas noções de Linhagens.
Se elas forem reveladas, tanto melhor para vocês, interiormente.

Agora, vocês devem transcender tudo o que está nesse mundo que não é a Luz, sejam suas vidas passadas, que pertencem à matriz, sejam suas Linhagens espirituais, que traduzem algo que será inato e natural quando vocês acederem à sua Unidade, mas, para aceder à Unidade, vocês devem fazer calar, agora, tudo o que não é mais a Unidade.

Parece-me que foi, grosso modo, contado pelas Estrelas, não?

Será que vocês podem explicar, com palavras, a Existência?
As Linhagens, vocês podem vê-las.
Vocês podem ver uma Águia, um Golfinho etc.

Mas será que o fato de ter essa revelação permite a vocês centrar-se no ponto ER?
Não, é já um desenvolvimento do ponto ER, dado que há quatro Linhagens que estão localizadas nos pontos da Cruz Cardinal.
Elas se revelam quando a Unidade está em vias de instalação.
Mas, após, é preciso passar além.
É necessário ir para a Essência, para a Vibração da Luz.

Tudo isso são ferramentas, mas concebam que, a um dado momento, pode ser, também, obstáculos, se o ego, a personalidade dele se apreende.

O mais importante, o mais urgente mesmo, eu diria, hoje, é ir para essa Luz que vocês são, para além mesmo de todas as formas, para além mesmo de todas as Linhagens, reveladas ou não reveladas, porque há uma urgência Vibratória para realizar isso.

Se a Luz chega, inteiramente, como vai chegar a um dado momento, e um ser, que viveu o Despertar das Coroas Radiantes, está ainda interrogando-se sobre sua Linhagem, sobre a compreensão de sua Linhagem, ele não está na vivência da Unidade, mesmo se ele viveu acessos à Unidade.

É preciso efetivamente diferenciar, cada vez mais agora, e isso vai tornar-se, como o disse Gemma Galgani, talvez cada vez mais fácil (na condição de viver a Luz e aceitar viver essa Luz): vocês terão momentos em que o ego, porque ele existe enquanto se está encarnado, vai querer apreender-se de algo (de uma Linhagem, de uma filiação, tanto mais que isso correspondeu a revelações reais, naquele momento).

O fogo do ego vai disso apreender-se e, vivendo o fogo do ego, vocês não poderão viver, inteiramente, o Fogo do Espírito.
Porque é o Fogo do Espírito que vocês transportam não é suas Linhagens.

Portanto, o que era verdadeiro, há ainda um ou dois anos, agora não é mais verdadeiro, mas deve ser transcendido também.
Porque tudo isso, vocês reencontrarão quando deixarem, definitivamente, essa Ilusão, de maneira totalmente natural.

Mas não é mais tempo, agora, de colocar-se a questão do que foram numa vida passado, ou qual Linhagem é-lhes afeta ou quais são suas Linhagens.

É tempo de ir para a Essência, ou seja, ao ponto ER.
Sem isso, as Rodas colocar-se-ão a girar.
Vocês permanecerão fixos a um ponto.

Questão: viver a Unidade, pela ativação do ponto ER, é um estado em que não há mais palavras, onde não há mais nada?

É completamente isso.
Vocês são a Luz.
Sendo a Luz, o que pode permanecer como interrogação sobre o que quer que seja mais além da Luz?
Vocês são a resposta.

Alguns de vocês começam a penetrar esses estados.
O problema é, como eu o disse, que vocês passam de um para o outro, e é normal.
É um aprendizado.

Mas é necessário ter consciência desse jogo e seus movimentos.
Vocês têm direito a ter dor no joelho ou ter uma problemática material, psicológica, a resolver.
Mas, quando isso toca os domínios espirituais, e as Vibrações que vocês vivem, isso foi dito: vivam as Vibrações.

Sejam a Luz.
Na Luz, não há mais qualquer palavra.
É a Felicidade.

Vocês são a Luz.
Quando há Luz, não há nada mais, mesmo se, após, quando vocês estiverem definitivamente na Luz, então, aí, vocês poderão ir tanto na Luz como divertir-se a explorar a totalidade das criações em todos os Multiversos.

Mas não agora, uma vez que, aí, há ainda um ego.
O ego vai apreender-se disso, como uma satisfação.
Vejam vocês a diferença.

Isso foi, aliás, repetido de múltiplos modos, mesmo já desde muito tempo: «busquem o Reino dos Céus, e o resto ser-lhes-á dado em acréscimo».
O Reino dos Céus não é compreender os Céus.

Vocês não têm qualquer meio, com o cérebro, com a limitação que existe na Dualidade, de compreender os Céus.

Buscar os Céus é simplesmente viver a Unidade e a Luz.
Todo o resto não tem mais qualquer espécie de importância, sobretudo no período, agora.
Isso teria sido em minha vida ou há ainda alguns anos, isso teria sido diferente.

Lembrem-se, sugiram-se, a vocês mesmos que, assim que haja, assim, algo que emirja, que concirna ao espiritual, não é porque o ego disso já se apreendeu.
Em contrapartida, é perfeitamente lógico ter questionamentos, mesmo sobre o desenrolar de sua vida mais banal: «por que é que, nesse momento, não consigo fazer isso?», «por que é que tenho dor em tal lugar?» etc. etc.

É a interrogação normal, na Dualidade.
Mas, assim que isso concirna aos elementos, agora, que são do domínio de uma busca exterior, isso não satisfará nada e não os fará avançar em seu estado de Unidade.

O Abandono à Luz é isso.

E quanto mais vocês se abandonarem, mais vocês constatarão que, mesmo as questões concernentes à vida comum, desaparecerão por si mesmas.

Portanto, vocês passarão, vocês oscilarão, isso foi dito, de um ponto ao outro, sem parar.

Mas é preciso efetivamente compreender que, a um dado momento, é preciso estabilizar-se na Luz, para vivê-la inteiramente.

A Consciência é Vibração.
UM AMIGO explicou-lhes isso.

Se vocês se centram num trajeto AL-AL, vocês viverão a Androginia Primordial, bem além das Linhagens, mesmo se elas estão aí, mesmo se vocês as veem.
No limite, isso não tem qualquer espécie de importância.

Vocês vão instalar-se nesse estado de Alegria profunda.

É tempo, agora, de viver a Paz e a Alegria.

Ora, a Paz e a Alegria podem nascer, a um dado momento, apenas quando não há nada mais além da aniquilação total de tudo o que pertence à personalidade.
É o que precede a dissolução ou o retorno ao estado bramânico, como é dito pelos orientais.
É o êxtase.

Vocês imaginam que, mesmo eu, pela manhã, quando estava ao Sol e vivia um êxtase solar, havia questões que vinham à cabeça?
Não, eu fazia tudo para fazer calar todas as questões, quaisquer que fossem, apenas para instalar-me nesse estado, do instante.
É isso que lhes é pedido hoje, nada mais.

Nenhuma questão permitir-lhes-á avançar em seu estado Unitário.
Isso lhes permitirá, talvez, aliviar o que, na materialidade dessa vida, poderá obstruí-los.

Compreender as Estrelas, vocês vão relê-las, vocês vão delas impregnar-se, vocês delas fazem as Vibrações.
Mas, após, deixem a Luz.
Ela sabe o que faz.
E vocês não, jamais.
Nós não, jamais.
E é isso o mais difícil.
Isso tem o ar simples, mas é o mais difícil: aceitar que o ego nada pode.

A Existência não fala em palavras.
Nós descemos num corpo para nos exprimirmos em palavras.
Quando estamos na Unidade, nós nos comunicamos por Vibrações.
Tudo é Vibratório.
A linguagem é Vibratória, mas ela recorre a uma representação de cada um, que é profundamente diferente.

Quando vocês são, de Vibração a Vibração, tudo é compreendido, porque tudo é vivido e não representado.

Questão: colocar a consciência sobre uma Estrela, na meditação, por exemplo, para fazê-la vibrar, é um ato do ego que se apreende da Luz, dado que é um ato voluntário?

Não pode haver ego assim que haja Vibração.
O ego é ausência de Vibração.

Quando você coloca sua consciência sobre uma Estrela, você ativa a Vibração.
Você tem questões, naquele momento, em si mesmo?
É impossível.
Porque a consciência está polarizada na Vibração e ela se torna essa Vibração.

Eu imagino dificilmente um ser humano Vibrar, por exemplo, nos espaços de alinhamento (ou ele dorme, está bem).
Eu imagino dificilmente que vocês pensem em fazer suas corridas amanhã nesses estados de alinhamento.

Questão: focalizar a consciência sobre uma Estrela não é, portanto, um ato da vontade?

Não é uma vontade.
É uma Atenção e uma Intenção.
Isso nada tem a ver.
Isso nada tem a ver com o ego, uma vez que, se seu ego quer se colocar na Vibração e a Vibração aparece, o ego não pode mais existir.
É o que acabo de dizer.
Naquele momento.

Questão: quando me sinto na Unidade, meu mental se põe então a trabalhar no máximo.

Sim, ele tem medo de sua dissolução definitiva.
É todo o trabalho de aprendizado que vocês efetuam agora.

Vocês vivem estados que se poderia qualificar de místicos.
Vocês vivem, realmente, estados de dissolução ou de Fogo do Espírito.
Naqueles momentos, o ego vai dizer «hé, ho, estou aqui».

É a personalidade que, efetivamente, tem medo de desaparecer.
Mas é o aprendizado que vocês efetuam, de maneira acelerada, nesse momento.
É normal, de algum modo.

Virá um momento em que você viverá isso e em que você estará imerso nesse estado sem qualquer vestígio de atividade, nem mental, nem emocional, nem de pensamentos.

Questão: quando o mental toma a retransmissão, isso descentra, aparentemente do Coração?

É o objetivo do mental, sim.

Questão: que fazer nesse caso?

Colocar-se na Luz, não prestar atenção aos disparates que são contados.
Já, você faz a diferença entre o momento em que você está na Unidade e o momento em que é o ego.
É já enorme.

Agora, discriminar permite saber e decidir para o quê você dá Atenção e Intenção.

Questão: que seria mais eficaz para convencer o ego a não mais ter medo?

Você não pode convencer o ego, cara amiga.
Assim que você se dirige ao seu ego, você o reforça.
Assim que você lhe dá sua atenção, ele vai tomar a dianteira.

Os estados Vibratórios estão aí, como eu disse anteriormente, justamente para permitir-lhes diferenciar os dois estados.

Quando vocês conseguem passar, totalmente, na Vibração, inteiramente, quase inteiramente, vocês se aperceberão que, durante o tempo em que vocês a vivem, que será cada vez mais longo, vocês não poderão mais ser perturbados pelo ego.

Questão: apegar-se à Vibração faz desaparecer os apegos?

Inteiramente.
Mas, depois, vocês deverão desapegar-se da Vibração, mas, isso é uma outra história.

É o desapego final.
É o momento em que a Consciência pára, inteiramente, nesse mundo.

Não temos mais perguntas. Agradecemos.



___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se as divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e informando sua fonte: http://www.autresdimensions.com/
Versão do francês para o português: Célia G.
Revisão: beto junior

Nenhum comentário:

Postar um comentário