sábado, 28 de março de 2009

RAM - O mais importante é aprender a escutar, no silêncio do mental, o que diz seu Coração [28/03/2009] - Autres Dimensions



28 de março de 2009.
do site AUTRES DIMENSIONS.
Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

Eu sou RAM.
Recebam minhas Bênçãos.
Recebam todo meu Amor.

Quando de nossa última reunião, nós exprimimos certo número de coisas ligadas à transmissão da radiação do Amor.

Eu gostaria, agora, de lhes dar certo número de esclarecimentos (sempre pelas palavras, mas também pelo silêncio, mas também pela Luz e pela Vibração), certo número de conceitos que relacionados à Verdade, ao mental, às escolhas e ao Coração.

Na maior parte do tempo as decisões que vocês tomam, desde as mais simples, até as mais complexas, engajando seu futuro e sua evolução, são procedentes de certo número de escolhas que lhes são propostas por seu mental.

Este vai se basear em certo número de elementos para lhes fornecer elementos de escolhas.

O problema é que o mental lhes proporá, sistematicamente (e sempre, definitivamente), duas escolhas e unicamente duas escolhas, e essas duas escolhas serão sempre oriundas da dualidade na qual vocês vivem.

É preciso algum aprendizado antes que o mental se torne iluminado pelo Amor e a Luz. Mas, de uma maneira geral, o conjunto de suas decisões e o conjunto de suas escolhas são procedentes, sistematicamente, do que lhes é proposto pelo mental, em função de um julgamento dual, ligado à sua própria dualidade.

E essa escolha consistirá sempre em decidir se sim ou não, vocês fazem uma coisa ou não.

A decisão iluminada pela Luz do Amor apresenta um tom profundamente diferente. Ela não provém de seus hábitos, de seus comportamentos, que ditam as escolhas de seu mental, mas, efetivamente, de uma abertura propícia a acolher o que vem da Luz.

A escolha procedente do Amor não se manifesta por construções mentais procedentes de seus hábitos, procedentes de seus comportamentos, procedentes de sua educação.

A única referência da escolha procedente do Amor e da Luz vem, portanto, da iluminação, luminosa ou não, que comportará a escolha que vocês farão.

O mais importante é aprender a escutar, no silêncio do mental, o que diz seu coração. Geralmente, o mental não quer que seu coração escolha em seu lugar e, no entanto, quantos erros poderiam ser evitados se vocês tomassem por hábito novo colocarem-se na escuta, não do que lhes dita o mental (função de seus aprendizados, ainda uma vez, função de seus níveis educativos, de seus preconceitos, mas também do que os afasta da Luz!).

Mas, bem mais, se vocês se colocam na escuta do que lhes diz a vibração de seu coração com relação a uma decisão, esta será, ainda que contrária e ao oposto do que pensa seu mental, de todo modo, muito mais correta e muito mais eficaz à sua evolução.

Cabe-lhes, portanto, fazer o aprendizado desta resposta do coração, no lugar da escolha do mental. Porque a resposta do coração está para a Essência Unidade e fluidez, enquanto que a resposta do mental, mesmo inspirada pelos mais altos valores morais, os conduzirá necessariamente no impasse um dia ou outro.

O que não pode, obviamente, absolutamente não, gerar a decisão do coração.
Como fazer a diferença entre a decisão do mental e a decisão do coração?

A decisão do mental é, obviamente, vinda de uma reflexão ligada à dualidade prazer/desprazer, procedente de seu referencial, ligado, ele mesmo, à sua experiência passada de sua encarnação e de suas encarnações.

Vocês devem compreender que a decisão do coração impõe o silêncio do mental. É uma primeira etapa, eu diria, de aprendizado desse silêncio interior no qual se pode manifestar a vibração do coração.

Em seguida, frente a uma escolha ou uma decisão de vida, vocês devem imperativamente sair da noção dual que vai querer se impor devido à própria atividade de seu mental.

Vocês podem experimentar esta noção de escolha para coisas relativamente simples, onde o mental tem apenas poucas coisas a dizer. Por exemplo, a escolha de comprar tal alimento ao invés de tal outro alimento: nesse caso, o mental poderá apenas propor a noção de gosto e de prazer e de desprazer, sem entrar em dados muito mais complexos que levam a efeito seu afetivo ou ainda decisões de vida muito mais importantes.

Frente a uma escolha de legumes, por exemplo, você hesita entre comprar uma salada ou comprar uma fruta. E bem, tome por hábito não escolher como você o faz habitualmente (ditado por considerações de falta, ou de prazer, ou de desprazer, ou de outra coisa ligada às suas qualidades gustativas), mas pare simplesmente diante da escolha que lhe é oferecida diante de dois legumes (ou entre um legume e uma fruta, isso é exatamente a mesma coisa).

Naquele momento, você faz calar seu mental.
Você se coloca num estado de alinhamento interior (existem, para isso, muito numerosas técnicas) e, a partir daquele momento, conecte-se, como vocês dizem, leve sua consciência em um dos dois elementos de sua escolha e sinta o que acontece no interior de vocês.

Sinta o sinal que é, para você, aquele da decisão correta.
Obviamente, esta decisão não deve ser procedente de uma atividade mental, mas, efetivamente, de uma vibração partindo do meio de seu ser, ou seja, do peito.

Vocês podem imaginar que se isso funciona para uma fruta ou um legume (e vocês constatarão que funciona com extrema facilidade e extrema rapidez), pode ser um pouco mais difícil para as decisões importantes da vida engajando-os não numa refeição, mas num futuro e numa evolução diferente.

Isso pode se colocar tanto para uma decisão de escolha afetiva, como escolha de vida ou também de região de vida ou com relação a elementos ou eventos esperados ou temidos.

Bem, você deve sair, aí, uma vez mais, de maneira certamente um pouco mais prolongada, da atividade de seu mental, afastando de seu espírito tudo o que está em relação com a escolha.

Deixe instalar-se um estado de fluidez, de tranquilidade, de serenidade e de pacificação de seu estado mental, emocional e físico.

Naquele momento, basta se ligar, se conectar a um dos elementos da escolha, a uma das duas proposições e, naquele momento, escutar não o que diz sua cabeça, mas o que acontece ao nível da vibração.

Faça o mesmo para a segunda escolha possível.
Obviamente, isso lhe parecerá diferentemente mais árduo e difícil para levar a efeito do que para a decisão de uma fruta ou de um legume. Mas, entretanto, você constatará muito rapidamente que a vibração lhe responde.

Isso é exatamente o que é utilizado pela manipulação de alguns instrumentos que vocês chamam instrumentos de radiestesia, como pêndulos ou outros tipos de antenas. Simplesmente, aí, vocês decidem que a resposta situa-se simplesmente ao nível da vibração de seu coração.

Obviamente, existem casos em que você vai se aperceber que uma das escolhas vai provocá-lo a perceber uma região diferente de seu coração, em particular ligada ao nível do plexo solar, do que se chama Manipura chacra.

Nesse caso, a resposta não é correta, porque a resposta põe em jogo seu estado emocional e, por vezes, a resposta do coração será diametralmente oposta à resposta de suas emoções ou de seu mental.

Agora, estejam certos de uma coisa, é que, se vocês seguem a vibração de seu coração com relação a uma decisão importante de sua vida (mesmo que ela lhes pareça contrária ao que vocês anseiam ou ao que vocês desejam) estejam certos de que ela será positiva em todos os sentidos do termo, tanto para sua evolução espiritual como também, mesmo, para as próprias condições de sua vida e do desenrolar de suas escolhas.

É profundamente diferente estabelecer a Verdade porque o que você obterá não é a Verdade, é a Verdade de seu coração, que corresponde ao seu caminho e à sua Verdade interior, mesmo se está em oposição com a Verdade que lhe ditaria o mental e, no entanto, aceita como verdade pelo conjunto de pessoas e o conjunto de comportamentos e educações vividas pela maioria das pessoas.

A escuta do Coração, a escuta da vibração em resposta a uma escolha vai colocá-los num caminho de harmonia, de fluidez e de facilidade.

Vocês se aperceberão muito rapidamente que, seguindo as escolhas da vibração do coração, as coisas serão muito mais simples, muito mais fáceis e muito mais resultantes ao nível dos frutos que isso trará para vocês e desencadeará em vocês.

A Verdade sai do coração, mas não é a Verdade do mental.
Pode parecer, às vezes, certo número de elementos que sejam profundamente reais, concretos e procedentes de uma lógica implacável ao nível da razão e, entretanto, vocês constatarão que a vibração do coração está ao inverso do que lhes ditaria o mental.

Agora, caberá a vocês seguirem, o mais frequentemente possível, o caminho do coração e, sobretudo, ignorarem o que dita o mental. Isso é extremamente importante porque, num futuro extremamente próximo, todos os seres humanos terão que fazer escolhas importantes.

Essas escolhas, obviamente, não são ligadas às escolhas espirituais com relação à sua evolução, mas engajam, de qualquer modo, seu modo de viver, seu modo de viver este futuro e essa evolução e, obviamente, certo número de escolhas implicarão em consequências que serão diametralmente opostas e profundamente diferentes segundo a escolha que terá sido feita pelo mental ou pelo coração.

Eis agora o que acontece, se querem, estando na escuta da vibração no momento em que vocês aceitam a vibração de seu coração como Fonte última de sua Verdade e não mais a ferramenta mental.

... Efusão de energia...

Continuemos, agora, se efetivamente querem, pelas palavras.

Frente a uma decisão importante em sua vida, há três escolhas possíveis, sempre na dualidade: ou a escolha é ditada pelo mental (naquele momento, vocês se enganarão uma vez em três, o que é lógico), ou a escolha é ditada pela vibração do Coração (mas vocês não se enganarão jamais), ou aceitam a vibração de seu plexo solar, caso em que todas as decisões que tomarem serão coloridas pelos desejos de seu ego e vocês se enganarão em 90%.

Do conjunto dessas escolhas de vida, de suas decisões que vocês tomam, decorrerá o conjunto do que vocês terão a viver nos tempos que vocês vivem.

Assim, eu os engajo a seguir o caminho do Coração, porque é o único que lhes dá as melhores disposições e a melhor solução para qualquer problema colocado pelo Estado de Ser, mesmo se lhes pareça, a princípio, completamente desconexa e completamente ao oposto do que desejaria a razão e a lógica.

O Coração não conhece nem lógica, nem razão.
Ele conhece apenas sua Verdade, em acordo com sua Essência.
Ele conhece apenas o que é correto para você e jamais será colorido por seus desejos ou pelas convenções ou pela educação, ou ainda pelos comportamentos que vocês reproduzem ao infinito, procedentes mesmo da estrutura da dualidade na qual vocês vivem.

Prossigamos pela vibração.

... Efusão de energia...

Como eu disse, isso necessita uma forma de aprendizagem.

Obviamente, se vocês se precipitam imediatamente nesta técnica para as decisões importantes de sua vida, é quase certo que o mental tomará, toda vez, o topo sobre a vibração.

Entretanto, se vocês começam pelas coisas as mais simples de sua vida, vou tomar exemplos da vida corrente (o exemplo da escolha entre um legume e uma fruta foi um, eis outro): quando vocês tomam uma infusão e devem mexer esta infusão, vocês mexem esta infusão sistematicamente no mesmo sentido, viram a colher sistematicamente no mesmo sentido.

Tomem por hábito perguntar à vibração do Coração para lhes dizer se esta vibração está no bom sentido no que diz respeito à sua verdade energética e vocês constatarão que, aí, o mental não pode se opor à vibração, porque se trata de uma decisão que eu qualificaria de elementar, na qual ele não tem qualquer tomada.

Pouco a pouco, adotem esse modo de funcionamento e esse modo de resolução de escolha para coisas cada vez mais importantes e vocês constatarão que o aprendizado far-se-á extremamente rapidamente.

Vocês constatarão que se tornará extremamente fácil a vocês escutar o que lhes diz seu Coração, ao invés do que lhes diz seu ego ou o que lhes diz seu mental.

Tomem o hábito, porque vocês terão que fazer, cada um sobre esta Terra, escolhas extremamente importantes que estão além das escolhas da encarnação ou da desencarnação, mas que dizem respeito, de modo imediato, ao modo que vocês devem viver o que têm a viver nos tempos que vocês vivem.

Isso é extremamente importante.
Não confiem em seus desejos.

Lembrem-se de que seus desejos os enganam 90%.
Não confiem em seu bom senso ou em seu intelecto.
Isso é certamente válido para aprender a conduzir um veículo, mas certamente não para aprender a conduzir sua vida.

Vai muito diferentemente se você considera que sua vida deva tomar um caminho espiritual em acordo com você mesmo e com o Universo.
Nesse caso, você não pode absolutamente contar com a resposta de seus desejos e, se você conta com seu mental, você se enganará sistematicamente, uma vez em duas.

Ora, se você quer estar em acordo consigo mesmo, com seu caminho espiritual, com sua busca e sua sede de Unidade, você deve apenas confiar na vibração de seu Coração.

Quando de minha última intervenção, eu lhes transmiti também certo número de informações sobre a transmissão da radiação da Luz do Coração e do amor. Trata-se, aí, da mesma vibração e que não é emitida espontaneamente, mas que é emitida em função de uma escolha que lhe é submetida.

Lembrem-se de que o treinamento começa com as coisas as mais fúteis da vida, aquelas sobre as quais o mental não tem qualquer tomada, nem, aliás, o desejo.

Tentem escutar o que diz seu Coração.
Recusem tudo o que provém de uma decisão que viria de seu mental ou ligada a qualquer desejo.

Continuemos pelo silêncio ...

... Efusão de energia...

Quando eu falo da vibração do coração, trata-se da vibração que vai lhes dar a escolha em relação com sua alma e seu Espírito, coisa que não deve se confundir com a intuição.

A intuição situa-se ao nível da cabeça.
A intuição não é o que acontece ao nível do Coração.
A intuição vai levá-los para escolhas, certamente, diferentes do mental, mas a intuição pode também enganá-los.

O sentimento, tal como vocês o definem, ou o sentido, pode também enganá-los.

A vibração do Coração não pode, porque ela está sistematicamente em acordo com sua alma, com seu espírito e com seu caminho.

Esse é o único modo de não cometer erro.
Esse é o único modo de não sofrer e de estar em acordo total com a fluidez, com a Unidade, com sua alma, com o Divino.

Eis a resposta da Luz...

... Efusão de energia...

Continuemos.

Vocês se aperceberão também, muito rapidamente, quando deste aprendizado, que, progressivamente e à medida que a vibração do Coração se manifesta frente a escolhas cada vez mais importantes e decisões que vocês têm a tomar, menos seu mental poderá opor resistência à vibração, menos seus desejos poderão se manifestar.

Como isso se traduzirá?
E bem, independentemente da vibração que se manifesta após ter exposto claramente uma escolha, vocês constatarão, de maneira muito simples, que o mental não pode mais se colocar na atividade, assim como as emoções não podem mais intervir.

Vocês estarão completamente desapegados de suas próprias decisões.
Estas serão exatas, em acordo com vocês, mas não desencadearão nem alegria, nem emoção, nem prazer, nem desprazer, mas impor-se-á como uma evidência ligada à vibração de seu Coração.

Eis a resposta da Luz...

... Efusão de energia...

Continuemos.

Nós partimos do princípio, obviamente, que, em sua escolha, você tem a escolha entre duas possibilidades.

E sobre os casos em que várias possibilidades se oferecem a você?
Obviamente, nesse caso, você deve continuar a pensar, simplesmente, em cada uma dessas escolhas e esperar a resposta da vibração do Coração.

Você constatará que, qualquer que seja o número de escolhas possíveis (ainda que seja importante), existe apenas uma resposta da vibração do coração e uma única e não duas.

Isso é impossível, porque o coração conhece apenas a Unidade.

Não pode haver resposta a meio caminho entre o sim e o não.
Pode apenas haver resposta ou não resposta da vibração de seu Coração.

Essa é uma constante que você terá toda liberdade de verificar por si mesmo, ainda que apenas sobre as coisas, num primeiro tempo, fúteis de sua vida, antes de iniciar decisões sobre projetos importantes de suas vidas.

Eis a resposta da Luz...

... Efusão de energia...

Eu esclareço que lhes dei certo número de ensinamentos concernentes, em particular, ao trabalho sobre o Coração, permitindo, através dos seis pontos de acesso de seu Coração, sentir a vibração de seu Coração. [Clique aqui].

A vibração de seu Coração, que você pode sentir quando deste exercício, será a mesma que se manifestará no momento em que vocês colocarem ao seu Coração a questão de uma escolha.

A vibração do Coração vai permitir, quando ela se manifesta frente a uma escolha, desviar de maneira definitiva toda atividade mental e toda noção de emoção.

Você constatará, muito facilmente, com relação à escolha que tiver feito, ligada à decisão da vibração do Coração, que está em desapego completo com relação a essa escolha, que ela não provoca nem afeto, nem prazer, ainda uma vez, nem desprazer, mas que esta decisão sendo a mais exata, ela se situa ao centro de seu ser e não provoca desequilíbrio ligado às emoções ou à atividade mental.

Eis a resposta da Luz...

... Efusão de energia...

Bem amados, se vocês têm agora questões sobre este ensinamento que eu qualificaria de muito simples, mas, entretanto, capital, gostaria de tentar trazer respostas adequadas.

>>>

Não temos perguntas, agradecemos.

Então, eu lhes proponho viver um momento no silêncio e na comunhão, antes de me retirar.

Um momento de comunhão no Coração.

... Efusão de energia...

Recebam todas minhas Bênçãos, todo meu amor e eu lhes digo até muito em breve.

************
Mensagem de RAM no site francês Autres Dimensions:
http://autresdimensions.info/articled863.html
28 de março de 2009 (Publicado em 28 de março de 2009).
Versão do francês para o português: Celia G.
via: http://leiturasdaluz.blogspot.com.br

Um comentário:

Postar um comentário