segunda-feira, 25 de outubro de 2010

SNOW – 25 de outubro

25 de outubro de 2010

Mensagem publicada em 29 de outubro de 2010, pelo site AUTRES DIMENSIONS.


Irmãos e Irmãs, eu os saúdo.
Eu sou Snow.

Eu já tive a oportunidade de me expressar através desse canal.

Eu volto para vocês, hoje, para falar da Vida e da natureza.

Vocês não estão sem ignorar, porque prestigiosos intervenientes o disseram, que as próprias condições de suas vidas vão se transformar.

A Vida, contudo, continua.

Se eu lhes falei desta Terra, não é tanto no próprio Amor que eu tinha por esta Terra, que faz, de fato, apenas traduzir o Amor da Vida, que não é outro, definitivamente, do que a própria Vida, que ela seja aqui ou em outros lugares, nesta Dimensão ou em outras.

Vários Melquisedeques falaram da Alegria, que era o indicador da abertura de algumas funções em vocês.

Quaisquer que sejam as imposições existentes nesse mundo, a Vida sempre foi e sempre será Alegria.

Assim, portanto, passar de um ambiente natural, tal como vocês o conhecem, para um outro ambiente, qualquer que seja, far-se-á tanto mais facilmente se vocês permanecem em sua própria Alegria, ou seja, na Vida.

Pelo momento, é-lhes possível admirar, sobre a Terra, por seus sentidos, a vida do que é chamada a natureza.

Existem inumeráveis naturezas.
De fato, inumeráveis ambientes.

Quaisquer que sejam os mundos que vocês percorram, e mesmo em seus sonhos, qualquer que seja sua vida, quaisquer que sejam os elementos, a transição ou a translação, também chamada de Ascensão, produzir-se-á tanto mais facilmente se vocês se estabelecem no que eu chamaria o Amor da Vida e o Amor da natureza.

Este Amor não é um apego.
Ele é, ao contrário, o que se impregna de tudo o que é vivo, não para fazê-lo seu, mas para ali aportar um olhar de criança, um olhar de maravilhamento.

Eu já lhes disse que não é questão de rejeitar um ambiente para mudar.

Tudo acontece sempre Aqui e Agora.
Apenas estando plenamente imersos, aí onde vocês estão, que vocês passarão com facilidade o que, em definitivo, eu chamaria, quanto a mim, de uma mudança de natureza ou de ambiente.

Mas vocês não podem ir para esse novo ambiente rejeitando o antigo ambiente porque, qualquer que seja a transformação que ele sofrer, tratar-se-á sempre de um ambiente.

O ambiente é tudo o que o cerca, que você toca, que você cruza, que envolve os seus sentidos, a sua Consciência e ao qual vocês terão interesse ou atenção.

A Unidade é também assim.
Não é rejeitar um ambiente em favor de um outro ambiente.

É aceitar a transformação desse referido ambiente vendo, ali, simplesmente, sempre e unicamente, a Vida e a Consciência.

Que o ambiente seja aquele das estrelas, aquele da Luz, em seus desdobramentos os mais coloridos ou ainda nesse mundo, como o que anima os vegetais e a natureza de um modo geral, é a mesma Vida, expressada de diversos modos, que ali se imprime e que ali se exprime.

A natureza é mudança, por Essência.
Isso, vocês o vivem através das estações, através das mudanças, através dos elementos.

Do mesmo modo, essas mudanças devem continuar em outra escala.

Não é, portanto, rejeitando um que vocês facilitarão a emergência do outro, mas, bem mais, estando perfeitamente lúcidos e conscientes da totalidade de seu ambiente, de toda esta natureza e de todo seu entorno, além da natureza.

É, de algum modo, despertando ainda mais suas percepções de Consciência, quaisquer que sejam os sentidos, que vocês poderão, pouco a pouco, integrar e viver essa mudança.

Então, eu sei que, é claro, uma tal mudança de natureza e de ambiente pode apreender a alma e o Espírito, o corpo também, como lhes disse o Bem Amado Sri Aurobindo, Melquisedeque do Ar, em uma espécie de choque ou de medo.

Imagine simplesmente que você fosse uma criança vivendo num deserto e que, pela primeira vez de sua vida, visse a neve cair.

É claro, o medo que se manifesta naquele momento está ligado à noção do desconhecido, à noção do novo.

O que os grandes seres chamaram de Ascensão, ou Translação Dimensional, deve se fazer o mais naturalmente possível e o melhor modo de se preparar é amar, viver o que vocês têm a viver, em cada instante, impregnando-se de tudo o que faz a Vida e a própria Consciência nesse mundo, como vocês sabem agora, pervertido.

Apesar da perversão, os elementos de beleza necessariamente estavam presentes, porque a perversão absoluta impediria qualquer manifestação de Consciência e de Vida.

Então, vocês devem, mais do que nunca, nesses tempos a que muitos chamaram de reduzidos ou descontados, fazer o aprendizado de uma ressonância, de uma comunicação e, assim como foi dito, de uma Aliança nova.

Esta Aliança nova, vocês podem manifestá-la, agora e já, devido mesmo ao fato de que a natureza, ela também, vive de algum modo sua própria transformação, que a natureza, ela também, e todas as Consciências que ali vivem, como vocês, agregam ao redor delas as partículas de Vida novas.

Essas partículas novas de Vida estão presentes em vocês como por toda parte.

Não se atrasem no que é sombrio no humano, ou no que o humano construiu, mas mergulhem-se onde essas partículas de Luz estão presentes.

Aprendam a vivê-las, no instante presente, a senti-las, simplesmente junto a uma folha de grama, como de uma árvore, de um pássaro, de um inseto ou de tudo o que faz a Vida.

O que, nas sociedades ocidentais, muitos seres, por suas ocupações, perderam.

Muitos seres perderam esse sentido da Vida, da Consciência onipresente.

Hoje se torna urgente, para poder, justamente, ajudar esta Terra e se ajudarem a vocês mesmos, a reencontrar esta ressonância.

É claro, não é questão de voltar aos modos arcaicos de comunicação (que tiveram, eles, utilidade ainda até pouco tempo, como em meu povo ou em outros povos), mas, bem mais, abordar a natureza com a alma de uma criança que redescobre, de algum modo, a Vida que palpita e que emana de tudo o que está presente sobre esta Terra.

A Luz não se derrama apenas sobre vocês.
Ela se derrama sobre o conjunto das formas de vida.
Cabe a vocês captar, literalmente, as Vibrações, cabe a vocês captar, também, literalmente, a Alegria.

Não é questão de renegar ou se desviar do que faz, pelo momento ainda, seu habitat, porque é amando um habitat que o habitat se transformará, ele também, mais facilmente.

Nesse nível também vocês têm um papel que não recorre, não mais, aí, à sua vontade, mas a esta noção de abertura e de maravilhamento da criança.

Aprendam a passear nesse mundo, abertos, abertos à percepção, à captação de sua Luz.

Do mesmo modo que, nesses casos, vocês constatarão que, vocês também, nesses passeios, será para vocês como uma meditação em que vocês poderão emanar a Luz.

Não é jamais demasiado tarde para amar e isso as consciências humanas o sabem perfeitamente, porque é frequente no momento em que, por exemplo, um de nossos parentes vai desaparecer que se tem necessidade de lhe clamar nosso Amor, não para retê-lo, mas para lhe testemunhar este Amor.

É exatamente o mesmo processo que está atuando hoje na natureza.

Aprendam a descobrir esta novidade.
Do mesmo modo que, quando um parente vai partir, frequentemente o ser humano sente, além de uma eventual tristeza, sobretudo uma aproximação.

É esta aproximação que lhes é, hoje, solicitada, não somente solicitada, mas, sobretudo facilitada, na condição de que sua Atenção se volte para esta natureza.

É acolhendo-a como ela os acolhe que vocês se facilitarão mutuamente sua transformação.

Os grandes seres falaram de uma nova Aliança.
Nesta nova Aliança, que pode já se perceber, não haverá mais separação, mais distância.

Vocês não estarão mais isolados e confinados num corpo ou numa forma. A comunicação estará aberta a tudo o que Vibra, em vocês como no exterior de vocês.

A nova comunicação, hoje, mesmo nesta natureza, é uma comunicação Vibratória, além dos sentidos, além do olhar, além do tocar, vocês observarão por si mesmos que lhes será cada vez mais fácil entrar em ressonância com as vidas existentes na natureza.

Então, é claro, existirão, não na natureza, mas, sobretudo no ser humano, resistências a esta transformação, que vocês captarão também.

A natureza tornar-se-á então um meio essencial de regenerá-los, de reconectá-los, muito mais facilmente do que antes, porque a natureza integra, muito mais rapidamente do que o homem, a Luz.

A natureza vai se tornar, se isso é possível, ainda mais amorosa e ainda mais natural.

No exemplo que eu tomei ainda há pouco, é como um ser humano que aceita sua partida e que começa então a deixar emanar de si, uma vez que não há mais resistência, o melhor.

Vocês todos, como humanos, nós todos, como humanos, acompanhamos, mais ou menos, seres que nos foram queridos e seres com os quais podia haver, na vida deles, pelas personalidades, conflitos, oposições.

E vocês observaram como, nos momentos finais, essas oposições se dissolvem por si, por que há, como dizer..., uma frente comum, com relação a um acontecimento inédito chamado a passagem ou a morte, mas, aí, que é uma nova vida.

E, portanto, não é absolutamente triste.
Vocês constatarão, aliás, cada vez mais facilmente, nos tempos que estão aí agora, com vocês, que muitas coisas mudaram.

Os Arcanjos falaram do que acontece em seus Céus.
Eu, eu lhes falo do que acontece sobre sua Terra.

Como o sabem, a Terra também vive sua transformação.
E a natureza, ela também, e seus habitantes, também, por vezes, com uma lucidez e uma facilidade muito maior do que os seres humanos os mais preparados.

Vocês podem verdadeiramente se nutrir e ressonar com esta natureza em transformação.

Ela os sustentará, ela será para vocês um bálsamo, cada vez mais, frente, justamente, às resistências de outros humanos ou às resistências da sociedade.

Não há necessidade de descobrir grandes espaços se você está deles distante.

Simplesmente encontre um espaço aberto, que lhe servirá de comunhão, de bálsamo e que o reforçará também, na emergência desta nova Aliança com seu ambiente e com você mesmo.

Lembre-se de que a natureza está adiantada com relação a você.

As mudanças, que se manifestaram e que se amplificam doravante, não estão aí para obstruir o ser humano que vai, ele também, para sua transformação.

Mesmo se isso possa parecer difícil a apreender com a cabeça, essas transformações são um acompanhamento real do humano.

Não é uma revolta da natureza, mas, sim, um acompanhamento que vai no sentido da transformação e que não traduz absolutamente uma resistência qualquer.

É claro, haverá sempre seres humanos que permanecerão na confrontação e na oposição, que verão, aí, um sinal de punição ou um sinal de carma.

Deixem-nos pensar o que eles quiserem, porque eles abordam isso com um olhar exterior, com a cabeça, enquanto que, se eles pudessem abordar com o Coração, eles se comunicariam e comungariam com esta natureza e perceberiam a transformação e não uma violência qualquer.

Assim é o paradoxo, porque a natureza se faz cada vez mais suave, em sua violência.

O que dela emana, e o que emanará cada vez mais, quanto mais ela se revelar e se despertar, será sua Luz e sua suavidade.

A exuberância aparente será, de fato, apenas uma irradiação maior de Luz e de Amor Vibral, que todos e cada um podem captar, na condição de não crer, mas de fazer a experiência, de vivê-la.

A natureza será cada vez mais sua grande ajuda, porque ela os alimentará, em Verdade.

Ela os alimentará das partículas de Luz que ela já integrou e conscientizou.

Os vegetais, em particular as árvores, mas também seus habitantes que compreenderam que, eles também, de maneira visceral e não mais intelectual que eles vivem uma transumância sem retorno.

Vários animais, efetivamente os deixaram e os deixarão.

Então, é claro, alguns ali verão dramas, como um envenenamento, como as abelhas que desaparecem ou os cetáceos que desaparecem.

Não, simplesmente eles realizaram a missão e retornam ao mundo deles, por que esse não era o mundo deles, tampouco.

Entre aqueles que permanecem para viver com vocês o que é para viver, a lucidez e a Consciência da natureza serão sempre maiores que a sua, mesmo se o destino não seja o mesmo.

Então, sim, nutram-se da Luz que vem, nutram-se da beleza da vida, da Consciência da própria natureza.

Ela os preencherá, seguramente.
A sabedoria da natureza não é uma vã palavra e na transformação que ela vive, essa sabedoria se tornará cada vez mais luminosa.

Porque, em definitivo, a vida que vocês vivem nesse corpo vem sim desse corpo da Terra.

Mas esse corpo da Terra, através da natureza e da Consciência sabe também que há espaços que não pertencem a esta Terra.

E, portanto, a nova Aliança não se refere unicamente a um tempo futuro, num outro lugar, num outro corpo, numa outra Dimensão, num outro planeta ou sobre uma outra estrela, mas, bem mais, sua capacidade, que vocês terão a partir de hoje, para comungar e para se comunicar.

Miguel, o grande Arcanjo, os nomeou Semeadores de Luz.

O aprendizado desta função, que se faz espontaneamente, é certamente muito mais fácil na natureza do que junto ao seu ambiente.

Então, por que vocês se privariam desta natureza e de seus habitantes?

Porque, eles também sabem que eles vivem uma grande transformação.

E é através desse ponto comum, desta transformação global, que vocês vão poder comungar e dialogar.

Isso os preencherá de Paz, de Alegria, de Serenidade, de maneira muito mais segura, eu diria, do que com os seres humanos que estariam na resistência.

Vocês ali atrairão uma força nova, uma energia nova, que lhes permitirá conduzir o que lhes resta conduzir.

Não se esqueçam da natureza porque, ela também, vive essa grande mudança ao seu lado e, certamente, avançada em relação a vocês.

Nutram-se verdadeiramente dela, não unicamente absorvendo seus frutos, suas produções, mas estando à sua escuta, ali colocando seus pés, suas mãos, sua Consciência.

A natureza é sua maior ajuda nesta transformação terminal.

Vocês podem contar com ela, de maneira inabalável, porque ela não está sujeita às emoções humanas, às reviravoltas humanas ou aos medos humanos.

A natureza está em total conformidade com a Luz e em conformidade total com as mudanças que ela inicia.

Para isso, ela as integrou, portanto, muito mais facilmente do que o ser humano.

Ela pode ser um guia para vocês, muito mais próximo, permitindo-lhes, justamente, estabelecerem-se na nova Aliança e reforçar, mesmo, suas conexões com as realidades mais sensíveis, que não lhes são ainda acessíveis e que lhes se tornarão acessíveis pela própria natureza.

Poder-se-ia também dizer que a natureza lhes quer o bem, muito mais ainda do que anteriormente.

A irradiação de todos os seus habitantes e de tudo o que constitui a Vida está mudando.

A irradiação das pedras, das árvores, dos vegetais, dos animais, muda, do mesmo modo, muito mais facilmente do que o homem.

É uma verdadeira cura que vocês podem encontrar, quanto mais os dias passarem, nesta natureza.

É ela quem os aproximará mais de sua Unidade e os fará acolher o que vem com uma serenidade e uma Alegria muito maiores.

Vocês podem também (do mesmo modo que podem pedir ao Céu) pedir à Inteligência da Luz da natureza o que vocês querem, porque esta Consciência de seu ambiente é muito mais acessível, eu diria também, pelo momento, do que a Consciência dos grandes Seres que, no entanto, se aproximam.

A natureza pode, portanto, nutri-los além do corpo de carne.
Ela pode nutrir sua Consciência, porque ela ressona com vocês.

Tudo o que não foi transformado pelo homem, na natureza, é bom.

Vocês ali captarão, no interior desta, uma maior sensibilidade e uma maior firmeza também, para suas próximas transformações, porque a natureza se banha já nesta Luz de transformação e ela pode comunicá-la para vocês.

Paradoxalmente, eu o repito, hoje, ainda mais do que em minha vida, e paradoxalmente para vocês, ocidentais, que estão menos próximos da natureza, hoje essa aproximação é grandemente facilitada.

Basta-lhes levar sua Consciência aos lugares onde vocês colocam os pés na natureza para se aperceberem disso e senti-lo em seu Coração.

Não há necessidade de rituais complicados, não há necessidade de cerimônias.

Basta-lhes ali passear e estar à escuta.
Vocês verão, por si mesmos, a Verdade do que eu lhes digo.

Assim, portanto, através mesmo desta aproximação, vocês devem estar lúcidos de que não é questão de rejeitar um mundo por um outro, mas, sim aceitar a transformação desse mundo ali estando totalmente.

E eu falo do mundo que, é claro, aceita a transformação e não do tecido humano e das egrégoras que ali se opõem porque, ali dentro, vocês não encontrarão jamais conforto nem aliança, nem cura, bem ao contrário.

Aí está, meus Irmãos e minhas Irmãs, as algumas palavras que eu queria lhes dar para o período que vocês vivem.

Eu não emprego jamais grandes palavras, porque eu conheço apenas a natureza.

Eu sempre conheci apenas a Vida em sua expressão a mais despojada e a mais simples.

Aí está.
Portanto, não há ritual, não há protocolo, cerimônia, há somente que ali ser, para ali ser.

Nada além disso, porque tudo se faz naturalmente, tudo se fará espontaneamente, para a natureza.

Ela é um exemplo, portanto, para seu caminho.
E ela é também um apoio e uma cura.

Cabe a vocês, portanto, ali se nutrir de outro modo que pela boca e pelos olhos e, sobretudo, pelo Coração.

A natureza tem muito a lhes aportar, sobretudo agora, muito mais do que a sociedade e do que suas ocupações cotidianas.

Isso vocês o constatarão muito rapidamente.

Aí está o que eu vim lhes entregar com essas algumas palavras.

Não é rejeitando esta vida que termina, mas acompanhando-a, que vocês encontrarão a nova vida.

Do mesmo modo que quando da transição de um ser humano no antigo mundo, no qual vocês estão ainda, o acesso ao pós vida apenas se faz aceitando a morte, o acesso à nova vida apenas se faz aceitando viver e participar conscientemente, com o Coração, da antiga vida.

Eu não falo da sociedade, mas da Vida.

Irmãos e Irmãs, eu os agradeço por sua atenção às minhas algumas palavras.

Eu lhes transmito todo o Amor que está em meu Coração e certamente, até um desses dias.


___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e citando sua fonte: http://www.autresdimensions.com/
Versão do francês para o português: Célia G.

Nenhum comentário:

Postar um comentário