sexta-feira, 15 de abril de 2011

UM AMIGO - 15 de abril de 2011 - Autres Dimensions






UM AMIGO – 15 de abril de 2011.

Mensagem publicada em 17 de abril, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Eu sou Um Amigo.

De meu Coração ao seu Coração, Irmãos e Irmãs.

Eu volto, como lhes disse, não mais para um ensinamento, mas, doravante, para exprimir, manifestar e perceber tudo o que é relacionado à Consciência Unificada, à dissolução na Luz e ao seu estado.

O Arcanjo Miguel trabalhou, assim como vocês mesmos e o conjunto de todas as Consciências voltadas para a Terra, a fim de permitir-lhes viver sua reunião, sua União à Unidade.

Alguns de vocês vivem as premissas e as manifestações como uma capacidade nova da Consciência para «ser». Ser, tanto no corpo novo, corpo de Existência como disso apreender o alcance, ser não mais localizado no tempo e no espaço unicamente a esse corpo de 3ª Dimensão, a essa personalidade, mas, bem mais, agora e já, viver a Fusão, dissolução na Unidade, na Luz Una.

Como o disse o Irmão K, vocês começam a desembocar no Ilimitado e na Autonomia.

Os processos Vibratórios da Consciência vão tornar-se cada vez mais marcados, extraindo-os da ilusão desse corpo e da ilusão de sua personalidade. Isso avança agora a grandes passos e manifesta-se em vocês.

A cada sopro em que vocês se aproximam dele, ele se aproxima de vocês, e vocês vivem então o Samadhi.

Vocês se aproximam a grandes passos de sua Fusão Final.
É, talvez, contudo, necessário entre nós, para vocês aqui presentes como para outros que vivem esses processos, não analisar, mas apreender, por simples palavras, para além de seu significado primeiro, mas pela própria Vibração de nossas interações, o que é essa dissolução, essa Fusão na Unidade.

Então, eu estou com vocês para isso, exclusivamente para isso.
Não é mais tempo, portanto, de falar de tudo o que se relaciona à personalidade, mas, bem mais, ao estabelecimento de sua Existência, de sua comunhão, de sua União e de sua Fusão. Assim, Irmãos e Irmãs, comunguemos juntos e escutemos o que vocês têm a me perguntar.

Espaços de silêncio, o tempo de germinar as questões na Consciência, são propícios para essa germinação.

Deixem aflorar em vocês o que sobe e Vibra.
Lembrem-se, o Arcanjo Miguel efetivamente lhes disse que não há mais distância entre vocês e nós, que não há mais distância em vocês, entre personalidade e Existência.

É para isso que nós comungamos, juntos.
A Terra vive sua liberação, como vocês vivem a sua.
Tornar-se ilimitado, tornar-se autônomo, não mais estar fixado num espaço e num lugar, não mais ser limitado, perceber e viver, em consciência, essa ilimitação.

É isso, muito precisa e exatamente, o que vocês vivem.
Em vocês e por nossa comunhão.


Questão: O que eu sinto e que posso descrever, ao nível Vibratório, eu o vivo realmente?

Irmã, você falou com muito «Eu».
Assim, portanto, a experiência da Luz a coloca de imediato no tempo como observadora e não na identificação nem na dissolução.

Há, portanto, um mecanismo, através do que você descreveu, de exteriorização e não de interiorização. Assim, portanto, obviamente, isso não é nem uma ilusão, mas o modo de viver a coloca ainda como observadora exterior da Vibração.

Não há Fusão, nem dissolução, mas há exteriorização.
Aquilo de que falo, ao nível da Consciência, e para o que vocês são chamados, está bem além da percepção da Vibração, é a identificação à Vibração e não observação da Vibração. Apreenda, efetivamente, no mais profundo de seu ser, o significado e a Vibração do que acabo de dizer.

Há uma tendência, através do que foi exprimido e Vibrado, a exteriorizar-se da própria Vibração para poder descrever e apropriar-se de algo que não é você.

«Ser» a Vibração é uma etapa agora profundamente diferente, onde não pode mais haver noção de individuação do «Eu» e, portanto, da personalidade.

É preciso, portanto, ir bem além disso para poder viver a quintessência, tornar-se você mesma a Vibração, não ser mais o «Eu», não ser mais o observador, nem o observado, mas tornar-se o conjunto. É já, entretanto, uma primeira etapa, correspondente a níveis Vibratórios jamais obtidos, tanto sobre esta Terra como em vocês, pela Fusão das Estrelas e da Luz Azul, pela chegada, como o disse o Arcanjo Miguel, da Luz Branca cujos Círculos de Fogo são apenas os condensadores do Arcanjo Metatron.

Há, portanto, que passar para além da distância entre a Vibração, a Luz e você, a fim de tornar-se a Luz e a Vibração.

Penetrando o espaço da Luz e da Vibração não há mais o «Eu», não há mais separação. Não pode haver a mínima questão sobre a realidade ou a ilusão do que é vivido.

Há uma etapa prévia, aquela que você viveu; há uma etapa que sucede, que não passa mais pela distância, mas verdadeiramente pela Fusão total. Então, obviamente, já nessa observação você constata, por si mesma, os efeitos sobre o corpo físico, da Luz que é bem real.


Questão: Vivo com dois corpos, esse corpo físico e o corpo de Existência no Interior. Tive o impulso de fazer, como para o corpo físico, uma ginástica do campo de consciência Vibratório que sinto no interior de mim. Como fazer?

Há sobreposição entre corpo físico e corpo de Existência.
É preciso passar agora à Fusão, não unicamente do corpo físico e do corpo de Existência.

O corpo de Existência, qualquer que seja sua Dimensão, assinala sua posição dimensional, mas vocês não estão limitados a essa posição dimensional.

Há, portanto, que habitar o corpo de Existência, isso se realiza.
Há também que não mais ser fixo, porque isso é impossível mesmo nesse corpo de Existência, qualquer que seja sua forma e sua Dimensão.

Há que ir para além dessa ginástica agora, ou seja, viver o Samadhi.
Esse Samadhi não está localizado nem no corpo físico, nem no corpo de Existência, mesmo se é vivido no Templo do corpo físico.

Vocês são, portanto, engajados a deixar trabalhar a própria Luz, a fim de conduzi-los à Fonte.

É isso a dissolução.
A única ginástica a dar é, portanto, esse Abandono à Luz, inteiramente.

A Luz está aí, vocês a sentem, ela Vibra.
Tornem-se essa Vibração, tornem-se a Essência dessa Vibração que está além de qualquer forma, de qualquer espaço e de qualquer tempo. É para isso que vocês são chamados para finalizar o que vocês são.

A Liberdade é total.
Concebam isso, aceitem-no e vivam-no.
Eu não posso dizer melhor, com relação à sua própria consciência.

A desidentificação não é a morte, a desidentificação é reencontrar a Liberdade, reencontrar essa Autonomia e esse Ilimitado de que lhes foi falado há pouco tempo, bem além dos conceitos.

Naquele momento, o corpo não desaparece, enquanto esta Dimensão não tiver desaparecido. Mas vocês viverão a transcendência e a beleza de um corpo carbonado liberado de todo sofrimento e de todo ataque. É para isso que vocês são chamados como Sementes de Estrelas, Imperadores da Luz, é a vocês que cabe manifestar isso, e é exatamente isso que vocês começam a viver.

Vão além, não há mais qualquer limite, vocês não são o «Eu», vocês não são o Si, vocês são o Um, vocês são a Fonte, inteiramente. Vocês são o Arcanjo Miguel, vocês são eu, vocês são o Cristo.

Isso não é um jogo, é a Verdade.
Isso se tornou possível desde ontem.

Vocês o aceitarão?
O que lhes é oferecido, o que vocês se oferecem, o que a Terra lhes oferece, o que o Céu lhes oferece e o que seu Coração acolhe é chamado, na tradição de onde eu venho, o Maha Samadhi.


Questão: Vivi uma experiência que provocou uma percepção de dissolução, sem vestígio do Eu, e isso gerou medo.

Quem teve medo, se não é o Eu?
Quem teve medo, se não é aquele que se fecha nele mesmo?
Quem teve medo?

Aquele que não aceita inteiramente o que ele é.
Você deve agora passar da própria distância a mais ínfima à coincidência a mais total, para o que você é.

Você é isso, o Um, a Fonte.
O conjunto do caminho que você efetuou conduz a isso, nada mais que isso.

Como exprimir diferentemente essa noção de medo?
Há amor, há dissolução, há Fogo, há Felicidade.

E quem é que tem medo?
Qual é a parte de você que tem medo?
É a parte limitada que tem medo do Ilimitado.

Há ainda sobreposição, não há ainda Abandono.
É o que há a viver agora, o Abandono total ao que você é.

Você não pode manter uma ilusão de forma, uma ilusão de personalidade e penetrar a Verdade. Se você aceita penetrar a Verdade, a impressão de dissolução, bem real, não será seguida por uma dissolução pelo momento, nem na experiência que você vive.

Você se torna a experiência, você não é mais o observador, como eu dizia, você se torna a Luz.

No momento vindo, em que a instalação da Luz será total, naquele momento, não haverá mais qualquer distância possível, porque você é isso.

O que eu digo hoje, após ter terminado com o Yoga, é acessível, além das palavras, justamente por sua comunhão e nossa Fusão. Porque o que eu digo não é exterior a vocês, o que eu digo não é Um Amigo que diz, mas é a Luz que vocês são.

Apreendam, além das palavras, que não há mais distância real entre minha Consciência e sua Consciência, que formam apenas uma Consciência.

Assim, dizer e afirmar - tudo é UM - não é um conceito, mas a estrita Verdade da Luz.


Questão: Como explicar que se sente, apesar de tudo, vestígios de personalidade na maneira pela qual os diferentes intervenientes se exprimem?

O que você chama personalidade não é personalidade.
Nós somos ilimitados, você é?

Nós manifestamos, no interior desse corpo, essa Consciência, mas nós não somos limitados, nem por nossa forma, nem pelo espaço, nem pelo tempo. Nós mantivemos, nesse mundo, uma estrutura chamada o Círculo dos Anciãos, permitindo intervir desse modo.

Entenda bem e apreenda o que eu digo: eu posso estar limitado, mas no instante seguinte, eu sou ilimitado, porque não há tempo e eu não estou fechado.

A coloração, a polaridade, existe em todas as Dimensões.
Mas nas Dimensões Unificadas, eu posso ser Um Amigo e eu posso também ser a Fonte.

Não há identificação, há Ilimitado e Autonomia.
O que lhe dá medo é o ilimitado, você não aceita morrer para si mesma, você tem, portanto, medo de tornar-se ilimitada.

Tudo o que vocês vivem pode traduzir-se agora apenas nessa equação e unicamente nisso. Todo o resto serão apenas jogos efetuados pelo ego e pela própria personalidade, encontrando sempre uma justificação, assim como você acaba de fazer, mas isso é apenas uma justificação.

Nossa comunhão a chama para sair da con-fusão, ou seja, uma Fusão «com», para entrar na Fusão, onde você se torna você mesma a Fusão e onde não há mais necessidade do «com», o que quer que seja.


Questão: Como se pode permanecer na Unidade ao mesmo tempo comunicando-se com o outro?

Isso lhe parece impossível porque você não o vive.
A Unidade, eu repito, a Fusão na Fonte Una torna possível manifestar um Samadhi de ordem inferior, no plano Vibratório, ao Maha Samadhi, ao mesmo tempo estando num corpo de carne.

É o que realizaram os Anciãos que lhes falam, é o que realizaram as Estrelas.

Então, por quê, no que vocês vivem hoje, isso não seria possível?
Como lhes foi dito pelas Estrelas e por numerosos outros intervenientes, isso é grandemente facilitado.


Questão: Mais precisamente, como exteriorizar os momentos de Unidade?

Não há a exteriorizar o que quer que seja.
Se você está na Unidade no Ilimitado, mesmo presente nessa forma, é a Consciência que é ilimitada.

Ela não é mais localizada nesse corpo, ela é ao mesmo tempo esse corpo, mas ela é ao mesmo tempo todo o resto
.
É um processo da Consciência, diretamente.
É o que é chamado Sat Chit Ananda.

É indefinidamente o ego que coloca essa questão, porque ele não pode conceber, e é lógico, o Ilimitado.

Os mecanismos atuais de Fusão de suas próprias Lareiras, de ignição das três Cruzes, permite essa alquimia final e permite-lhes transcender a personalidade, passar do limitado ao Ilimitado.

A ilimitação não impede o que quer que seja ao nível da relação, simplesmente isso se torna uma comunhão e uma Fusão e não mais uma comunicação que passa pelos sinais habituais da consciência limitada.


Questão: O fato de falar, quando se sente num estado de Unidade, atrapalha o processo de Unidade?

Minha irmã, eu falo com você.
Tudo depende de quem fala em você.
Porque você pode falar de diferentes modos, como eu disse, você pode falar com seu mental e palavras que se articulam num sentido e num significado em sua cabeça. E você pode utilizar as palavras exprimindo-se pelo Verbo e pelo Coração.

A diferença é, é claro, Vibratória.
A mesma palavra, vinda da palavra e do mental, não tem de modo algum a mesma potência, nem a mesma radiação do que a palavra vinda do Verbo.

Exteriormente pode ser a mesma palavra e, no entanto...
A palavra do pensamento do mental dirige-se ao mental.
A palavra do Verbo dirige-se ao Coração.

Foi-lhes dito que existia uma passagem e uma relação entre a Abertura da boca e o Coração, aí está onde é a diferença.


Questão: desde o trabalho nas Cruzes Mutáveis eu sinto como que um canal de cristal em mim. É uma etapa para a Existência ou uma forma de resistência (ndr: descrito na rubrica «protocolos / Yoga Integrativo» de nosso site)?

O canal do Éter é chamado canal de cristal, tubo de cristal ou Fonte de cristal. Como é que poderia haver resistência quando ele se estabelece?

Tornando-se esse tubo de Luz ou esse tubo de cristal, você desvenda em você sua Presença Metatron.

Quando uns e outros, Arcanjos, Estrelas ou Anciãos, dizem que nós estamos em vocês, essa não é uma visão do espírito, é uma visão do Coração e uma Verdade inegável da Existência e da Unidade.

Como é que o Ilimitado não englobaria o conjunto dos Ilimitados?
É para isso que vocês são chamados e é isso que ressoa em vocês, por meio das Vibrações das Coroas, dos tubos e dos canais de Luz.


Questão: Como testemunhar com as palavras se tem-se essa dificuldade de estar no Ilimitado?


Há uma diferença entre os testemunhos da palavra vinda daquele que observa e o testemunho da palavra daquele que não observa mais e que se torna o processo. Num caso há a palavra da cabeça, no outro caso, há a palavra do Coração.

A Vibração, portada e suportada, não é absolutamente a mesma.

Num caso, há limitação, porque o processo, justamente, é vivido como exterior, mesmo se isso aconteça, é claro, no interior do corpo.

No outro caso, o processo tornou-se ele mesmo o que se é.


Questão: Desde que me imergi na fonte, tenho todas as estrelas que pulsam e muita dor na parte de trás do crânio. É possível tornar isso menos doloroso?

Tornar-se a si mesmo a Vibração.
Nós nos juntamos, através do conjunto de suas questões, a essa última etapa que lhes resta.

A Vibração é um meio, num primeiro tempo, pela Luz Vibral, de compreender o que é a Vibração e a Luz. Pouco a pouco, as Coroas Radiantes permitem-lhes viver momentos de ilimitação.

Esses momentos devem transformar-se em estado permanente.
É exatamente isso que você vive.

Então, como fazer para que isso seja menos doloroso?
Torne-se sua própria Vibração, fusione com a Estrela que se manifesta, com o trajeto que se manifesta, torne-se isso, inteiramente, e então você sairá, inteiramente, de sua limitação.


Questão: Como fazer para fusionar?

Eu acabo de dizer, abandone-se inteiramente, torne-se a Vibração.

Quem busca apreender é o mental.
Aceite minhas palavras com o Coração, torne-se você mesmo essa Vibração, então você se tornará ilimitado.

É para isso que vocês são chamados, uns e outros.
O conjunto dos Yogas que lhes foi comunicado (ndr: na rubrica «protocolo» de nosso site) é um meio privilegiado de chegar, como vocês constatam, a essa última etapa.

Resta, é claro, o medo.
Qual é esse medo, como isso foi exprimido?

É o medo do Ilimitado.
Tornar-se ilimitado é tornar-se a Vibração, é tornar-se Metatron, é tornar-se a Fonte, é tornar-se eu, como eu sou você, como lhes dizia o Cristo.

O processo final que os conduz ao Ilimitado é a desidentificação, inteiramente, da Consciência, ao que quer que seja esse corpo.

É tornar-se outra coisa que o corpo.
Essa outra coisa é, obviamente, as Vibrações, por vezes fortes, por vezes como um fogo, por vezes dolorosas, mas é preciso tornar-se isso.

É preciso penetrar essa outra Vibração incomum, nova, para descobrir em consciência o Ilimitado. É efetivamente, portanto, uma desidentificação que permite a dissolução.

Quando nosso Comandante diz: «é agora», é agora.
Mas esse agora não está inscrito em outro lugar, pelo momento, apenas em sua Consciência.

É nesse sentido que nós dissemos para ir para seu ser Interior, para ir ao seu Coração, abrir a boca, constituir esse canal do Éter e tornar-se isso.

Resta-lhes, efetivamente, ao mesmo tempo conservando esse corpo até que a Terra tenha decidido diferentemente, tornar-se ilimitado.

Esse processo é, portanto, uma desidentificação, depois uma identificação à Vibração e, enfim, uma Fusão.

Único modo, como foi dito, de sair da con-fusão.
Vocês têm em vocês, vocês, os pioneiros, pela ativação de suas Coroas, uma delas ou a totalidade das três Lareiras, a capacidade total para realizá-lo agora.

Apenas a Crença no inverso, o medo desse Ilimitado é que pode ainda pará-los. Mas vocês não estão jamais parados, aí também é uma ilusão.


Questão: Posso oferecer-lhe esse medo do Ilimitado?

Eu estou já em você, então, ofereça-o a si mesmo, uma vez que eu estou em você.

O que foi iniciado pelo Arcanjo Miguel e pelo conjunto da Confederação Intergaláctica dos Mundos Livres, qualquer que seja sua Dimensão, é isso.

Eu os remeto ao que foi enunciado pelo Irmão K, preparando-os para esse momento.


Questão: A pulsação é tão forte ao nível da cabeça que eu não posso mais centrar-me no Coração.

Não é preciso mais centrar-se no Coração ou no que quer que seja mais.

Parece-me que o Arcanjo Miguel anunciou isso e enunciou ontem.

É preciso «Ser».
O conjunto de processos de focalização de sua Atenção, de sua Intenção, que vocês efetuaram até o presente, até ontem, o conjunto dos Yogas fez de vocês Sementes de Estrelas.

Hoje, vocês estão além disso.
A porta é o Coração, mas se uma das Coroas, e, em particular, as Cruzes foram ativadas, você não é mais o Coração.

O Coração é a chave e a porta.
Tudo está no Coração, nós estamos de acordo.
Então, portanto, há que tornar-se o Coração, Fonte Una, Sol, e não dizer que a Vibração o desestabiliza.

Ela não o pode.
Inúmeras Irmãs e também talvez Anciãos evocaram um número de noções importantes sobre o sofrimento e, ainda, o sofrimento de que eles falavam não é o sofrimento que você vive, mas participa do mesmo processo.

Tornar-se o sofrimento é não mais ser o sofrimento, é passar do limitado ao Ilimitado. O nó, ou o ponto do sofrimento está aí, como você diz, onde se coloca a Consciência.

E a transcendência da Consciência, ou a passagem do limitado ao Ilimitado é, para você, o lugar onde é preciso passar.

É claro, como lhes foi dito, não é questão de buscar qualquer sofrimento, do que quer que seja, porque o sofrimento é uma limitação. Mas compreenda bem que isso não é uma resistência, que é, para você, o meio, justamente, de passar à ilimitação.

Enquanto você procura saber como fazer para não mais sofrer, você distancia a percepção, qualquer que seja o sofrimento ou outra coisa de você mesmo.


Questão: A quê corresponde a Vibração muito suave que sinto ouvindo-o?

A mim em você, e você em mim.
Torne-se no instante, mergulhe-se, se prefere, torne-se isso.


Questão: Quando parti na Existência, vivi um sentimento de dissolução, mas não sinto corpo de Existência. A quê isso corresponde?

Isso corresponde ao que acabamos de falar durante tão longo tempo: à dissolução.

O corpo de Existência é uma estrutura.
Essa estrutura não é nem fixa, nem limitada.
Ela pode ir de grãos de areia ao conjunto dos universos.


Questão: O medo sentido quando de minha experiência de dissolução vinha de que eu jamais havia sentido tal Amor?

Sim.
O ser humano, os Irmãos e as Irmãs que ainda não ascenderam a esse Ilimitado tiveram frequentemente neles concepções do amor ligadas aos apegos, ligadas às vivências.

Eu mesmo, quando de minha encarnação, vivi essa angústia da dissolução. Eu procurei penetrar essa angústia, apreender o que justamente podia causar aquilo.

Foi naquele momento que eu vivi o ilimitado.
É o mesmo para todo ser humano.

Essa passagem, porque é uma, é feita sempre com uma dose de apreensão, de angústia ou de sentimento de morte iminente.

Assim é a passagem do limitado ao Ilimitado.
É, de algum modo, uma etapa indispensável, que traduz, aliás, a iminência dessa passagem.


Questão: A comunhão vivida com você, pode ser vivida entre duas pessoas encarnadas?

Inteiramente, assim que vocês passam no Ilimitado.
Não há mais limites.

Nós o exprimimos de diferentes modos, uns e outros, desde já a realização dos Casamentos Celestes. Mas a ausência de limites, entre nós, traduzia-se ainda pelas resistências, traduzia-se ainda por uma não perfuração das camadas isolantes, de seus próprios envelopes sutis que os isolavam.

Lembrem-se, em sua Dimensão, quando nós vemos um ovo astral, é uma estrutura fechada irradiando no interior dela mesma, mas fechada.

Hoje, vocês não estão mais fechados.
É essa Consciência que chega agora e que explica que, na transparência da Unidade, tudo é comunicação, radiação e Unidade, tudo é Vibração totalmente ilimitada, não limitada pela palavra, a palavra podendo servir de apoio a esse Ilimitado.


Questão: Como superar esse medo da dissolução?

Minha Irmã, isso se produzirá inevitavelmente.
Você não deve ter qualquer preocupação com isso.


Questão: Quando há basculamento no medo da aniquilação, a passagem na Existência não pode ser feita. Eu não compreendi como essa consciência pode instalar-se permanentemente.

Minha Irmã, não é algo que você possa compreender.
Simplesmente viver, você apreende a diferença entre compreender e viver?

Viver é dar e doar-se.
Compreender é tomar.
Se você aceita a Vibração dessas palavras, então nada mais há a perguntar em relação a isso.


Questão: Viver o Ilimitado é estar na Existência?

A Existência permite viver o Ilimitado.
Esse Ilimitado é mutável, porque, de Dimensão em Dimensão, você muda de forma, de dimensão, de Vibração, de cor, de aparência, uma vez que não há mais limites.

Mas os limites dimensionais são bem reais.
Mas a passagem de uma Dimensão Unificada para outra Dimensão Unificada é feita instantaneamente, sem qualquer sofrimento, sem qualquer medo, uma vez que você é, de maneira eterna, religada a todas as outras facetas de si mesmo em todas as Dimensões.

A identificação se faz ao Tudo e ao Nada, ao Um, à Fonte como ao Corpo de Existência.

O Ilimitado é, portanto, uma variante do corpo de Existência.


Questão: Durante o período de transição, nós poderemos viver o Ilimitado nesse corpo e fora dele pela saída na Existência, voltando nesse corpo depois?

Tudo é possível no Ilimitado.
É você que decide, é você que escolhe, é você que vive.


Questão: O desejo do ego, que pode sobrepor-se ao impulso da alma de viver isso, pode ser um freio para a realização de tudo isso?

Minha Irmã, o impulso da alma traduz-se pela morte do ego.
Portanto, como o desejo do ego poderia interferir nisso?

A partir do momento que os processos Vibratórios sejam instalados, não pode ser de outro modo.

O ego vai se opor em outros momentos, mas não no processo em si.


Não temos mais perguntas, agradecemos.

Então, juntos, reunidos e Unidos, no Um e no Ilimitado, eu lhes digo até já, em vocês, e até uma outra vez.

___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se as divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e informando sua fonte: http://www.autresdimensions.com/
Versão do francês para o português: Célia G.
Revisão: beto junior

Nenhum comentário:

Postar um comentário