segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ANAEL - 2 de novembro

2 de novembro de 2009

Eu sou Anael, Arcanjo.

Bem amadas almas humanas em encarnação, eu venho a vocês para tentar ajudá-los a avançar no caminho da Unidade e no caminho do que chamaria a Relação Unitária.

Venho, acompanhado da Vibração do Arcanjo Uriel, a fim de lhes fazer beneficiar, num segundo tempo, da Radiação da Presença.

Queiram receber, de início, minhas bênçãos, meu Amor e as saudações do Conclave.

Então, juntos, vamos, se quiserem, avançar na compreensão e na vivência da Unidade.

Assim, procederemos respondendo a suas questões e suas interrogações.

Questão: Na Unidade, o mental se torna o refletor do supramental?

É preciso encarar, bem amado, o problema de dois modos.

É preciso bem diferenciar e distanciar o que acontece na encarnação e o que acontece quando você acede na Existência.

Obviamente, o mental é indispensável à continuação de sua Vida nesta Dimensão.

Assim, a experiência do supramental e desta reconexão com sua Essência não destrói o mental propriamente falando mas, simplesmente, no lugar de ser escravo de seu mental, o mental torna-se dirigido pelo supramental.

A diferença é essencial entre o mental e o supramental, independentemente do aspecto Vibratório e do aspecto Fogo e do aspecto Luz e de que o supramental é Inteligente por si mesmo.

Assim, sua inteligência se exprime, nesta Dimensão, pelo mental e o intelecto.

Há esforço de reflexão, esforço de inteligência, esforço de compreensão, sob a influência do supramental que foi, admitimos, encontrado.

O supramental é, ele mesmo, resposta.
Não é discursivo, não é reflexão, não é portanto transformado por qualquer noção de aprendizado ou de referência a um acervo.

O supramental é Inteligência, antes de tudo.
Colocar-se sob a influência do supramental dá informações sobre todo assunto, não passando pelo filtro do mental.

Uma vez que o supramental se encontre e inicialize em você, uma vez que a Vibração do Coração esteja ativada e inicializada em você, você tem então a possibilidade de se entregar a esse supramental.

O mental pode intervir mas, entretanto, ele é controlado, de uma certa maneira, pela Inteligência da Luz e não mais pela sua inteligência comum.

Além do mental e além de sua esfera de Vida nesta encarnação, além portanto das estruturas da personalidade, penetrar no corpo de Existência, pela transferência de Consciência, implica no desaparecimento total do mental.

Não há mais, por conseguinte, possibilidade de reflexão.
Há instantaneidade do Conhecimento: as imagens ou as percepções chegam no corpo de Existência, não passam por qualquer análise mas são vividas, eu diria, de maneira bruta.

Se uma questão ocorre, ou antes, uma interrogação, na Consciência de Existência, a resposta chega instantaneamente. Não há um encadeamento, de sequência lógica, conduzindo a uma resposta. Não há mais noção de escolha, nem de possibilidade.

Ao nível do supramental, você entra na evidência, você entra nas coisas unitárias. Não há mais possibilidade de enganar-se, ou não há mais possibilidade de errar entre duas escolhas. A escolha se impõe por si pela Inteligência da Luz.

Aí está o que podemos dizer, num primeiro tempo, sobre o mental e o supramental.

Não se esqueça, na personalidade, que a irrupção do supramental em sua encarnação se traduz pela abertura do Coração e pelas percepções Vibratórias, nada mais tendo a ver com o que é vivido habitualmente.

A qualidade mesmo das Vibrações percebidas, ao nível do corpo ou ao nível dos corpos sutis, modifica-se. Você passa de uma Vibração magnética para uma Vibração a qualificar, ela também, de supramental, portanto as características são profundamente diferentes do que vocês chamam magnetismo.

Existe portanto um certo número de indicadores essenciais a reconhecer, e evidências a reconhecer, correspondentes à ativação, em você, do supramental e à sua reconexão ao supramental.

Questão: O que é da relação de casal, quando estamos no caminho da Unidade?

Bem amado, a maior parte das relações entre os seres humanos foi construída, nesta Dimensão, sobre um princípio de dominante/dominado.

Esta é uma regra absoluta, chamada também ordem de precedência, que corresponde a uma regra absoluta de sua Dimensão.

A passagem e a evolução para a Unidade acompanha-se de um desaparecimento total dessa relação dominante/dominado.

Há portanto igualdade.

Assim, portanto, não há mais diferenças na relação homem/mulher casal ou na relação homem/mulher não casal, ou numa relação homem/homem, ou numa relação mulher/mulher.

Não há mais noção de dominação.
Não há mais noção de polo ativo e polo passivo, tal como vocês têm vivido através, por exemplo, das noções de sexualidade de emissão e de recepção.

Os dois polos tornam-se emissivos.
Não há mais possibilidade de viver no que vocês chamaram, e continuam a chamar, casal.

As noções exclusivas não existem mais.
A Consciência Unificada funciona de modo inclusivo, reunificando o conjunto de Consciências.

A partir do momento em que você vive na nova Dimensão, não há mais distância e não há mais separação entre as Consciências e entre as atividades mentais. O que você emite como pensamento, como atração, como desejo, manifesta-se no conjunto da coletividade.

Assim, desejar um Ser, mesmo no sentido o mais nobre, é conhecido instantaneamente do conjunto da coletividade.

Os pensamentos tornam-se ordenados e devem tornar-se, também, coerentes, na medida em que não há mais segredos, no sentido em que vocês o entendem.

A permeabilidade torna-se total.
Assim, nas Dimensões as mais elevadas, a emissão de pensamentos, no sentido ação, de um Arcanjo, é captada instantaneamente de uma extremidade a outra dos multiuniversos e das multidimensões pelo conjunto de Arcanjos e também pelo conjunto de outras Dimensões.

A singularidade existente em sua Dimensão, fazendo com que a Consciência seja separada e dividida, não existe mais. Assim, portanto, tudo o que é construído sobre um modelo dual (princípio de dominação, princício de submissão, princípio de dominante/dominado, princípio de macho e de fêmea) não existe simplesmente mais nas Dimensões superiores.

Então, estar a caminho para a Unidade não quer dizer suprimir os casais ou suprimir a relação homem/mulher mas esta deve tornar-se adulta, quer dizer, equilibrada, onde não pode existir noção de dominante e dominado.

Não pode existir noção de dependência ao outro.
Isso é válido, evidentemente, em todas as relações humanas mas, de maneira muito importante e de uma acuidade totalmente perfeita e toda extrema, eu diria, num casal.

A modificação das relações existentes entre os homens e as mulheres nos casais conduz atualmente a um certo número de reajustamentos que vocês observam.

Inúmeros casais se criam, se recriam ou se desfazem.
As relações ascendentes/descendentes devem seguir também o mesmo sentido da Liberação.

A relação é equilibrada na quinta Dimensão.
Ela não pode ser uma dependência ou uma dominação qualquer.

Assim, suas relações se transformam.
Assim, inúmeros seres humanos, hoje, não suportam mesmo mais as relações chamadas, em sua humanidade, hierárquicas.

As noções de hierarquia, nas ordens constituídas, vão, elas também, despedaçar-se. Isso faz parte da Revelação e da emergência, em sua dimensão, do supramental.

Então, vocês devem seguir, a título individual, as linhas de menor resistência. Ir no sentido da Unidade é demonstrar o equilíbrio, ou seja, parar de querer dominar o outro ou de querer desejá-lo para ele ou para si, mas estabelecer uma relação no âmago do Coração.

Então, obviamente, a evolução é diferente de acordo com os casais. Alguns são chamados ainda a viver fenômenos de alternância, eu diria, de dominação e de submissão, não somente através da sexualidade, ou da relação social habitual.

Entretanto, tudo isso está se transformando e desaparecendo. Obviamente, a transformação e o desaparecimento não está na mesma fase em cada Consciência e em cada ser humano.

Isto está a caminho e manifestar-se-á cada vez mais violentamente, cada vez mais cruamente e cada vez mais de maneira evidente.

A evidência se instala como a relação se transforma.
Ela deve ser imprimida de respeito, de humildade, de tolerância, o que é raramente o caso, mesmo no Amor humano imprimido de sentimentos e de sexualidade.

Questão: Nas Dimensões Unificadas, não existe relação privilegiada entre os Seres?

A única relação privilegiada que existe, nas Dimensões Unificadas, é a relação que vocês têm todos, e que temos todos, com a Fonte. Toda outra relação não pode ser privilegiada, no sentido em que você o entende e em particular através da noção de casal.

O que não quer dizer que os casais não se formem.
Podem existir associações, ou compartilhamentos de Ser a Ser, de Consciência a Consciência, podendo mesmo evoluir, na Vida, de maneira conjunta, sem no entanto estar fechada no sentido da relação privilegiada, tal como vocês entendem.

A relação privilegiada, tal como vocês a definem em sua humanidade, apenas é, o mais frequente, impressa de dominação e de apropriação, enquanto que a relação Unificada é uma restituição à Unidade essencial do Ser.

Questão: Como antecipar sobre esses novos modos de funcionamento?

Bem amado, não há o que antecipar.
Mesmo casais existentes hoje, o homem e a mulher, ou dois homens, ou duas mulheres, não estão necessariamente nos mesmos níveis evolutivos, o que cria todas as tensões e todos os desequilíbrios e as rupturas existentes e que se amplificam nesta humanidade.

Alguns estão ainda em modos de funcionamento antigos.
Outros estão já em modos de funcionamento novos.
Então, se os dois indivíduos do casal funcionam no modo novo, isso não coloca mais problema.

Mas imagine os problemas num casal em que um permaneceu nos modos de funcionamento antigos e o outro está já nos modos de funcionamento novos.

Há incompatibilidade Vibratória cada vez mais forte e isso conduz, de maneira inexorável, ao que vocês chamam separação.

Vale mais uma separação que uma relação falsa.

A Vibração que vem para vocês os engaja numa relação do tipo Unitária, em que não pode haver trapaça, em que não pode haver falsificação, em que não pode haver ilusão e dominação.

Então, não há regra absoluta.
É importante, entretanto, compreender que a liberação da relação fará de vocês seres livres e inteiros.

A atração existente, na humanidade, voltada ao outro sexo é apenas a resultante da incompletude existente em vocês com relação a sua Divindade, com relação a seu corpo de Existência.

Uma vez encontrada a Existência, conectada e insuflada na personalidade, vocês descobrirão que as necessidades não são mais as mesmas na relação com o outro.

Não há mais necessidade de acasalamento, no sentido por exemplo, da fusão.

Há necessidade de liberação e de liberdade, o que não quer dizer separação, mas respeito absoluto do outro em sua individualidade.

Frequentemente, os seres humanos se declaram sua chama e seu amor, mas o amor encarado num casal, qualquer que seja a idade, é frequentemente considerado como sua propriedade.

O ser amado torna-se portanto propriedade.
Não tem mais portanto a ocasião de exprimir seu Amor fora da relação privilegiada tal como vocês o exprimem.

Entretanto, é preciso bem compreender que esta relação é automática e, desde o início, totalmente falseada.

Há, realmente, reação de dominação, mesmo se a dominação não vá até os extremos das dominações do tipo masoquistas e sádicas mas, entretanto, sutilmente, existe sempre uma dominação nesta relação privilegiada.

Questão: Como viver a sexualidade nesse novo modo de casal?

Isto é extremamente diferente segundo cada ser humano, bem amado. Alguns, literalmente, não têm mais necessidade, no sentido sexual.

A sexualidade é apenas um meio de provar e reencontrar a Unidade, o espaço de um instante, no momento do que vocês chamam gozo e orgasmo.

O conjunto de desejos que vocês provam, e a satisfação desses desejos, conduz de maneira sistemática à reprodução do mesmo desejo e portanto à continuação da sexualidade.

A partir do momento em que vocês entram na Unidade, a relação de casal se alquimisa, na condição, obviamente, que os dois o vivam. Nesse momento, a sexualidade não é obrigatória e ela não é mais tão desejável.

Mas cada um a vive em função do que tem vontade.
A transcendência total acompanha-se de um desaparecimento total, não constrangido e não forçado, da atividade sexual.

Esta é realmente transmutada, assim como foi explicado em numerosos modelos tradicionais. Não há mais perda no ato de procurar a Unidade eis que vocês a vivem, a dois, um com o outro, sem estarem no entanto um no outro, na busca de uma satisfação.

Entretanto, é bem evidente que a idade desempenha também, nesse nível, um papel importante. Mas convém compreender que inúmeros seres vivos, mesmo em casal, nesta evolução da Unidade, não possam mais ter necessidade de toda relação, no sentido sexual, eis que a relação Unitária estabelece-se já sem passar pelos órgãos genitais.

Mas não há, para tanto, que se privar, porque toda privação é nefasta. Isso deve ser uma evolução natural e normal, da evolução para a quinta Dimensão. O que não retira, obviamente, o lado sagrado da sexualidade, podendo existir em certos povos, mesmo na quinta Dimensão.

Questão: O que é do Tantra?

O Tantra é uma forma de sexualidade sagrada que deve conduzir à Unidade.

Mas a Unidade que se obtém sempre em relação ao outro, portanto, repetir a coisa apenas prova simplesmente uma coisa, é que você não chegou à Unidade.

Chegar à Unidade correspode a fazer o Amor a si mesmo, permanentemente, não pode portanto haver necessidade externa.

Estando na Vibração do Coração, as fundações da Vida não estão mais ao nível do primeiro chacra, mesmo se o corpo físico existe ainda e mesmo se você tem ainda os pés sobre a Terra. As fundações instalam-se um pouco mais alto e portanto a esfera não é ignorada, não é colocada em repouso, mas é transcendida.

Questão: O que é da procriação, então?

Profundamente diferente.

Eu citarei um exemplo que está próximo de vocês, que é aquele dos Delfinóides de 5ª Dimensão: a procriação existe, mas não se faz dentro de um organismo fêmea ou macho.

Ela se faz em partículas de Luz específicas.
A gestação se faz portanto ao exterior da atmosfera Vibratória da mãe ou do pai.

Além disso, a educação no sentido em que vocês chamam (embora isso não seja a mesma coisa), o fato de se construir como personalidade individualizada de 5ª Dimensão Unificada, não se realiza senão através de um ensinamento recebido por um conjunto de pessoas, de entidades, que não são os pais.

Não há mais, ao nível da 5ª Dimensão, impregnação do que vocês chamam transgeneracional ou hereditária.

A noção de casal não tem apropriação através de um filho que seria o resultado de sua união. O filho nasce portanto totalmente livre e liberado dos laços existentes com um pai e uma mãe.

E isso não coloca qualquer problema.
A filiação material foi desejada, nesta Dimensão, a fim de melhor fechá-los nos esquemas de funcionamento, oriundos, não de seu próprio arbítrio ou de sua soberania, mas da soberania de uma linhagem, ou do carma de uma linhagem, se preferem.

É preciso bem compreender que nesta dimensão que vocês percorrem ainda, tudo funciona sobre o princípio de fixação e desprendimento.

Isso não existe, simplesmente, totalmente, nas Dimensões Unificadas.

Questão: Quem decide então a vinda de um novo ser?

Dois seres, juntos.

Questão: Onde intervém a escolha de alma que se encarna assim?

O problema é invertido.

Eu falo, obviamente, da 5ª Dimensão, onde a noção de reprodução existe ainda, o que não é mais totalmente o caso nas Dimensões mais etéreas e mais elevadas, eis que não há necessidade dar à luz o que quer que seja, dado que tudo é já perfeito.

Entretanto, na quinta Dimensão e na terceira Dimensão Unificada, eu já disse que a relação sexual podia existir, que a procriação, no sentido em que entendem, pode ainda existir mesmo se as circunstâncias sejam profundamente diferentes.

Então, quem decide? 
Bem, simplesmente uma alma decide, ao final de um certo tempo, deixar, em Espírito e em Verdade, um corpo, porque este está usado, e quer experimentar outra coisa. Então, nesse momento, ela contacta duas outras Consciências, eis que não há mais separação de planos, a fim de ser gerado outra vez, em um novo corpo.

Não há interrupção de Consciência.
Não há fenômeno de aprendizado, tal como vocês o definem.

Questão: Poderia desenvolver sobre o tema de humildade?

A humildade baseia-se, precisamente, na relação justa, na compreensão de que em estado Unitário você não poderá re-penetrar na dualidade.

A dualidade está sempre ligada à discussão e ao mental.
Assim, ilustrarei esta noção de humildade pela noção de exemplos.

O primeiro exemplo que tomarei é muito simples e lhes concerne a todos: na relação entre dois seres, além mesmo de um casal, acontece-lhes muito frequentemente de exprimir um parecer, uma idéia, um pensamento sobre um outro ser vivente. Frequentemente seu nível de percepção os faz ver um ser com tal rosto, não aquele que ele quer lhes mostrar, mas aquele que é realmente para vocês.

Nesse momento, e se vocês se apercebem que as palavras pronunciadas ou as atitudes ou os comportamentos gerados para vocês não são justos, o que lhes compete fazer?

O mais frequente, na humanidade dita responsável, de terceira Dimensão dissociada, vocês vão, se ousarem, falar com esta pessoa para dizer que isso não é justo. Entretanto, se você acessou a Unidade, você não pode se conceber e se conduzir assim, senão você descerá novamente ao nível da dualidade.

É preciso bem compreender que ao nível da Unidade é preciso um certo lapso de seu tempo para que o princípio de atração e de ressonância se estabilize. O princípio de atração e de ressonância vai evitar-lhes, progressivamente e à medida do desenrolar de sua Vida, de se encontrar confrontado a algo que corresponde a falhas em vocês.

Manifesta-se, com efeito, em sua Vida, sempre o que é princípio de atração e de ressonância.

Entretanto, existem situações onde o princípio de atração e de ressonância não está mais em jogo mas onde, justamente, devido ao fato de que você tocou a Unidade e a manifesta em sua Vida e nesta dualidade, seres são como atraídos, efetivamente, pela Vibração da Unidade.

Esses seres não estão todos, no entanto, na Unidade. Eles procuram eles mesmos a Unidade, por vezes manifestando formas de dualidade extremamente violentas e extremamente egotistas, no sentido que vocês entendem.

Entretanto, mesmo se vocês percebem isso, têm vocês o direito ou o dever de dizer?

A partir do momento em que compreendem que, se lhe dizem, mesmo se vocês têm o dever, e mesmo se vocês têm o direito, vocês voltam a descer necessariamente ao nível do outro e, portanto, perdem sua Unidade.

Assim, quando vocês experimentarem, progressivamente, esse gênero de situações, vão compreender que não podem mais interferir.

A única maneira, nesse caso, é afastar-se, no sentido Vibratório.

Não há outra alternativa porque querer entrar na justificação de seu estado ou na justificação da relação os faz de novo penetrar os mundos da dualidade e portanto da distorção da Relação.

Então, existe, nesse nível, uma forma de aprendizagem, necessária e desejável, que convém levar a efeito o mais rápido possível.

Mas lembrem-se de que isso é fácil.
O aprendizado é facilitado a partir do momento em que vocês aceitam a Inteligência da Luz e a Inteligência da Vibração.

O princípio de atração e de ressonância pode então jogar a pleno, sem interferência nenhuma de seu mental, de suas emoções, de seus sentimentos e princípios dualistas ligados à dominação ou à possessão.

Questão: Que acontecerá para aqueles que recusarem a Luz?

Será diferente para cada pessoa.
Cada ser humano, quando da inicialização da finalidade, será confrontado a sua própria Existência. A distância Vibratória existente entre a personalidade e a Existência desencadeará um certo número de mecanismos de atrito e de oposição mostrando a distância e o sofrimento existente entre a personalidade e a Existência.

Nós ali estamos estritamente para nada.
Isto está ligado à Revelação da Luz.
Nós ali nada podemos e eles tampouco, ali nada poderão, porque estarão na distância e não mais em coincidência, entre a personalidade e a Existência.

O que eles terão a viver corresponde ao que escolheram viver.

Recordem-se que vocês são livres para aceitar ou recusar a Luz.

Alguns seres, conscientemente, recusaram a Luz.
Eles serão então confrontados a essa recusa da Luz.

Quem ali pode alguma coisa?
Cada Ser encontra sua responsabilidade: vocês não podem pretender uma coisa e viver o contrário.

Você não pode servir tal outro e depois tal outro.
Você não pode ser um cata-vento alternando de sentido em função de seus impulsos.

Vocês devem ser seres afirmados na Luz.
O que vem para vocês necessita um grande Amor, uma grande humildade e uma grande simplicidade.

Este Amor, esta humildade e esta simplicidade passam pela cessação de seu mental. Você não poderá encontrar solução fora.

A solução será interior e Vibratória.
Isto foi repetido, desde centenas de anos, por múltiplas aparições. Inúmeros Místicos os preveniram do que chegaria e do que está chegando.

Ninguém poderá dizer que não estava prevenido.

O que vem é a Liberação.
O que vem é a Alegria.
O que vem é a Luz.
O que vem é o Fogo do Amor.

Nós ali nada podemos se as Consciências decidiram que isso não era o Amor e que era inútil à suas vidas.

Questão: Essas almas terão a escolha entre qual e qual?

Entre a dissolução (o que vocês chamam a morte) e o retorno num corpo de 3ª dimensão, noutro lugar, de acordo com os processos de encarnação não dissociada.

E nenhum outro.
Vocês entram numa etapa que lhes exige voltar, totalmente, para seu Ser Interior, o que não quer dizer isolar-se do mundo e da Vida, bem ao contrário.

Isso quer dizer ser capaz de encontrar, no Interior de Vocês, a Vibração de sua Essência, a Vibração do Coração.

Vocês aí têm sido ajudados de diferentes modos, pelo Conclave, pela Assembléia dos 24 Anciãos e por uma multidão de Seres de Luz que estão ao redor de seu sistema Solar.

Vocês não podem mais tergiversar.
Vocês tiveram o ano anterior para realizar muitas coisas e confrontações.

Hoje, vocês vivem a época a mais maravilhosa que a humanidade jamais viveu, na condição de viver na Vibração, na condição de que sua Consciência se volte à Existência.

Vocês não podem pretender manter um modo de funcionamento e pretender a Luz.

É também simples assim.

Questão: Como gerir uma forma de culpabilidade quando estamos no curso desses processos, com relação àqueles que não estariam?

Isso mostra simplesmente que seu nível de funcionamento situa-se naquele do que vocês chamam um salvador, ou seja, um sentido da responsabilidade com relação aos outros, que não é sua incumbência.

A única maneira de ajudar aos outros é estar, você mesmo, em Unidade.

Você não poderá jamais ajudar ninguém por palavras.
Você poderá se compadecer, poderá sentir a empatia, mas jamais poderá levá-lo em sua Vibração se você mesmo não está alinhado com você mesmo, na Vibração da Unidade.

Então, a culpabilidade é também um assunto do mental e nada mais.

Quando você sente uma culpabilidade qualquer, observe o que acontece ao nível da Vibração do
Coração: ela se amplifica ou ela diminui?

E você compreenderá, naquele momento, os fundamentos da culpabilidade. Recorde-se que nesta dimensão tudo foi feito para colocá-lo na culpabilidade.

Tudo foi feito para colocá-lo no isolamento.
Tudo foi feito para torná-lo dependente.
E você vai descobrir, hoje, a independência e a Liberdade.

Nós compreendemos muito bem (do mesmo modo que a imagem que já tomei) que, quando um pássaro está numa gaiola e abrimos a portinha, ele não quer sair, porque ele não conhece o exterior.

Nós não podemos, e não temos o direito, de colocar a mão ou outra coisa na gaiola para fazê-lo sair.

Isso corresponde ao abandono à Luz e esse passo você deve fazê-lo só.

São seus condicionamentos e as culpabilidades induzidas pela educação, pela família, pela rede social que os faz crer que vocês são responsáveis uns dos outros.

Vocês estão ligados uns aos outros, mas não de modo horizontal, mas sim vertical, o que nada tem a ver.

Questão: Podemos permanecer na 3ª Dimensão guardando ao mesmo tempo o contato com a Unidade?

É bem o que realizam, atualmente, todos e cada um.

Como nós dissemos, a Luz e nós mesmos procedemos por toques de Luz, por impulsos de Luz e observamos.

O que vocês vivem é bem isso, uns e outros, consciente e inconscientemente.

Obviamente, será muito mais fácil, no exemplo do pássaro ou no exemplo do macaco que tem seu punho fechado num frasco, soltar o que tem a fim de chegar a estar na Unidade.

E, ainda uma vez, isso é uma decisão estritamente pessoal.

Você não poderá levar ninguém com você que não o tenha desejado (ascendente, descendente, parente, cônjuge ou não).

Você poderá levar apenas você mesmo, nesta nova Dimensão. O que pertence a esta Dimensão deve permanecer nesta Dimensão.

O exemplo que tomo, da morte, mesmo se não é adequado, coloca-o nas circunstâncias idênticas.

Você passa de um estado a outro.
Você está na preparação final dessa passagem.

A questão é: Você está pronto?
Você está pronto a viver a Luz e a Unidade?
Então, se você está, você deve estar pronto a deixar todo o resto, sem exceção.

Não há outra alternativa.
Não somos nós que decidimos, não é você que decide, não é a Fonte que decide, é isso que é.

Você quer penetrar a Liberdade ou você quer permanecer no livre arbítrio?

Você quer o fim da ilusão e a emergência da Verdade ou você quer permanecer na ilusão?

Cada coisa, assim como disse o Arcanjo Jofiel, já há quase dois anos, é respeitável.

Nós não interferiremos jamais nessa escolha, nem nós, nem a Fonte, do mesmo modo que qualquer outro Ser Humano não pode fazê-lo, mesmo se ele o crê.

Você quer permanecer no limitado ou você quer ir para o ilimitado?

Você quer estar na Alegria ou você quer permanecer no sofrimento?

Não há outra questão.
O resto são apenas armadilhas de seu mental, do ego, do estado emocional, do estado de fixação a certas circunstâncias (quer isso seja um trabalho, quer seja um cônjuge, quer seja um filho).

Você deve aceitar, enfim, que cada Ser Humano, cada Consciência, presente na superfície deste planeta, é livre porque é da mesma centelha, da mesma Essência Divina que você.

Em nome de que deveria ele estar sujeito a seu papel de educador ou de cônjuge?

Você não pode pretender a Liberdade se você não deixa os outros livres.

É assim simples.

Amar é isso.
Amar é respeitar a Liberdade do outro.
Amar não é possuir.
Amar é dar.

Vocês estão, hoje, assim como anunciará em breve o Arcanjo Miguel, em momentos únicos (isso eu disse) e momentos intensos em que irão se aproximar desta Unidade, para alguns, tão cobiçada.

Como o sabem, alguns Seres Humanos têm a capacidade de viajar na Existência.

Para aqueles, não há qualquer dúvida que no momento vindo eles irão em sua Existência deixando para trás tudo o que deve ser deixado, porque eles estarão na Luz.

Outros Seres Humanos, em número cada vez mais importante, tendo vivido os Casamentos Celestiais ou tendo vivido as transformações, mesmo independentemente dos Casamentos Celestiais, desde 25 anos, ou mais recentemente, vivem as premissas desta Liberação.

Mas, a um dado momento, eles terão que fazer a escolha.
O que realiza o Arcanjo Uriel, por sua Presença sobre esta Terra, é fazê-los entrar, se isso lhes é possível, na Vibração da Presença da Unidade, mesmo na personalidade.

A conjunção da Vibração da Presença e da Unidade na personalidade dá este estado particular que correspondeu a uma das primeiras questões, tocando um cristal.

É um estado de neutralidade total, é um estado de contemplação onde não há mais ação nem reação: há simplesmente o Ser e a Presença.

Quando vocês tocam isso, vocês compreendem que a porta de saída está aí e em nenhum outro lugar.

Na Vibração do Coração, a partir do momento em que o supramental aproxima-se cada vez mais em vocês, como é o caso agora, não existe qualquer necessidade, não existe qualquer vontade, se isso não é da Luz e da Inteligência da Luz em vocês.

Então, não é questão de culpabilizar ou de fazer interrogar seu mental.

É questão, através de meus propósitos hoje, de ordená-los, de maneira cada vez mais formal, a irem para este estado interior, para esta Existência, porque não há outra alternativa.

Questão: É melhor usar o nome de nascimento ou aquele que escolhem a seguir?

Bem amado, a resposta que vou dar dirige-se a todos vocês, aqui, e ela é importante.

Tomar um nome corresponde a uma Vibração.
Existe uma forma de afiliação à sua Vibração, em relação com o que você é.

O prenome, como o nome, marca, em qualquer lugar, uma assinatura do que você é nesta densidade.

Obviamente, e como o sabem, esta densidade é ilusória.
Entretanto, você aqui é ator de sua própria peça.

Nesta densidade, por vezes, alguns mudam de nome.
Isso traduz por vezes uma necessidade de reajustar-se ou então de fugir.

Mas, ainda uma vez, hoje, encontrar a Verdade do que você é está além, obviamente, do nome e do prenome.

Mas, entretanto, é preciso compreender que você nasceu com um nome e que ele é portador de uma Vibração que é aquela de seu primeiro sopro, nesta encarnação.

Então, obviamente, hoje, inúmeras pessoas empregam diminutivos.

Mas não é jamais inofensivo mudar a Vibração de seu nascimento ali levando uma outra Vibração.

Então, o importante, hoje, eu diria, é seu nome espiritual, aquele que lhe é ocultado até o momento oportuno.

Entretanto, para acessar sua Essência, existem variações de Vibrações em função dos nomes que vocês usam. Os nomes são portadores de Vibrações que os prendem, sem ligá-los, a uma Vibração comum. Assim, obviamente, o nome masculino Jean é bem mais forte que o nome Pierre, e assim por diante.

Então, passar de um nome a outro não é inofensivo.
Retornar a seu verdadeiro nome é também uma mudança importante porque marca uma reconexão e uma relação com seu Ser essencial no momento do nascimento.

Então, cabe a você ver e escolher.

Questão: É o que é de um nome espiritual que pode dar um médiuim ou um Mestre?

Nenhum médium tem autoridade sobre a Terra para dar o nome de alma de uma pessoa.

O nome de alma é secreto.
É algo que pertence ao próprio.
Não tem mesmo que ser revelado fora.
Não é algo que é feito para chamá-lo ou nomeá-lo.
Existe um nome, além de seu nome, nesta encarnação e de seu prenome.

Esse nome é o nome de sua Essência, chamado por vezes de nome de alma ou nome espiritual.

Esse nome lhe é revelado a partir do momento em que as quatro linhagens espirituais lhe são conhecidas.

Por vezes, em certos casos, por derrogação, pode ser-lhe revelado, mas esta revelação é sempre uma revelação de você para você mesmo.

Nenhum ser humano além de você pode conhecer esse nome, qualquer que seja o grau de confiança e qualquer que seja o grau de acesso, mesmo, ao que vocês chamam Anais Akashicos.

O nome da Essência é um nome escondido.
Ele lhe é ocultado porque corresponde ao nome que você usa no Sol, em seu corpo de Existência.

O nome de seu corpo de Existência é um nome, geralmente, composto de duas sílabas.

Essas duas sílabas são extremamente precisas.
Elas correspondem a uma Vibração que é a Vibração de sua Essência.

Questão: Isso significa que se um tal nome é revelado por alguém, é forçosamente falso?

Não.

Ele pode ser efetivamente próximo e dado com uma forma de desvio.

O médium não pode captar, com efeito, o nome de sua Essência, senão isso lhe daria todo poder sobre você e sobre seu Ser.

Assim, portanto, alguns médiuns chegam a conectar alguns planos e vão receber informações, contudo, ligeiramente alteradas e deformadas, para não lhe comunicar, de maneira autêntica, seu nome de Essência porque aquele deve ser revelado, você com você mesmo, no momento oportuno.

Sozinho, você com você mesmo, obtém esta revelação, no momento vindo.

Pode haver uma revelação mas ela será necessariamente incompleta.

Não é permitido a nenhuma outra alma ter esse poder sobre uma outra alma.

Questão: Como ter uma melhor relação com Si mesmo?

Bem amado, a melhor relação com si mesmo consiste em parar os pensamentos, parar as emoções e parar toda forma de projeção exterior, no tempo.

Isso necessita, obviamente, parar o tempo, o que eu digo frequentemente àquele que guardo: «Hic et nunc», «aqui e agora».

Colocando-se no aqui e agora, tomando o hábito de colocar-se no aqui e agora, você se alinha com você mesmo e entra em relação com você mesmo.

Alinhando-se com você mesmo e em relação com você mesmo, você percorre o que chamei o Alfa e o Ômega, ou seja, que a partir desse momento, você se centra no centro da cruz (a cruz, obviamente, cósmica, que corresponde ao Ser e à Existência).

Entrar na Existência é a melhor forma de relação que você pode manter com o que você é. Isso necessita deixar cair um certo número de movimentos inúteis, de palavras também, em alguns casos, inúteis.

A porta do silêncio é também o silêncio de palavras.
No silêncio de palavras encontra-se o silêncio Interior.
No silêncio Interior encontra-se o Coro dos Anjos.
E no Coro dos Anjos encontra-se a relação com o que você é.

Questão: Estar no aqui e agora é estar no instante presente, mental e emocionalmente?

Bem amado, a chave da ultratemporalidade, a chave do acesso à Existência, a chave do acesso ao conhecimento do universo e do conjunto da cosmogenia traduz-se pelo aqui e agora, pelo Alfa e Ômega.

Você não pode chegar a conhecer, no sentido o mais nobre, ou seja, «nascer com», no sentido de fundir, no sentido de entrar em relação com a Existência, se você não para, justamente, tudo o que o despolariza deste instante presente.

O instante presente corresponde ao momento final onde você reencontra o Ser. Reencontrar o Ser, reencontrar a dimensão do que você é, em Verdade, se faz efetivamente parando o tempo, parando a emoção e parando o mental.

Inúmeros Seres humanos, pelos tempos passados, meditaram durante numerosas vidas, a fim de chegar a esta etapa precisa que, hoje, lhes é ofertada pela Graça da Fonte.

Basta-lhes, simplesmente, colocar-se no espaço sagrado de seu Coração, fazer silêncio, colocar-se no aqui e agora afirmando, ou seja, caçar todo pensamento passado, todo pensamento ligado ao futuro, toda emoção em relação com um movimento.

A ausência de movimento conduz ao movimento infinito.

Assim, desde agora, e pela Graça da Tripla Radiação que vocês recebem em abundância desde o início deste ano, lhes é possível e permissível viver isso, na condição que vocês parem tudo em vocês, o espaço de um instante.

Ser-lhes-á também possível, e muito facilmente, conectando-se na Vibração, simplesmente, do nome do Arcanjo Uriel, acoplado a Metatron ou a mim mesmo, colocarem-se no instante da Presença.

O instante da Presença é o instante em que se para tudo o que não é a Presença e o Ser.

Questão: O que é dos nomes masculinos, como Yves, feminizados com «ette»?

Não há, nesse nível, qualquer incidência.
A Vibração, no masculino e no feminino, é a mesma entre Yves e Yvette, entre Daniel e Danielle e, como isso foi dito, entre Michel e Michelle.

A diferença está no nível da escrita.
Ao nível da pronunciação, efetivamente, há uma pequena diferença, mas, entretanto, isso não leva nem a prejuízo, nem a confusão, nem a modificação da Vibração essencial de seu nome.

Questão: E os nomes idênticos no feminino e no masculino, como Dominique?

Então, aí há necessariamente o que chamaria um componentte, em sua Dimensão, que favorece talvez uma certa forma de androgenia porque há ausência de polaridade num nome que é igualmente masculino e feminino.

Isso pode ser uma ajuda em sua evolução.

Questão: O que pensar de querer conhecer seu futuro, indo a um vidente, por exemplo?

Bem amado, nada há a pensar.
O ser humano está privado de marcadores nesta dimensão, quanto à sua origem e quanto à sua filiação e quanto a seu fim.

Então, obviamente, errante num espaço desconhecido onde nenhuma certeza é possível (porque, aqui, é um mundo ilusório, um mundo flutuante onde nada é certo), é lógico que ao curso de suas peregrinações, a alma tenha desejado, na encarnação, conhecer o futuro e conhecer seu passado.

Entretanto, é preciso aceitar que conhecer o passado ou conhecer o futuro afasta-o, de maneira inexorável, de seu Ser.

Conhecer o futuro não é conhecer o que você é.
Conhecer o passado não diz o que você é no instante presente.

Estar no instante presente é descobrir sua filiação, suas filiações e descobrir a Existência. Entrar em relação com a Presença, esta tem apenas que fazer do que será amanhã, do que você foi ontem.

Existem portanto duas tramas que podem por vezes se entrelaçar mas que, jamais, não se reencontrarão de maneira definitiva. Existe assim uma trama temporal linear ligada a um passado, a um presente e a um futuro, que o ser Humano procura conhecer.

Mas é preciso bem compreender que se você se afasta de seu presente, procurando o futuro, isso pode tranquilizar mas, obviamente, você não estará jamais em seu presente.

O presente é justamente fazer abstração do que é passado e futuro, tudo sabendo que se você aceita isso, entrar na Presença dará acesso a todos os futuros e a todos os passados.

Mas, entretanto, convém já realizar este instante.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Então, caros Mestres da Luz encarnados (porque é o que vocês são, além da ilusão do que vocês habitam, face a mim, aí, agora), vamos, juntos, beneficiar, pela intervenção desse canal e de minha própria Presença, do afluxo da Radiação do Arcanjo Uriel, a fim de fazê-los penetrar na Existência e na Presença.

Eu lhes peço que se coloquem em posição de acolhimento e de recepção, fechem os olhos, voltem sua Consciência para seu Templo Interior, seu Coração, no centro de seu Ser.

E, juntos, enquanto permaneço aqui, vamos permitir a Uriel que se densifique vibratoriamente até vocês.

... Efusão de energia ...

Bem amados Mestres da Luz, nós lhes trazemos nossas bênçãos, nossos incentivos, e toda a Luz.

Nós os deixamos viver no acolhimento, com vocês mesmos, na Luz.

Nós lhes dizemos até breve.

___________________________
Compartilhamos essas informações em toda sua transparência. Agradecemos em fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo integralmente este texto e citando sua fonte: http://www.autresdimensions.com/
Versão do francês para o português: Célia G.

Nenhum comentário:

Postar um comentário