sábado, 5 de março de 2011

MA ANANDA MOYÎ - 5 de março

05 de março de 2011

Mensagem publicada em 08 de março, pelo site
AUTRES DIMENSIONS


Eu sou Mâ Ananda Moyî.
Irmãos e Irmãs, minha gratidão por seu acolhimento neste espaço.

Como o Comandante lhes disse, seremos, nesses dias, numerosas a intervir entre vocês. Cada uma de nós, em ressonância direta com a Vibração que portamos, no que chamamos, com vocês, as Estrelas de Maria.

Minha Vibração, hoje como antes, é aquela do ponto AL.
Eu venho a vocês a fim de exprimir, mas também interagir, com vocês, num segundo tempo.

Eu venho falar-lhes de algo ao mesmo tempo extremamente simples e, no entanto tão difícil para obter e manifestar.

Venho falar-lhes do Amor.
Então, é claro, é evidente, hoje, nos tempos que vocês vivem já desde numerosos anos, que o aspecto Consciência e Vibração permanecem essenciais.

É bom, também, re-situá-los em suas vidas.
Quais são as condições, mesmo de sua personalidade, de sua vida como entidade separada, que podem levá-los a aplicar, ainda e sempre mais, as virtudes do Amor?

Para muitos de vocês, sobre esta Terra, o chamado da Luz ocorreu.
Este chamado traduziu-se, para o conjunto da humanidade, por uma necessidade ou não de responder a este chamado.

Este chamado (que foi consciente, Vibratoriamente, ou inconsciente) traduz-se pela recepção da Luz desde já quase uma geração.

Ao nível de sua cabeça, a descida da Luz é uma realidade para muitos de vocês, aqui e em outros lugares. E mesmo para aqueles que não têm verdadeiramente consciência ainda, hoje, isso também é uma realidade. As Vibrações Arcangélicas frequentemente exprimiram-lhes esta noção de Abandono à Luz.

Eu gostaria também de exprimir-me diretamente, mesmo à sua personalidade, a fim de exprimir a ela o que pode representar o Amor, para além da Vibração do Fogo do Coração que vocês são chamados a viver, se aceitam o Amor e o Abandono à Luz, é bom também aplicarem certo número de regras de funcionamento, nas suas vidas, aqui, sobre esta Terra, antes de viverem a Ascensão da Terra.

Esses comportamentos que, se vocês adotam, permitirão aproximarem-se, de maneira simples e evidente, deste Abandono à Luz.

É claro, não me exprimirei para aqueles que já realizaram a ativação do Fogo do Coração e da Coroa Radiante do Coração, mas, sobretudo para aqueles que estão na espera desta Vibração e desta Consciência. E, para isso, eu não poderia melhor exprimir o que eu mesma vivi quando estava entre vocês, há algum tempo.

Para isso, é necessário integrar certo número de elementos.
O discurso que vou empregar utilizará palavras simples em relação ao que é o Amor. Essas palavras simples foram pronunciadas pelo Cristo e por bem outras Consciências que realizaram este Amor.

Para isso, vamos encarar conceitos extremamente simples.
O sofrimento do ser humano vem da separação.

Não me estenderei sobre a origem desta separação.
Isso foi longamente exprimido por diferentes canais, por diferentes vozes.

Vou tentar, agora, dar-lhes os elementos que experimentei eu mesma, em minha vida, que lhes permitem ir para além do sofrimento. Para além do sofrimento, quer dizer para além da ação e reação existente permanentemente nas suas vidas.

O sofrimento vem, portanto, da separação.
Ele é procedente da não vivência de que Tudo é Um.

Então, que quer dizer: «Tudo é Um»?
Isso significa, simplesmente, que há dois modos de manifestar-se neste mundo.

Um modo comum e habitual onde vocês não podem viver, nem mesmo compreender, o que quer dizer: «Tudo é Um».

É um estado em que vocês vão, com Consciência ou sem Consciência, permanentemente, julgar e avaliar tudo o que acontece em sua vida, de acordo com um critério e um único, que é aquele da distância que existe entre o que vocês vivem, seu sentir, e o sentir do resto do Universo.

De fato, a Consciência comum é efetivamente separada, separada da Fonte, mas também das outras Consciências, quaisquer que sejam.

O ser humano vive em sua Consciência.
Esta Consciência está fechada.

A Consciência da árvore, a Consciência da formiga, a Consciência do Sol, não é a Consciência do Homem.

E todo o sofrimento vem daí.
Todo o sofrimento vem de uma identificação a algo que não existe e que, no entanto, é o próprio apoio de seu Despertar e de sua elevação, ou seja, a identidade, o nome que vocês portam ou o prenome que portam, o conjunto das faculdades que o ser humano manifesta e que o fazem tomar consciência do que ele é.

Além mesmo do sentir, além mesmo das percepções, existem estados da Consciência em que, efetivamente, tudo é Um. Tudo é Um para além da simples denominação, mas efetivamente na realidade vivida da Consciência.

«Tudo é Um» pode viver-se apenas a partir do momento em que o Amor torna-se a coisa essencial em sua vida.

O Amor não é uma apropriação, o Amor é uma doação: a doação de Si. Compreender que nada há de menor que a Consciência de sua própria personalidade, porque é tornando-se pequeno, e o menor, que, naquele momento, a grandeza do Amor pode revelar-se.

Vocês não podem, de fato, revelar e desvendar o Amor e a Vibração do Amor enquanto vocês forem algo. Porque, enquanto vocês forem algo, vocês estão separados das outras coisas.

É necessário, portanto, ir para além da coisa que vocês são, para além da coisa à qual vocês estão identificados, para além de seu próprio corpo, além de sua própria Consciência.

Assim, isso passa por uma conduta.
Isso passa por ações e um comportamento diferente daquele que é efetuado habitualmente na vida.

O ser humano é separado, portanto, ele sofre.
É a própria separação que é a causa do sofrimento e, portanto, da distância e que implica nesta noção mesmo de proteção. Porque quando a Consciência é voltada sobre o ego ou a identificação a algo de separado, há efetivamente necessidade de separar ainda mais para encontrar, de algum modo, uma forma de segurança, no interior deste isolamento.

A diligência do Amor é bem outra, porque o Amor é doação de si, o Amor é abertura. O Amor faz parte, eu diria, desta polaridade feminina da qual o Comandante disse que, doravante, desde a passagem da boca e a Abertura da boca, vocês teriam cada vez mais que manifestar em suas vidas.

O Amor de nada se apropria.
O Amor é efetivamente fazer-se muito pequeno.
No Amor, não há reivindicação de espécie alguma.

Não é, contudo, um estado de facilidade ou placidez.
É um estado de Consciência onde vocês se re-situam no universo.
Mas não mais na separação do grão de areia em relação aos outros grãos de areia, mas mais como uma não adesão ao princípio de separação e de sofrimento.

Há, de algum modo, portanto, uma atitude no Amor de não mais se identificar a quaisquer sofrimentos que sejam e, sobretudo aqueles que concernem aos seus.

A vida na Dualidade, feita de ações e reações, é uma sucessão, por vezes feliz, por vezes infeliz, de sofrimentos e de prazeres.

Mas nem o sofrimento nem o prazer são o Amor.
O Amor é, de algum modo, um esquecimento de si.

É, como dizia em seu Ocidente o Cristo, é: «oferecer a outra face».
É um estado de abertura total.

Então, é claro, dir-me-ão vocês, como oferecer a outra face quando se tomou um golpe?

Eu responderia que vocês tomam o problema ao inverso.
Comecem primeiro a manifestar o Amor e vocês verão efetivamente que, naquele momento, nenhum golpe pode chegar.

Durante a minha vida, manifestei esse princípio de Amor.
Vocês crêem que uma Consciência que se acreditava, naquele momento, separada de mim, tenha podido vir enfrentar-me, golpear-me ou fazer-me sofrer?

Não.
Isso foi impossível, porque a emanação de minha Presença a mim mesma, na humildade, sobrevivendo, em realidade, como a menor, põe em marcha a majestade do Amor, o princípio da Graça, o princípio da Unidade. E assim a vida desenrola-se, inteiramente, de acordo com a Lei de Graça.

Nada de oposto à Unidade pode então manifestar-se.
A dificuldade, hoje, é que a maior parte dos seres humanos, no Ocidente assim como Oriente, como em outros lugares, vivem permanentemente esta noção de ação/reação.

Esse mundo que termina vai entrar em fases de ação e de reação cada vez mais intensas, cada vez mais difíceis.

Será, contudo, que vocês são isso?
Será, contudo, que vocês devem, vocês também, entrar em ação ou reação?

Não.
Tornem-se menores.
Tornem-se humildes.
Inúmeros de nós exprimiram-se sobre a humildade.
Não retornarei nisso, mas a humildade, ou seja, considerar-se como ao mesmo tempo o grão de areia, permite-lhes ao mesmo tempo ser o Tudo.

Mas enquanto vocês reivindicarem uma posição intermediária, vocês estarão separados do Tudo e separados do grão de areia.

Vocês não serão então nem o Tudo, nem o grão de areia, mas simplesmente estarão no ego e na personalidade.

Estar no Amor, é oferecer a outra face.
É manifestar a doação em tudo o que faz sua vida.
É mudar de olhar, mesmo sobre seus próprios sofrimentos, mesmo sobre as próprias afrontas vividas em sua vida, por um ambiente que seria contrário à Unidade e o Amor.

Porque, se aquilo se manifesta a vocês, é que há, em vocês, é claro, a ressonância e a falha que corresponde a esta manifestação. Então, obviamente, a personalidade vai responsabilizar o exterior ao invés de procurar, no interior, o que é a causa desta ressonância.

Hoje, manifestar o Amor é não mais procurar, tampouco compreender, mas simplesmente Ser.

Além mesmo da Vibração e da percepção do Fogo do Coração, há um comportamento a adotar. Esse comportamento é adotado assim que há uma vivência real da humildade, da capacidade para se fazer menor que o menor dos grãos de areia, a fim de tornar-se o Tudo, mas sem querer tornar-se o Tudo.

Porque não se pode querer ser o Tudo.
Pode-se simplesmente apenas abandonar-se.

Então, enquanto haja reação, enquanto haja oposição, enquanto haja confrontação, é claro, a ação/reação atuará a pleno.

É claro, haverá necessidade de encontrar um carrasco no exterior.
É claro, haverá necessidade, sempre, de encontrar uma justificação exterior. Mas tudo isso faz apenas manter os jogos da Dualidade, o jogo da personalidade.

Se seu ponto de vista chega a mudar sobre todas as circunstâncias de sua vida, vocês se desidentificarão, progressivamente, de sua própria vida. Isso não é uma despersonalização, mas é uma colocação de distância em relação à Ilusão de que vocês são apenas esta vida e permitir-lhes-á então, pouco a pouco, entrarem sob a influência da Graça, da Unidade, da Verdade e da Beleza, premissas na manifestação do Amor.

Ir para o Amor é aceitar que tudo seja Um.
Que não há inimigos, que não há amigos.
Que há uma Consciência Una.

Que, quaisquer que sejam as circunstâncias de sua vida, elas serão exatas em relação ao seu estado do momento, porque são essas circunstâncias que os conduzirão ou a mantê-las, ou a mudá-las, ou a reagir, mas que, em definitivo, permitirão a vocês sempre irem para onde devem ir.

Isto está para além da confiança, isto está para além da inação.
É a ação exata, aquela que se reforça: «Tudo é Um».

Viver a Unidade é não mais estar de modo algum na Dualidade.
É já manifestar, mesmo na ação exterior (por Essência dual), a memória da Unidade.

É aproximar-se da Vibração do Fogo do Coração.
É aquela em que toda distância é abolida, onde vocês não podem mais considerar que há você e os outros, ou os outros e você. É o momento em que vocês aquiescem ao fato de que tudo seja Um.

Naquele momento, grandes graças podem começar a preencher a sua vida. Todas as zonas de sombra e de sofrimento que foram seu lote, em alguns momentos de sua vida, não podem mais ter tomada, porque ao se tornarem serenos e transparentes, vocês não dão mais tomada a qualquer influência procedente da Dualidade.

Isto é uma aprendizagem, mas uma aprendizagem que, hoje, é bem mais rápida do que anteriormente, porque a Luz está aí, ao alcance da mão, ao alcance do Coração, ao alcance do olho.

Porque a Luz preenche esse mundo.
Então, é claro, compete-lhes, a cada minuto, estarem conscientes desta verdade: «Tudo é Um».

É tornando-se assim adepto e praticando esse «Tudo é Um» que vocês superarão sua própria Dualidade e sua própria faculdade para instalar-se na Dualidade, porque efetivamente há, nesse nível, um desafio.

Os mecanismos de vida nesse mundo são, por Essência duais, por Essência ligados à predação, à ação, à reação.

Mas é algo que se deve transcender e superar.
Vocês são ajudados pela Luz e pela Vibração.
Ainda é necessário que a própria personalidade aceite não se alimentar desta Luz. A personalidade não tem que ser rejeitada ou posta de lado, nem alimentada, tampouco, pela Luz, ela tem apenas que ser olhada pelo que ela é: um veículo que permite manifestar a beleza, se é que esta não se apague diante da majestade da Luz.

Então, «Tudo é Um» necessita a humildade.
Necessita levar um olhar a cada minuto, renovado e novo, para mudar de visão, para mudar de paradigma, para mudar de Vibração, definitivamente.

É acolher tudo o que se manifesta à sua Consciência como fazendo parte de vocês, que aquilo seja a afronta, que aquilo seja o golpe que recebem física ou psicologicamente, como a rosa que vocês acolhem e que lhes é oferecida. Isto deve fazer-se do mesmo modo: sem indiferença, mas sem reação. Sem prazer ou desprazer, mas na Alegria, porque é na aquiescência a esta Verdade que vocês poderão aproximar-se, ao mais próximo possível, do Amor e do «Tudo é Um».

O Arcanjo Miguel chamou-os, em muito numerosas reprises: «Filhos da Lei do Um».

É para isso que vocês são chamados.
Este retorno à Unidade passa por uma purificação.
Este retorno à Unidade passa por uma simplificação.
Esta simplificação se junta, por numerosos lados, à humildade.

Eu não falo, é claro, de falsas aparências, que quereriam definir-se como não sendo nada para ser tudo porque, aí também, haveria uma forma de vontade contrária à simplificação. A simplificação é ligada ao acolhimento e vivida deste acolhimento, em toda transparência, em todo desapego, de algum modo.

Acolher do mesmo modo a flor assim como o punho é a única maneira de elevar-se ao nível do Amor e manifestar a Unidade.

Não há outro.
Então, alguns de vocês, meus Irmãos e minhas Irmãs, são capazes, agora e já, de vibrar na Coroa Radiante do Coração e de estar neste Abandono à Luz tanto e tanto definido.

Mas, para isso, vocês devem ali manter-se, porque a personalidade tem sempre tendência a fazê-los sair deste estado. A vontade de apropriação do que quer que seja, da rosa como do punho, afasta-os desta simplificação.

Vocês não são nem o punho, nem a rosa.
Vocês não são tampouco a reação a esse punho e a essa rosa.
Vocês são ao mesmo tempo bem mais do que isso porque, como dizia seu Cristo, nosso Cristo: «Seu reino não é desse mundo».

Vocês percorrem um mundo, mas este mundo foi, como sabem, transformado, modificado.

Esse mundo é bonito.
Vocês têm necessidade de ali ver, também, a beleza, do mesmo modo que na rosa que recebem ou no punho que recebem. Porque, em definitivo, o punho assim como a rosa tem apenas um objetivo e um único: fazê-los descobrir quem vocês são.

Para além da satisfação ou da raiva, para além da emoção manifestada, há algo mais.


Eu repito, hoje, isso é muito mais fácil, porque a Luz está aí.
Inúmeros protocolos lhes foram comunicados e dados (por esse canal como por tantos outros) para permitir-lhes religarem-se. Não se esqueçam de que, quaisquer que sejam esses protocolos, quaisquer que sejam essas técnicas, o mais importante permanece e permanecerá sempre o Coração.

O Coração é simples.
O Coração é doação.
O Coração é Abandono.

Enquanto vocês não vivem isso, vocês não podem penetrar, inteiramente, a dimensão do Cristo. Fazer a limpeza em si é aceitar ser nada mais além do Tudo e, alem disso, nada, para além do Tudo e para além do nada. Lá onde se encontra o espaço de Eternidade, o que eu chamaria a Vibração da Eternidade, aquela em que vocês saem do espaço-tempo no qual vocês estão fechados e que nós todos estivemos fechados.

É o momento, de algum modo, em que vocês param o tempo.
E parando o tempo, não há mais reação, porque toda ação, mesmo vinda aparentemente do exterior, é re-situada como fazendo parte do «Tudo é Um». Porque, em definitivo, vocês são ao mesmo tempo a rosa e o punho que lhes chegam, vocês são aquele que recebe, vocês são aquele que se opõe, vocês é são o grupo [panel] e o conjunto de todas as reações possíveis ao que acontece, na condição de não se identificarem a um ou ao outro, a uma ou à outra.

Quando vocês saem desta linearidade, a distância é abolida.
Naquele momento, vocês saem em Consciência e em Verdade da Ilusão e penetram, então, o Amor, inteiramente, a fim de experimentarem, para além da Ilusão: «Tudo é Um».

O que acabo de dizer é simplesmente para engajá-los, de algum modo, nos espaços exteriores de suas vidas porque todos, sem exceção, vocês se apercebem que tocar a Unidade, nos espaços de meditação Interior, é cada vez mais fácil, para aqueles que tiveram êxito a ignorar, de algum modo, o seu mental e as suas emoções. Mas, entretanto, assim que a vida comum retoma a dianteira, quando vocês se ocupam de suas diferentes atividades, quaisquer que sejam, frequentemente existem elementos que vêm confrontá-los e opor-se a este estado que vocês haviam vivido alguns minutos anteriormente.

Como lhes disse também o grande Comandante, é uma aprendizagem que vocês vivem.

Vocês devem, hoje, ter êxito a manifestar a memória deste estado Unitário e a Vibração deste estado Unitário, bem para além de seus espaços Interiores, para que a Luz desabroche definitivamente nesse mundo.

Então, aí também, é necessário mudar de olhar.
E, mudando de olhar, as circunstâncias de sua vida mudarão também.

Tudo o que lhes parece pesado e penoso, hoje, não existirá simplesmente mais, porque vocês não estão mais identificados nem a si mesmos, nem ao que é pesado, nem ao que é penoso, porque tudo é Um. E, naquele momento, vocês penetram a Vibração da Unidade, mesmo na vida exterior.

Esses instantes de Graça, vocês aprenderão a localizá-los, nas semanas e nos meses que vêm, porque eles tornar-se-ão, para alguns e depois cada vez mais para muitos, o seu lote diário.

O que era vivido, até o presente, no Interior, nos seus espaços comuns de meditação, de alinhamento (chamem como quiserem), poderá traduzir-se, e é o objetivo, também em sua vida a mais comum, para que o ato mesmo o mais afastado, aparentemente, da Unidade, seja vivido na Consciência do «Tudo é Um». Isso necessita uma boa dose de humildade, uma boa dose de Abandono, de doação de si.

É isso o Amor.
E nada mais.
Nenhum conhecimento esotérico, nenhum conhecimento espiritual ser-lhes-á de qualquer ajuda para levar a efeito isso. Apenas a Consciência pura é que pode levá-lo a efeito: a Consciência liberada de qualquer identificação.

Vocês devem transcender e superar sua própria identidade.
Devem transcender e superar suas próprias projeções, suas próprias crenças.

É o único modo de viver o «Tudo é Um» e de elevarem-se.
O ponto AL foi revertido, a Passagem da boca foi feita.

O período que vocês acabam de viver foi, para muitos, difícil a superar e a transcender. Mas, como lhes disse o Arcanjo Miguel, vocês estão verdadeiramente, chamem isso como quiserem, a última curva, a última linha direita, pouco importa, mas nos últimos tempos de um tempo. O que não é o fim de um mundo, mas o fim da concepção de um mundo e da Vibração de um mundo.

Esta noção de Abandono à Luz é certamente a que lhes permitirá elevar a Coroa Radiante do Coração e permitirá, no momento vindo, acolher a irrupção total da Luz nesta Ilusão.

O caminho que vocês têm a conduzir é aquele que vocês efetuarão para isso, para vocês, mas também, pelo princípio de ressonância, para todos aqueles que o desejarem.

Há, de fato, um efeito cumulativo e multiplicador.
Hoje, inúmeros seres humanos reconhecem-se pela Vibração e não mais pelas palavras, tampouco pelas seduções ou os acessos ao que quer que seja.

Favoreçam em vocês e no exterior de vocês o que é simples.
Vão para a evidência, porque o Amor é simples e evidente.

Tudo o que é complicado os afasta do Amor.
E o que é complicado é o que não é o Amor em vocês.

Nada deve procurar-se no exterior.
É o mesmo para cada um de nós, quando percorremos esta Terra.

«Tudo é Um» é uma Verdade.

Não existe Consciência separada noutro lugar além daqui, noutro lugar além desse plano.

Vocês devem redescobrir e, sobretudo, reviver isso, não como uma ideia, não como uma crença, mas como uma Verdade, primeiramente, da Consciência, e Vibratória, em seguida.

Certas circunstâncias de algumas vidas poderão aparecer mais duras que outras, mas não é nada. Porque, em definitivo, não existe diferença entre a rosa e o punho, nenhuma, se não está na perspectiva e no ponto de vista que os fazem crer que uma é agradável e outro é desagradável. Porque isso pertence, em definitivo, ainda e sempre, ao mundo da Ilusão, ao mundo da Dualidade.

Vocês têm que superar e transcender isso, a fim de elevarem-se sempre mais em Vibração, a fim de juntarem-se ao ponto AL (aquele que se manifesta, atualmente, ao nível de seu nariz e sobre a espinha do nariz).

Hoje, mais que jamais, vocês são chamados a juntar-se e a manifestar a Unidade: «Tudo é Um». É necessário, para isso, uma boa dose de humildade, uma boa dose de Abandono e de doação de si.

Não há outra alternativa.
Noutro lugar, encontra-se unicamente o ego que, ele também, quer alimentar-se da Luz para fazê-la sua.

Vocês são a Luz do mundo, mas não são a Luz do mundo, porque vocês são a Luz para além do mundo.

Então, Irmãos e Irmãs, mudem seu olhar e o mundo mudará.
Mudem sua atitude e tudo se tornará cada vez mais simples, no Amor, da Coroa Radiante do Coração.

Aí estão as algumas palavras que queria Vibrar com vocês e comungar com vocês. Então, se, entre vocês, nesta assembleia, existem, em relação ao que acabo de enunciar, interrogações, questionamentos, vamos tentar juntos responder.


Questão: Os sete patamares Vibratórios são sete etapas para o Amor total?

Cara Irmã, pode-se dizer assim.
Efetivamente, há sete patamares.
Mas não é necessário, sobretudo, imaginar que esses sete patamares devem escalar-se uns após os outros.

Esse era o caso há algumas décadas.
Hoje, os sete patamares podem ser cruzados ao mesmo tempo, de acordo com a sua capacidade para abandonar-se, para dar-se você mesmo à Vida e ao Amor.

Obviamente, geralmente existem, de maneira concomitante à sua mudança de atitude, patamares Vibratórios. Mas hoje (quando digo hoje, é desde pouco tempo, desde alguns meses) há a possibilidade de transcender tudo isso, de um só golpe e de um golpe, de um único, simplesmente pela humildade, pelo Abandono e a doação, pelo Amor.

Vocês devem, para isso, tornar-se, inteiramente, transparentes e tornar-se o menor entre os menores. Porque é extraindo-se da grandeza desse mundo, da grandeza do ego, que vocês penetram a grandeza do Amor. Se vocês se tornam o Amor, vocês são necessariamente os menores, aqui.

E o menor está ao Serviço do Tudo.
Esses sete patamares não devem ser vistos como algo a escalar, mas algo que, hoje, pode instalar-se instantaneamente. Porque aquele que adota o ponto de vista que acabo de dar, a partir do momento em que percebe a Coroa Radiante da cabeça, vai instalar-se muito rapidamente na irradiação da Coroa Radiante do Coração.

É necessário mudar de olhar.
Não há o outro e você.
Não há você e o outro.
Tudo é Um.

«Tudo é Um» é uma realidade da Consciência, uma realidade Vibratória e, antes de tudo, a realidade do Amor.


Questão: Que pode significar receber um choque físico ao nível do ponto IS?

Tudo o que foi vivido, agora como em seu passado, ao nível de um desses pontos ou de uma dessas zonas, ilustra, inteiramente, o princípio de ressonância e de atração, permitindo-lhes, hoje, superar o que foi vivido ao nível desse choque.

Não há tanto que procurar uma explicação, aí também, mas aceitar o que isso significa, para além da compreensão, mas simplesmente que é apenas a ilustração do princípio de atração e de ressonância que, para vocês, foi útil no momento em que isso chegou.

Tudo é Um.
Eu repito, não há diferença entre o punho e a rosa.
O importante é o que há a percorrer ao nível da Consciência e não o meio para ali chegar.


Questão: O bem e o mal são a mesma coisa, no jogo da Dualidade?

Caro Irmão, elevando-se ao nível do Amor, é evidente que o bem e o mal participam da mesma realidade.

Uma realidade que é feita para separar e opor.
O próprio princípio da Dualidade consistiu em separar o bem e o mal, que existem, em definitivo, apenas nesta Dimensão chamada dissociada. Nos espaços multidimensionais reinam a felicidade, a Alegria.

Não há lugar para a discriminação.
Não há lugar, tampouco, para a separação.
Tudo é Um.

Somente a Consciência, a Vibração e «Tudo é Um» é importante.
Não há lugar para o bem, do mesmo modo que não há lugar para o mal.

A Unidade está para além desse bem e desse mal.
O bem e o mal é certamente uma criação que existe unicamente na matriz.

Recordem-se que seu olhar, sobre esse mundo como sobre os outros mundos, é ligado ao próprio princípio desta Ilusão e desta falsificação. Assim, nas outras Dimensões, não existe nascimento, porque não existe morte.

Tudo é Um.
Um ser, qualquer que seja sua origem estelar e Dimensional, percorre livremente o conjunto da Criação.

Não há tempo.
Isso é, certamente, difícil de apreender, mesmo pela sua Consciência. Apenas quando vocês penetram os espaços Unitários é que começam a viver isso, sem, no entanto, extraírem-se, inteiramente, ainda, desta Dualidade.

Uma vez mais eu repito, aí também há uma aprendizagem.
Vocês não passam de uma realidade à outra, instantaneamente.
Vocês não passam da limitação ao ilimitado de um golpe, de um só, mesmo se existam momentos localizáveis, nesta transformação, que se pode eventualmente chamar de patamares (ou switch, de acordo com algumas linguagens). Mas a penetração, total e inteira, nos mundos do «Tudo é Um» os faz descobrir espaços onde não há barreiras e, sobretudo, onde não existe qualquer separação e qualquer confinamento.

Isso é difícil, mesmo, de encarar, para uma Consciência que foi fechada. É por isso que o único modo de sair daí é viver e não pensar ou imaginar.


Questão: A matéria como a conhecemos existe apenas na 3ª Dimensão?

Cara Irmã, a matéria (que se poderia chamar a matriz carbonada) existe sob formas ditas Unificadas, ou seja, não separadas, onde a Consciência é livre. Que quer dizer uma Consciência livre, nos mundos ditos carbonados Unificados?

Isso quer dizer simplesmente que a Consciência está, ao mesmo tempo, no corpo carbonado, mas também no corpo de Eternidade, no mesmo tempo, no mesmo espaço, em todos os tempos e em todos os espaços. Assim, existem mundos de Vibrações muito mais rápidas que as estruturas ditas carbonadas, evoluindo para além desta matéria.

Mas tudo é matéria.
Mesmo a Fonte é matéria.

Dizer que o Espírito não tem matéria é uma visão bem fragmentária da Verdade. Porque temos tanta densidade como vocês, expressa num outro modo e, sobretudo, num outro tempo que não é o seu.

Banhamo-nos na Luz, podemos dizer.
Vocês se banham na Sombra.

E, no entanto, a porta de saída está em vocês.
Isso de que falo não é uma fuga desse mundo, porque é estando nesse mundo que vocês transcenderão esse mundo, não dele fugindo.

É para isso que vocês devem instalar-se, inteiramente, no presente.
É não mais estar sujeito às leis de ação/reação, é não mais estar sujeito aos condicionamentos.

É não mais estar sujeito à reação em relação a uma rosa ou a um punho que chega.

É aceitar a inteligência da Luz.
Isso necessita, efetivamente, uma forma de superação ou, antes, de transcendência da condição do ego separado.

As mudanças Dimensionais, para a Consciência da lagarta, podem ser encaradas como muito difíceis.

As mudanças Dimensionais, nos mundos Unificados, fazem-se instantaneamente, sem mesmo ali aportar o que quer que seja a nível energético ou a nível Consciência.

Porque isso é natural.


Questão: A que se deve estar vigilante, quando se está em casal, para viver este Amor?

É necessário efetivamente aceitar, e compreender, e viver, que não é numa relação de casal, por mais bonita que seja, que se encontra a Unidade.

A Unidade encontra-se em Si e unicamente em Si, para além do Si.
Isso não quer dizer que é necessário romper qualquer relação.

Isso quer dizer simplesmente que, qualquer que seja a relação (seja uma relação de pai com o filho, seja uma relação de casal), toda relação põe uma distância, mesmo a mais harmoniosa, porque nesta Dimensão, você jamais será o outro.

Apenas em Consciência é que você pode tornar-se o outro.
Ainda é necessário que o outro não esteja à sua frente, mas em você.

Quando eu falo disso, falo de Vibração.
O casal, a noção de família, existe apenas nesta Dimensão.
O que é chamado de princípios de filiação, ao nível espiritual, ligado às suas linhagens, estritamente nada têm a ver com noções genéticas, no sentido que vocês entendem, que correspondem a um confinamento.

É necessário liberar-se do conhecido, é necessário liberar-se de toda relação para penetrar a relação com o Um.

A relação com o Um não pode encontrar-se numa relação de Ser a Ser. Ela se encontra apenas se os dois superaram a relação de casal ou de Dualidade. Ora a Unidade pode encontrar-se apenas si-mesmo frente a si-mesmo.

Tornar-se Tudo necessita apenas se tornar o outro.
Existem, para numerosos casais, hoje, fatores de superação que são ligados, aí também, ainda uma vez, à apropriação.

Foi dito, por numerosos poetas, que seus filhos não são seus filhos.
Da mesma maneira, o outro elemento do casal constituído não é você.

Mas você é ele, no entanto, num outro nível.
E, para isso, é necessário superar mesmo a noção de casal.
Quando vocês estão nos espaços multidimensionais, sua Consciência funde com qualquer Consciência. Não há barreiras, não há limites, não há confinamento numa relação, qualquer que seja.

Compreendam efetivamente que qualquer relação, nesta Dimensão, mais cedo ou mais tarde, os fechará.

Senão, os casais seriam eternos, não é?


Não temos mais perguntas, agradecemos.

Irmãos e Irmãs, que a Graça e o Amor estejam em nós, a fim de manifestar o Um.

Dignem-se a acolher minha bênção.

Tudo é Um.



___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e citando sua fonte: http://www.autresdimensions.com/
Versão do francês para o português: Célia G.
Revisão: Beto Schlichting

Nenhum comentário:

Postar um comentário