terça-feira, 10 de agosto de 2010

SRI AUROBINDO - 10 de agosto

10 de agosto de 2010

Mensagem de 10 de agosto (publicada em 16 de agosto de 2010) do SITE AUTRES DIMENSIONS


Eu sou Sri Aurobindo.

Caros Irmãos e caras Irmãs, queiram receber minhas bênçãos.

Eu venho a vocês, esta noite, para discorrer, dialogar sobre o tempo e o que representa, ao nível espiritual, a Chave do Tempo.

Começaremos primeiro, se bem o quiserem, por expressar certo número de evidências existentes no que chamamos, juntos, de vida na matriz.

O desenrolar linear do tempo é uma vivência vivida.
Existe, efetivamente, um relógio que se escoa num sentido, dando a aparência de uma verdade única, feita de um momento inicial chamado nascimento, de um momento final chamado a morte.

Entre esses dois tempos, perfeitamente localizados, a vida de um ser humano evolui na matriz, a um ritmo que é o mesmo para todo ser vivente, em ressonância direta com o que é chamado de revolução anual da
Terra em torno do sol.

Esse ciclo, imutável, em todo caso desde que esta Dimensão, em seu último ciclo, existe, permite aos humanos se localizarem através de certo número de tempo, biológico e fisiológico, mas no conjunto da sociedade onde tudo é governado pelo tempo.

Toda vida social ocidental é, de fato, ritmada, não mais pelo levantar e cair do sol, mas, bem mais, pelos horários de refeição, de trabalho, de repouso.

Não me estenderei, certamente, sobre essas evidências, mas, bem mais, sobre o que representa o tempo ao nível espiritual e seu papel para impedi-los, literalmente, de asceder à Verdade.

O espírito está fora do tempo.
Vários ensinamentos atraíram a atenção sobre isso.

É frequentemente dito que o homem, em seu Espírito, é Eterno.
E este Espírito, no entanto, que se manifesta através da vida do homem, é bem ligado, de uma maneira específica, ao desfile desse mesmo tempo.

Frequentemente vocês encontrarão, na linguagem dos que meditam (qualquer que seja a cultura, a época), frequentemente, esta noção de parada do tempo ou de dilatação do tempo.

O tempo é onipresente na vida do homem.
O tempo musical é outro exemplo.
O tempo espiritual, quanto a ele, sempre se refere a esses que meditam que tocaram, de alma e de Espírito, referindo-se a uma capacidade para abraçar, para além do tempo presente, o tempo passado e por vezes o tempo futuro.

Há, nos mecanismos de meditação, frequentemente, um momento em que a Consciência e o Espírito escapam da linearidade inexorável do tempo. Isso é de uma evidência tal que, o mais frequente, esta ressonância de escapar do tempo não preocupa mais o humano, em sua vida.

Que vocês olhem seu relógio ou não, vocês são limitados, tanto em suas ações como em seus atos, pelo tempo, mesmo, ainda uma vez, se não se trate do tempo do relógio.

Então, qual é esta distorção existente entre o tempo linear (vivido na consciência comum) e este acesso a um tempo diferente (em relação com o Espírito), indo até a fazer dizer a alguns que meditam que o tempo não existe ou que o tempo parou?

Várias experiências realizadas quando dos mecanismos chamados de saída do corpo ou ainda experiência de morte iminente, relatam que para além desse tempo linear, o tempo não é o mesmo e o que poderia parecer num tempo linear extremamente curto (como quando de uma parada cardíaca), parece durar uma eternidade para aquele que não está mais em seu corpo.

Ao nível biológico, existe um tempo próprio nas células.
Os próprios constituintes de suas células não evoluem no espaço/tempo no qual vocês evoluem e, no entanto, essas células participam do mesmo tempo biológico existente na Terra.

Assim, portanto, existem diferentes tempos.

É o mesmo ao nível físico, onde o tempo pode ser diferente segundo o que é chamado de velocidade das partículas, por exemplo.

É preciso bem admitir portanto que a consciência limitada do ser humano evolui no tempo de um tempo, num tempo que não é o mesmo que aquele existente na Consciência Ilimitada, ou do Espírito, ou ainda em suas células ou em seus átomos que constituem o mesmo conjunto.

Existe portanto uma multidão de tempos diferentes, presentes num mesmo espaço chamado de corpo de consciência limitada.

É para dizer que o tempo fora do tempo, ou tempo diferente, situa-se em outro espaço?

Daí, há apenas um passo e é exatamente disso que se trata.

Mesmo se isso pôde ser descrito, até tempos muito recentes, pelos místicos de todas as culturas, há efetivamente uma noção espaço/temporal que é própria, na consciência limitada, e que é outro espaço/tempo da Consciência Ilimitada.

Do mesmo modo, há outro espaço/tempo existente na célula, como nos átomos.

Então, de qual modo se pode produzir este alinhamento de espaços/tempos diferentes, reencontrando-se, a um dado momento, para dar ao homem, constituído de coisas não existentes no mesmo espaço/tempo e, no entanto, dando a impressão de se deslocar no mesmo espaço/tempo?

Isso resulta (e eu não me estenderei nisso) de uma curvatura do espaço/tempo específica, induzida pelo próprio princípio da falsificação, em ressonância com as forças chamadas de gravitacionais, mobilizadas e deformadas por alguns princípios sobre os quais eu não me demorarei, tampouco.

Assim, portanto, existem, no homem definido num espaço/tempo, limitado neste espaço/tempo, componentes que, eles, não pertencem a este espaço/tempo, situando-se num outro tempo ou num outro espaço.

Até o presente, e até a abertura das primeiras Portas galácticas, os seres que chegassem a viver estados místicos, dissociados, do espaço/tempo biológico e fisiológico, podiam perceber, como eu o percebi quando de minha última vida, a chegada de um tempo novo descrito, depois, por vários visionários.

Esse tempo novo é marcado pela chegada de uma Luz nova, chamada de Supramental, em minha linguagem, ou de Luz Vibral, na linguagem, eu diria, mais atual.

Deve-se dizer que, para asceder a esta percepção, precisei sair de meu corpo?

Não, porque a saída do corpo só pode se fazer na matriz, ao menos até um espaço extremamente próximo, em tempo.

No ano passado, eu descrevi, com outros intervenientes, a dissolução da matriz astral ou das franjas de interferências, o que permitia à Consciência não estar dessincronizada do Espírito. Ora, depois, os Casamentos Celestes aconteceram. (nota: ver os textos em nosso site, na rubrica «mensagens a ler», sob o título "integração das Virtudes", transmitido por Miguel desde 25 de abril de 2009, em 12 etapas) (*).

A desagregação da matriz astral ocorreu, pela ação de desconstrução do Conclave e por sua capacidade para se religar a esta nova Consciência.

A matriz astral é reducionista, ou seja, ela assimila, em um determinado tempo e em um determinado espaço, uma posição localizada dentro mesmo do espaço/tempo, para a mesma consciência. O que é absolutamente o inverso do que se produz nos Mundos Unificados.

Nos Mundos Unificados, a localização espacial e temporal, tal como definido nesse mundo, não existe simplesmente.

Assim, uma Consciência é onipresente, onidimensional e onitemporal.

Isso é complexo para explicar, ficaria apenas com palavras.
Este estado só pode ser vivido, porque ele não obedece a leis enunciáveis na matriz.

Mas pode ser experimentado, diretamente, pela Consciência.

Assim, bem antes da destruição das franjas de interferências, vários místicos apresentaram fenômenos certamente muito raros, mas tendo deixado vestígios, a partir do que vocês chamam de bilocação, a partir do que vocês chamam de transmigração e tantos outros fenômenos relacionados com uma capacidade, certamente excepcional, da consciência limitada, para se exprimir em dois pontos de espaço ou em dois pontos do tempo.

O conjunto de processos captados para além do astral, relativos ao que vocês chamam, e nós chamamos com vocês, de futuro, pode ser captado sob uma forma alegórica correspondente ao discurso da forma limitada, assim como eu transcrevi, sob o ditado de Cristo, em função das imagens que eu via, no momento eu que fui São João.

A grande diferença, e ela é fundamental, é que o tempo limitado linear é perfeitamente, portanto, definível por suas coordenadas espaciais e temporais, enquanto que nos Mundos Unificados, não pode absolutamente ser definido desse modo.

O que explica que os Mundos Unificados, não podendo até o presente e até tempos muito recentes, aproximarem-se da matriz, sob pena de ali se fazer prender pela atração e pelas forças gravitacionais, não podiam, de nenhuma maneira, conhecer o tempo, em sua precisão toda de relógio, tal como vocês a vivem.

Existe, contudo, mesmo na consciência limitada deste universo dissociado, um relógio chamado de astronômico ou galáctico e cósmico, do qual mesmo a matriz não pode escapar.

É durante esses episódios de conjunção, de coordenadas espaço/temporais limitadas, que existem no mundo limitado, com seus ciclos astronômicos, galácticos e cósmicos, que pode haver sobreposição de tempo e resolução temporal.

É o que lhes é anunciado, desde muito numerosos anos, relativamente ao prazo chamado de 2012. Trata-se de um encontro espaço/temporal entre um mundo limitado (com suas próprias leis) e um Mundo Ilimitado (com leis profundamente diferentes).

Trata-se de um encontro.
Este encontro corresponde ao princípio da Cruz, momento em que um tempo vertical vem encontrar um tempo horizontal, espaço em que se encontra um espaço horizontal e um espaço vertical. No nó desse cruzamento realiza-se a alquimia chamada de reversão.

Reversão que lhes é proposta viver, antecipadamente, para ir nos Mundos Ilimitados ao invés de permanecer nos mundos limitados. Porque, nos mundos limitados, mesmo Unificados, e apesar da Consciência do Ilimitado, não há possibilidade de se libertar do espaço/temporal de uma coordenada limitada, mesmo tendo contato e ressonância com a Fonte.

Assim, portanto, desde a abertura do primeiro Portal galáctico, em agosto de 1984, até hoje (ou seja, quase uma geração, quase trinta anos), estabeleceu-se, nesse mundo, o princípio dessa reunião, o princípio desta sobreposição de tempos muito diferentes, que permite, efetivamente (se a alma humana está pronta para soltar o que é o complexo inferior), penetrar em sua Eternidade.

A dificuldade foi que aqueles que controlavam o tempo, em sua constituição, e que não são humanos, tiveram êxito em inserir, no corpo biológico, a própria negação do Ilimitado e da Eternidade.

Portanto, nós tivemos necessidade (e quando eu digo nós, obviamente, não se trata unicamente, e de longe, dos 24 Anciãos, mas da totalidade dos Mundos Unificados) de encontrar um meio de antecipar, a título individual, a chegada da Onda Galáctica de Luz, permitindo a um máximo de seres humanos aproximarem-se de sua eternidade, mesmo permanecendo no mundo limitado.

Isso foi chamado de “Portal galáctico de 1984” e de “derramamento de Luz do Ultravioleta”, em relação com os Casamentos Celestes.

Isso conduziu vários seres humanos, muito mais numerosos que em 1984, e durante todos esses anos, a experimentarem a abertura do chacra chamado de coronal, permitindo, pela modificação dos ritmos biológicos existentes em certas estruturas responsáveis pelo escoamento do tempo (chamadas de hipófise e hipotálamo, em seu cérebro), sincronizar a consciência numa nova gama de frequências, em ressonância direta com o Ilimitado.

Isso se tornou possível pela ativação, como disse, da Coroa da Cabeça, agora, entretanto, por sua própria ativação e pela penetração de partículas específicas, em ressonância com o Ultravioleta (as partículas Adamantinas ou Agni-Deva), modificar a curvatura do espaço/tempo, mesmo em suas estruturas biológicas.

Isso no objetivo de preparar o que eu chamaria de um plano matricial Unitário, resultante da própria ativação desses centros energéticos, numa multidão de seres humanos.

Como o sabem, e como foi escrito, no tempo do Apocalipse (que escrevi sob o ditado de Cristo), houve, a partir de 1984, no momento em que alguns sinais se instauravam, na superfície desta Terra: a ativação progressiva de um número cada vez mais importante de seres humanos, ao nível da gestão e da programação do tempo, via cérebro reptiliano, hipotálamo e hipófise, de modo a modificar a programação inerente ao que havia sido induzido pelos reptilianos ou Annunakis, de modo a afastá-los de sua Divindade.

Hoje, pelo efeito de massa (e independentemente mesmo de descer a consciência no Coração e de reativar o que vocês sabem, desde pouco tempo, a Roda na Roda, para Unificar e alinhar as duas Coroas Radiantes e o Triângulo Sagrado), nós já tivemos êxito em sintonizar, de algum modo, a consciência limitada com a Consciência Ilimitada, ao nível coletivo.

A interação dessas duas Consciências se traduz pelo que eu escrevi no Apocalipse, ou seja, a revelação que vocês vivem nesse momento: a destruição da ilusão, as últimas guerras, o Armagedom, como o chamei, mas também a revelação do que vocês são, ao nível da Eternidade.

O trabalho não para aí.
Pelo momento, não houve ainda acesso, mesmo desses seres despertos, a seu corpo de Existência.

Existe, de fato, uma Chave temporal que, ela, não se situa na hipófise e no hipotálamo, mas sim, diretamente atrás do Coração órgão, no nó chamado sino-auricular, correspondente ao influxo nervoso que dá a ordem ao coração para bater, mecanismo de natureza automática, reptiliano ele também, instalado pelos mesmos seres, no momento da falsificação, ao nível do DNA.

Foi portanto necessário dissociar esta pulsação cardíaca automática de seu ritmo próprio (ligado ao efêmero e à consciência limitada) a fim de fazê-la viver em outra oitava.

Isso foi experimentado desde o início do ano, por alguns seres humanos que viveram os Casamentos Celestes, que seguiram as meditações que nós lhes propusemos, consistindo em fazer passar a respiração no Coração e em modificar, de modo definitivo, o ritmo cardíaco, no momento dessas meditações e dessas respirações.

Esse processo é encadeado e existe, aliás, um laço de ressonância e também neurológico, entre eles, a hipófise, o hipotálamo e o nó sino-auricular. Existe, aliás, uma ligação energética e Vibratória, através de um grande circuito energético chamado de Nadhi, partindo da extrema cimeira da cimeira do crânio, passando à frente do que é chamado de canal mediano da coluna vertebral, Shushumna, sobre o mesmo trajeto, e que virá terminar, justamente, ao nível do nó sino-auricular, permitindo realizar, além do aspecto Vibratório percebido da Roda na Roda, a sincronia do Coração em um novo tempo e em um novo ritmo.

Isso, alguns de vocês começam a viver.
Esse processo é chamado de Fogo do Coração e de Fogo do Amor.

Ele se traduz por uma variabilidade do ritmo cardíaco importante.

Ele se traduz por uma consciência que se torna mais consciente do que acontece ao nível do coração, órgão, como no chacra do Coração.

É portanto uma alquimia que visa substituir o tempo limitado (no espaço e no tempo, tal como vocês o vivem) pela programação reptiliana, ao nível de seus cérebros, por uma programação nova ilimitada (não definida de maneira linear, não definida espacialmente), encontrando-se no coração.

A Chave do tempo e portanto da saída do espaço/tempo limitado, efetivamente, encontra-se no Coração. E apenas através da conjunção desses dois tempos, transformados e transformadores, que se realiza a Unidade, a ativação do veículo chamado de Merkabah, e o acesso, em total Consciência, ao veículo de Existência.

Isso foi possível para alguns raros humanos, porque certo número de Chaves Metatrônicas não havia ainda sido revelado, tanto que a Roda na Roda não podia girar, o que é o caso, mesmo para os mais avançados de vocês, desde muito pouco tempo.

De fato, existe outra programação que decorre, ela, diretamente da ação do Arcanjo Lúcifer, no momento da falsificação, que foi limitar sua própria irradiação ao nível do que é chamado de estrelas de Maria.

Assim como vocês descobrem, existem 12 pontos de vibração ao redor da cabeça, que alguns de vocês começam a perceber, em relação com funções espirituais, novos potenciais espirituais, em ressonância também com o que é chamado de “novas lâmpadas” e “novos corpos”, permitindo à consciência explorar espaços que lhe eram fechados até o presente.

A curvatura do espaço/tempo, a modificação do DNA pelos reptilianos, e a ação de Lúcifer ao nível do que é chamado de olho de Lúcifer (a fim de fazê-los entrar no que é chamado de conhecimento), limitou a expressão total das 12 estrelas de Maria para 3 estrelas.

Quais são foram 3 estrelas?
Elas foram o Bem e o Mal e o Alfa, realizando, ao nível de sua fronte, o Triângulo Luciferiano, o olho do conhecimento, aquele para o que Buda disse: “Quando você encontra os poderes, salve-se rapidamente”.

De fato, a fascinação pela ativação do 3º olho foi tal que inúmeros Círculos iniciáticos, inúmeros Círculos de escolas espirituais, são baseados no ensinamento Luciferiano, para fazê-los penetrar mais adiante no mundo desta ilusão, porque é, efetivamente, de uma ilusão a mais que se trata.

Esse Triângulo Luciferiano tem, por sua constituição, impedido a expansão literal das outras estrelas de Maria, ao nível do conjunto de sua Cabeça, a tal ponto que, nas representações mesmo de alguns sábios que despertaram seus 7 chacras, o que é chamado de centro Ajna ou 3º olho corresponde a duas pétalas se estendendo unicamente ao nível da fronte e, em nenhum caso, fazendo a volta da cabeça e, em nenhum caso, realizando as imagens conhecidas do chapéu de Buda ou ainda da auréola dos Santos, correspondentes a uma Luz que não toma unicamente uma zona da cabeça, mas o conjunto da cabeça.

Esta falsificação terminou.
As estrelas de Maria ativam-se.

Obviamente, nós ativamos, de maneira privilegiada, as estrelas as mais importantes, correspondentes às 5 Chaves Metatrônicas, chamadas OD-ER-IM-IS-AL que, como o sabem, correspondem ao Alfa, ao Ômega, ao Hic e Nunc (ou aqui e agora), mais o ponto central chamado de ER, em relação com os Hayoth Ha Kodesh ou 4 Querubins, que se têm diante do trono da Fonte.

Tendo realizado esta primeira Cruz, tornar-se-ia em seguida, pela efusão de Luz, cada vez mais fácil realizar a ativação de certo número de estrelas existentes entre as estrelas desta Cruz.

Permanecia, entretanto, a revelar as 3 últimas Chaves Metatrônicas que, justamente, vêm quebrar, de maneira definitiva, a ilusão Luciferiana.

Por qual princípio?
Pela revelação do Bem e do Mal, não mais como agente discriminante, e sobretudo da estrela de Maria situada atrás, à esquerda de sua Cabeça, ao nível occipital, correspondente a Vibração de KI-RIS-TI.

Mas isso lhes será desenvolvido, de um lado, por Metatron e, sobretudo, em seguida, por Um Amigo.

Eu instauro as balizas que lhes permitem compreender o que é o tempo e do que ele decorreu na ilusão Luciferiana e na falsificação.

Assim, portanto, o 3º olho está limitado à expressão da clari-visão, no mundo no qual vocês vivem ainda, enquanto que ao nível dos Mundos Ilimitados, esse ponto central, ao centro ou ao alto do Triângulo, não é estritamente nada em relação às outras virtudes equivalentes ao nível das outras Estrelas.

Há portanto Unidade possível nas 12 Estrelas.
Há portanto reunificação na ativação das 12 Estrelas, o que era impossível enquanto a ilusão Luciferiana predominava.

Esse trabalho, esse Triângulo existente na Coroa da Cabeça, tal como é representado com ponta no alto, entre Alfa, Bem e Mal, é a imagem invertida daquela que existe ao nível de seu Sacrum.

É pela união desses dois contrários, a saber, Fogo da Terra e do Éter, com Fogo do Coração e Fogo Luciferiano ou Fogo Prometeu, que se realiza a alquimia da Unificação, na Unidade, do retorno à Fonte, permitindo-lhes escapar, de maneira definitiva, da ilusão do tempo linear existente nesta Dimensão.

Caros Irmãos e caras Irmãs, espero não ter sido demasiado complexo seguir essas explicações.

Eu lhes deixo, permanecendo entre vocês, a oportunidade de colocar questões complementares sabendo ao mesmo tempo, e prevenindo-os, que não poderei entrar mais adiante na revelação de KI-RIS-TI e da Estrela do Bem e do Mal, porque não é meu papel, mas simplesmente colocá-los face a elementos que permitem compreender o que era o tempo, o tempo alterado, o tempo real e o tempo do Supramental.

Eu os deixo portanto colocar as questões.

Questão: Quais são os 3 pontos, ao nível do Coração, que formam o Triângulo do Coração?

O Triângulo do Coração é formado de dois modos, em seu Coração, correspondentes ao que é chamado de Selo de Salomão ou estrela de 6 pontas.

É uma projeção, correspondente às 6 pontas que deu Mestre RAM (**).

Eu os lembro que a Merkabah é frequentemente representada pela associação de 3 pirâmides encaixadas umas nas outras.

Essa é a imagem da reunificação das 3 lareiras: Lareira Luciferiana, Lareira Cardíaca e Lareira Sagrada. Isso será constituído ao nível do Coração, do seguinte modo: a ponta do Triângulo inferior corresponde ao chacra do Coração. Os pontos da base desse Triângulo são situados ao nível do que é chamada de Gota Vermelha e Gota Branca, formando um Triângulo, ponta para baixo.

O Triângulo, ponta para o alto é, ele, constituído do ponto posterior do chacra do Coração, situado sob a apófise transversa da 5ª vértebra dorsal. As duas pontas, naquele momento, correspondentes à base do Triângulo, são representadas do mesmo modo, pelos pontos que acabo de dar, ou seja, chacra de enraizamento da alma e chacra de enraizamento do Espírito.

Esses dois Triângulos não estão no mesmo plano, eles estão inclinados, um em relação ao outro, em 45º, o que é desejado.

Assim, portanto, a imagem desta estrela de 6 pontas representa o equilíbrio entre o Fogo da Terra e o Fogo Luciferiano, resolvido pela redenção desejada por Cristo na Dimensão Crística, no KI-RIS-TI, presente, certamente, no Coração, como Irradiação da Fonte e Samadhi, e presente, também, ao nível de um ponto existente ao nível da cabeça, situado atrás, ao nível do occipital, à direita.

Eu digo que o conhecimento disso será natural e espontâneo, penetrando os espaços do Coração e da Existência, e que não é absolutamente necessário, ainda uma vez, conhecer toda esta mecânica (energética, espiritual, Vibral) para asceder ao Coração.

Mas parece-nos importante, para nós, Anciãos, assim como para os Arcanjos e para as Estrelas de Maria, dar-lhes esta constituição espiritual, real, de seu corpo de Existência, manifestando-se mesmo nesse corpo ilusório, tal como vocês o vivem pelas Vibrações. (Nota: um esquema ilustrando isso será inserido assim que possível).

Questão: Poderia aprofundar sobre a curvatura espaço/tempo?

Isso nos levaria muito longe.
O que posso dizer é que, simplesmente, esta curvatura do espaço/temo conduziu ao fechamento, em laço, do espaço e do tempo em um mesmo espaço e em um ciclo perpétuo correspondente à rotação de um planeta em torno do sol.

Isso foi realizado pela intervenção de certo número de forças que modificaram a linearidade do tempo, até fazer este famoso laço.

É muito complexo desenvolver, visto de onde estamos, e mesmo dentro dos princípios físicos que regem a humanidade falsificada e o mundo falsificado, fazer compreender isso.

Não é algo que se possa compreender via intelecto, ainda que existam leis físicas e leis matemáticas que dão conta desta curvatura do espaço/tempo.

É importante se libertar do tempo.
Libertando-se do tempo, parando o tempo, pela meditação, ativando a Coroa Radiante do Coração e a Coroa Radiante da Cabeça e talvez o Triângulo Sagrado situado na base de suas costas, ser-lhe-á possível realizar esta alquimia, descurvar seu próprio espaço/tempo, por intermédio do veículo interdimensional e de se reencontrar projetado em seu Corpo de Existência.

O que se revelará, em resumo, relativamente mais fácil que até agora, assim que as Chaves Metatrônica tiverem sido desvendadas e encarnadas sobre esta Terra.

Mas, ainda uma vez, eu repito também que o objetivo não é partir, de maneira definitiva, nesse veículo de Existência, mas, para além da vivência do Samadhi e da Alegria do Coração, o fato de transferir sua consciência limitada na Consciência Ilimitada, lhe permitirá aderir, de maneira evidente, à Verdade do Espírito.

Do mesmo modo que o anúncio de Maria lhes dará a evidência de que os mundos espirituais, para além de serem qualquer projeção, são uma realidade bem mais presente do que vocês pensavam ou viviam até o presente.

Questão: Que viveu este habitante de Amsterdam, que viu sua cidade, há 2 ou 3 séculos, e mesmo discutiu com pessoas desta época, antes de se reencontrar no século XX?

Isso não se chama, em todo caso, uma viagem espaço-temporal,

Há simplesmente uma parte da consciência deste ser que se (e a palavra não é completamente exata) bilocou.

Trata-se de um processo que leva a efeito a Vibração do plexo solar, em relação com o astral e absolutamente não o Coração e absolutamente não o centro Ajna.

Assim como certo número de autores, desde sobretudo a segunda guerra mundial, falou de crônicas relacionadas com dissolução (descorporificação) e viagens astrais.

Essas viagens astrais não são, em caso algum, o acesso à Verdade da Unidade, mas sim à matriz astral existente para além do véu da encarnação, mas não permitindo de modo algum sair da matriz.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

E bem, caros Irmãos e caras Irmãs, eu os agradeço por sua atenção, por sua participação.

Eu voltarei, quanto a mim, amanhã, para a efusão de seu dia.

Eu lhes transmito minhas bênçãos e meu Amor.

Até breve.

____________________

(*)
De Protocolos Autres Dimensions


(**) Meditação guiada sobre o Coração:
http://despertardaluzinterior.blogspot.com/2010/05/ram-01-de-junho-de-2009.html


___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e citando sua fonte: http://www.autresdimensions.com/
Versão do francês para o português: Célia G.

Nenhum comentário:

Postar um comentário